Publicidade

Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Hipotireoidismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Hipotireoidismo. Mostrar todas as postagens

domingo, 16 de outubro de 2016

Comer Crucíferos Pode Melhorar sua Tireoide Disfuncional

Resultado de imagem para cruciferos

17/10/2016 e editado em 30/10/2016.

Dos artigos do dr. Mercola: 

Você já ouve isso desde que era pequeno: coma seus vegetais. Para as pessoas com hipotireoidismo cujos médicos aconselharam contra a ingestão de vegetais crucíferos, deve ser uma surpresa saber que a ingestão de rabanete, repolho, brócolis e couve pode melhorar a função da tireoide porque eles aumentam seus níveis de glutationa.

Na década de 1950, cientistas examinaram os alimentos com a possibilidade de que, ao invés desempenharem um papel nutritivo, alguns pudessem realmente representar um risco negativo, particularmente no que diz respeito à tireoide

.
Na década de 1950, cientistas examinaram os alimentos com a possibilidade de que, ao invés desempenharem um papel nutritivo, alguns pudessem realmente representar um risco negativo, particularmente no que diz respeito à tireoide.
Estes os chamaram de alimentos bociogênicos, que potencialmente causavam um inchaço no pescoço chamado de bócio. Glucosinolatos em vegetais crucíferos foram implicados como prováveis culpados. No entanto, estudos nesse sentido são escassos, como um artigo explica:

"Em termos de pesquisa com seres humanos, estudos que sugerem uma forte ligação entre vegetais crucíferos e doenças da tireoide são limitados ... A grande maioria da investigação apoia o consumo de vegetais crucíferos para prevenir o câncer de tireoide."

Além disso, enzimas deiodinase, fundamentais para a produção de hormonas da tireoide, foram descobertas. Os cientistas desde então, modificaram a sua teoria sobre vegetais crucíferos. Em vez disso, o foco é conectar as pessoas com os nutrientes necessários para o seu indivíduo, a função ideal da tireoide. Segundo a Fundação George Mateljan:

"Ao longo dos últimos 50 anos ... os investigadores determinaram que não há tais substâncias" negativas "nos alimentos, mas apenas que dão suporte à saúde que não combinam bem com certos indivíduos devido ao seu único histórico e estado de saúde. Cinco décadas de pesquisa também determinaram que certos nutrientes - como tirosina, iodo e selênio - desempenham um papel único na saúde da tireoide ".

Ao examinar suas próprias necessidades nutricionais, lembre-se de que pequenas quantidades são melhores, pois a quantidade demasiada de alguns alimentos, especialmente vegetais crucíferos, pode evitar que o seu organismo absorva o iodo e de maneira diferente impeça o funcionamento ideal da tireoide".



Outros Alimentos que Auxiliam a Função da Tireoide

Há muitas mais maneiras de expandir as opções culinárias para aqueles com hipotireoidismo, especialmente alimentos à base de plantas com abundância de antioxidantes e eletrólitos, como sódio e potássio, incluindo estes (tenha em mente que a maioria das frutas devem ser comidas com moderação pela maioria das pessoas devido ao alto teor de frutose):

  • Abóbora;
  • Pimentões (orgânicos), pois são carregados de pesticidas e estes perturbam o funcionamento da tireoide, além de serem prejudiciais à saúde; 
  • Cenouras; 
  • Vagem; 
  • Ervilhas; 
  • Tomates (se não forem orgânicos, descasque-os para eliminar o excesso de pesticidas); 
  • Aipo ou salsão; 
  • Pepinos (se não forem orgânicos, descasque-os para eliminar o excesso de pesticidas); 
  • Aspargo; 
  • Berinjela;
  • Uvas roxas (orgânicas); 
  • Mangas; 
  • Romãs;
  • Mirtilos ou Blueberries (orgânicos); 
  • Abacaxis; 
  • kiwis; 
  • Maçãs (se não forem orgânicas, descasque-as para eliminar o excesso de pesticidas); 
  • Frutas cítricas 
  • Cerejas 
  • Damascos
Outro bom nutriente para sua tireoide é a niacina ou vitamina B3. Alguns dos alimentos com este nutriente ainda não listados incluem a carne de cordeiro e peru.
Um alimento excelente para o hipotireoidismo é o óleo de coco.

Tradicionalmente, óleos poli-insaturados, tais como óleo de soja foram utilizadas para a alimentação de gado, porque eles faziam com que os animais ganhassem peso. Estes óleos são constituídos por ácidos graxos de cadeia longa que são ácidos graxos que promovem o ganho de peso.

 O óleo de coco, por outro lado, é uma gordura saturada composta principalmente por ácidos graxos de cadeia média. Também conhecida como triglicerídeos de cadeia média (MCTs), ácidos graxos de cadeia média são conhecidos por acelerar o metabolismo e promover a perda de peso. O óleo de coco também pode elevar a temperatura corporal basal, pois acelera o metabolismo. Esta é uma boa notícia para as pessoas que sofrem com a baixa função da tireoide ou hipotireoidismo. Houve dezenas de testemunhos deste efeito.

 
Quais Podem ser os Gatilhos dos Problemas da Tireoide?


Se você está se perguntando quais os alimentos que possam trazer problemas de tireoide, os piores têm uma coisa em comum: eles não são alimentos 'de verdade'. Como observado por Mind Body Green:
     "Alimentos refinados, processados, homogeneizados, pasteurizados, geneticamente modificados, enriquecidos, e artificialmente saborizados (ou coloridos ou conservados)", A chave para reparar o corpo, e não apenas encobrir doenças ou deslocar sintomas, mas o que realmente cura o corpo são os vegetais in-natura. A chave para a deterioração da sua saúde é consumir refinados alimentos processados".
Seguem alguns alimentos bociogênicos, que prejudicam a absorção de iodo e
interferem na correta absorção do iodo

Leia mais sobre: http://br.innatia.com/c-dietas-balanceadas-pt/a-alimentos-bociogenicos-5748.html
que devem ser evitados. Primeiro e mais importante:
  • Glúten (trigo, centeio, cevada e aveia, além de traços presentes em alimentos processados e medicamentos, leia os rótulos e bulas): com quaisquer problemas de tireoide, a primeira coisa a eliminar é o glúten. Ela pode causar inflamação, mau funcionamento gastrointestinal, perturbações da tireoide e outros problemas.
  • Alimentos não fermentados de soja: não importa quantos produtos "naturais" de soja dizem ser bons para você, a soja pode alterar a função hormonal, especialmente em mulheres. Uma infinidade de estudos indicam que os fitoestrógenos da soja podem prejudicar sua tireoide, bem como causar um declínio cognitivo
  • Alimentos Geneticamente Modificados (milho, soja, canola): alimentos geneticamente modificados podem desencadear tanto doença de Graves, como Hashimoto, corroendo o seu revestimento do intestino. 
  • Bromo: é um aditivo alimentar processado que provoca desregulação endócrina frequentemente encontrado na farinha usada no pão e assados (apesar de ser proibido no Brasil), refrigerantes, bebidas esportivas (gatorade), creme dental, enxaguatório bucal, peças de computador plástico, estofos e pesticidas pulverizados sobre morangos.
OBS: Dr. Lair recomenda que pessoas com hipotireoidismo consumam crucíferos 3 vezes por semana. A forma ideal de preparo é no vapor (com água filtrada, para evitar o cloro, o qual também é bociogênico). 
Consumam alimentos orgânicos e frescos sempre que possível, a fim de evitar pesticidas bociogênicos, prejudiciais à saúde e cancerígenos.

Evitem também pastas de dente com flúor, panelas com teflon que contenham flúor (ácido perfluorooctanóico (PFOA)), abram as janelas dos carros após terem ficado no sol para que o bromo liberado com o calor seja eliminado do ar, evitem usar o cloro como produto de limpeza, nadar em piscinas que o contenham, especialmente as aquecidas (prefira as tratadas com ozônio) e saunas úmidas (dê preferência às saunas secas) e evitem tomar medicamentos alopáticos, especialmente os de uso crônico contendo bromo (bromoprida...) e flúor (fluoxetina...), procure um bom médico homeopata, nutrólogo e/ou ortomolecular que receite vitaminas, minerais, fitoterápicos, nutrição e homeopatia. Veja os seguintes posts com alternativas para estas questões:  
  1. 5 Receitas Caseiras de Cremes Dentais e 1 de Shampoo com Juá,
  2. Panelas: Conheça quais Materiais as Constituem que Fazem Mal à Saúde e o Como Utilizá-las
  3. Posts sobre Limpeza Atóxica

Fontes: 

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2016/06/27/foods-good-for-thyroid.aspx
http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2003/11/08/thyroid-health-part-two.aspx

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Como Diagnosticar e Tratar Doenças na Tireoide


Tradução do artigo do Dr. Joseph Mercola

A doença da tireoide tornou-se muito prevalente no mundo de hoje, cortesia de um número de diferentes fatores de estilo de vida. Estima-se que 1 em cada 8 mulheres com idade entre 35 a 65 tenha algum tipo de doença da tireoide1 - hipotireoidismo é o mais comum. Mais de um quarto das mulheres na perimenopausa é diagnosticada com hipotireoidismo, nas quais quantidades insuficientes de hormônios da tireoide são produzidos. Os hormônios tireoidianos2 são usados por cada célula do seu corpo, e é por isso que os sintomas podem variar tão amplamente. Por exemplo, hormônios da tireoide regulam o metabolismo e o peso corporal, controlando a queima de gordura para gerar energia e calor. Os hormônios tireoidianos também são necessários para o crescimento e desenvolvimento das crianças. Eles sinalizam a produção de praticamente todos os fatores de crescimento em seu corpo, incluindo:
  • Somatomedinas (crescimento de tecido esquelético)
  • A eritropoietina (envolvido no desenvolvimento de células vermelhas do sangue)
  • Fator de crescimento do nervo
  • Fator de crescimento epidérmico
Em mulheres grávidas, o hormônio da tireoide também está envolvido na produção de prolactina, um hormônio responsável pela produção de leite. A função deficiente da tireoide tem sido associada a uma grande variedade de condições de saúde graves,3 de fibromialgia e síndrome do intestino irritável, infertilidade, doenças autoimunes e câncer de tireoide.4
É por isso que é tão importante entender como sua tireoide funciona e o que pode provocar sua disfunção.

Entendendo como sua Glândula Tireoide Funciona


A glândula tireoide é uma glândula em forma de borboleta encontrada dentro de seu pescoço, bem debaixo de sua laringe ou caixa de voz. É uma glândula altamente vascularizada com 5 cm de comprimento que possui dois lobos localizadas em cada lado da traqueia, ligados por um tecido denominada istmo. Sua tireoide é responsável pela produção dos hormônios-mestres do metabolismo que afetam praticamente todas as funções em seu corpo. Ela produz três tipos de hormônios:
  • Triiodotironina (T3)
  • Tiroxina (T4)
  • Diiodotironina (T2)
Os hormônios secretados por sua tireoide interagem com todos os seus outros hormônios, incluindo a insulina, cortisol e hormônios sexuais como o estrogênio, progesterona e testosterona.
O fato de que esses hormônios estão conectados e estão em constante comunicação, explica porque um estado abaixo do ideal da tireoide está associado a tantos sintomas e doenças generalizadas. Cerca de 90 por cento do hormônio produzido por sua tireoide é sob a forma de T4, a forma inativa. O fígado, em seguida, converte o T4 em T3, a forma ativa, com a ajuda de uma enzima.
O T2 é atualmente o componente menos compreendido da função da tireoide e objeto de uma série de estudos em andamento. Se tudo estiver funcionando corretamente, você irá produzir o que precisa e terá as quantidades corretas de T3 e T4, que controlam o metabolismo de cada célula do seu corpo. Se o T3 for inadequado, quer pela produção escassa ou por não converter corretamente do T4, todo o seu corpo sofrerá as consequências.

É importante notar que a disfunção da tireoide é uma questão complexa, com muitas variáveis e muitos causas potenciais subjacentes, incluindo a seguinte. Se a sua disfunção da tireoide é causada por fatores como esses, a desintoxicação e a mudança de seu estilo de vida para evitar produtos químicos desestabilizadores hormonais podem ser componentes fundamentais de intervenção bem-sucedida.

Disruptores Abundantes da Tireoide...


Dominância de Estrogênio
Hipotireoidismo de meia-idade pode estar relacionado à dominância de estrogênio oculta5, neste caso tomar hormônio da tireoide não consegue resolver a raiz do problema.
Medicamentos
Certos medicamentos, como esteroides, barbitúricos, medicamentos para baixar o colesterol, e betabloqueadores pode atrapalhar a sua função tiroideia, caso em que a solução mais adequada pode não ser incluir o hormônio da tireoide.
Produtos químicos de desregulação endócrina
Produtos químicos desregulação endócrina como o mercúrio, chumbo, ftalatos e bisfenol-A (BPA) têm sido associados a ambos os problemas da menopausa e da tireoide precoces.6
Exposição ao bromo
O bromo encontrado em pesticidas, plásticos, produtos de padaria, bebidas que contenham óleo vegetal bromados (BVO) e retardadores de chama também têm um efeito disruptivo sobre a função da tireoide. Bromo, cloro e flúor são todos da mesma família do iodo, e todos os três, portanto, podem deslocar o iodo de sua glândula tireoide.
Fluoreto
O fluoreto, que ainda é rotineiramente adicionado ao abastecimento de água em muitas áreas todos os EUA, foi usado na Europa para reduzir a atividade da tireoide em pacientes com hipertireoidismo na década de 1970.

De acordo com um relatório de 2006 emitido pelo Conselho Nacional das Academias Nacionais (National Research Council of the National Academies),
7 o fluoreto é "um disruptor endócrino no sentido amplo de alterar a função endócrina normal."

Esta função alterada pode envolver a sua tireoide, paratireoides, glândulas pineal, assim como suas supra-renais, pâncreas e hipófise.

A função da tiróide alterada está associada com a ingestão de flúor em quantidades tão pequenas quanto 0,05 a 0,1 mg por quilograma de fluoreto de peso corporal por dia (mg / kg / dia), ou 0,03 mg / kg / dia com a deficiência de iodo.
8  
O fluoreto possui a habilidade de:
  • Mimetizar o hormônio estimulante da tireoide (TSH)
  • Danificar as células da sua glândula tireoide
  • Romper a conversão da forma inativa do hormônio da tireoide (T4) para a forma ativa (T3).
Metais pesados
A toxicidade de metais pesados é ainda outro fator que pode ser uma parte do problema.

 

Sintomas de Disfunção da Tireoide

Fadiga, perda de energia e letargia geral
Intolerância ao frio
Dor muscular e / ou nas articulações
Sudorese diminuída
Depressão
Inchaço
Ganho de peso
Pele e cabelos ásperos ou secos
Queda de cabelo
Síndrome do túnel do carpo
Esquecimento, memória prejudicada, e incapacidade de concentração
Diminuição da audição
Bradicardia (diminuição da frequência cardíaca)
Distúrbios menstruais Diminuição do apetite
Fertilidade comprometida
Sensação de garganta cheia, rouquidão
Aumento do risco de doença cardíaca
Aumento do colesterol "ruim" (LDL)
Fraqueza nas extremidades
Instabilidade emocional Visão embaçada
Deficiência mental

 

Exames Padrão de Tireoide Diagnosticam Errado em Muitos Casos

A forma mais comum de diagnosticar a disfunção da tireoide é aferindo quanto hormônio estimulante da tireoide (TSH) sua glândula pituitária segrega. Quando a tireoide não está produzindo níveis suficientes de hormônio da tireoide, a pituitária envia o TSH para estimular a tireoide a aumentar a produção.

Consequentemente, quanto mais elevado seu nível de TSH for, mais provável é que você tenha hipotireoidismo. No entanto, por mais que o exame de sangue de TSH tenha se tornado o padrão-ouro para a determinação do nível de atividade de sua tireoide, este exame pode não ser totalmente adequado.

Segundo o Dr. Raphael Kellman, um praticante de medicina integrativa em Nova York, que é especializado em distúrbios da tireoide, muitos pacientes cujo nível de TSH está dentro do intervalo "normal" aceito, ainda apresentam sintomas clássicos de baixo funcionamento da mesma. Conforme observado em um artigo recente do Epoch Times, 9 o exame de  sangue de TSH "frequentemente deturpa o que está acontecendo na tireoide e na hipófise."

Parte do problema é que o exame de  sangue de TSH não consegue revelar a influência de substâncias químicas disruptoras do sistema endócrino, que podem causar estragos absolutos em sua função hormonal.
Como foi observado no artigo em destaque:
"A fim de detectar um problema da tireoide, um exame de sangue de TSH deve assumir que a sinalização hormonal no resto do sistema está funcionando normalmente. Porque desreguladores endócrinos podem alterar muitos pontos ao longo do sistema de sinalização e não apenas o da tireoide, pode ser difícil identificar um desequilíbrio só com um exame de TSH. Kellman diz que esta é a grande razão pela qual os exames de sangue convencionais e valores de referência utilizados para detectar uma anomalia da tireoide podem ignorar os problemas reais.

"Temos que perceber que quando se trata de desreguladores endócrinos, o exame de sangue pode ser ilusório. Ele não se mostra tão definitivo quando você vê os efeitos do processo autoimune ", disse ele. "Ele pode não ser tão evidente em exames de sangue. E os exames de sangue podem até parecer contraditórios. "

O Caso para Testar o TSH e T3 Reverso

Nos casos onde o TSH está dentro dos parâmetros normais e sintomas de hipotiroidismo ainda estão presentes, um teste de estímulo do hormonio liberador da tireotropina (TRH) pode oferecer pistas adicionais. Trata-se de administrar uma injeção de tirotropina (a qual é produzida pela glândula hipotálamo), em resposta a qual sua glândula pituitária despeja todo o seu TSH armazenado em sua corrente sanguínea.
O teste do TRH basicamente diz-lhe quanto TSH sua pituitária contém no total, em contraste a quanto TSH ela está enviando num dado momento. Ter uma grande quantidade de TSH armazenado na sua pituitária, ainda que este apresente níveis normais no exame de TSH, sugere uma disfunção na sua glândula pituitária, e a toxicidade subjacente pode ser parte do problema. Como observado por Dr. Kellman:
"As toxinas não precisam atingir níveis elevados, para afetarem um sistema delicado que é muito, muito vulnerável à toxicidade. Especialmente a tireoide, a qual considero o componente mais vulnerável do sistema endócrino."
Dr. Jonathan Wright, pioneiro na medicina natural, também observou que os níveis elevados T310reverso (RT3) tendem a sinalizar a presença de metais tóxicos. Em sua experiência, a maioria das pessoas que têm níveis elevados de RT3 verão seus níveis voltarem ao normal, após realizarem uma quelação com EDTA e DMPS, os quais removem cádmio, chumbo, mercúrio e outros metais tóxicos. Em tese, a toxicidade do metal pesado pode causar uma forma funcional de hipotireoidismo. Tal como anteriormente explicado pelo Dr. Wright:
"É muito bem conhecido que o chumbo e o cádmio interferem na produção de testosterona. O que não é tão bem conhecido é que o T3 reverso é estimulado por metais tóxicos, por isso, ele aumenta muito. Na prática, podemos ter níveis muito altos de T3 reverso que superam os de T3 simples. Você possui hipotireoidismo funcional, mesmo que seu TSH e T3 simples estejam normais."

Exames Laboratoriais para Avaliar a Função da Tireoide

Para obter um quadro mais completo da saúde de sua tireoide, recomendo fazer os seguintes exames laboratoriais:
Teste TSH
Quanto maior o nível de TSH, maior a probabilidade de que você tenha hipotireoidismo. O nível ideal do TSH é entre 1 e 1,5 unidades mili-internacional por litro (uUI/L).
T4 Livre e T3 Livre
O nível normal de T4 livre é entre 0,9 e 1,8 nanogramas por decilitro (ng/dL). T3 deve ficar entre 2,4 e 4,5 (pg/mL) ou 240 e 450 picogramas por decilitro (pg/dL).
Teste da Determinação de Anticorpos Anti-tiroideus
Isso inclui anticorpos anti-peroxidase da tireoide (TPOAb ou Anti-TPO) e anticorpos anti-tireoglobulina (TgAb ou Anti-Tg). Estas duas medidas ajudarão a determinar se o seu corpo está atacando sua tireoide ou reagindo a seus próprios tecidos (ou seja, reações autoimunes). Infelizmente, os médicos convencionais quase sempre deixam estes testes de lado. Se o seu médico se recusar a incluir este teste, você pode fazê-lo por conta própria através DirectLabs.com (dos EUA).


Temperatura Corporal Basal

Embora existam alguns protocolos diferentes, o mais comumente utilizado é o sistema de Broda Barnes,11 que é uma medida da sua temperatura basal corporal em repouso.
Teste de Estimulação da Tireotropina (TRH)
Nos casos mais difíceis, o TRH pode ser aferido usando o Teste de estimulação da tireotropina (TRH). O TRH auxilia a identificar o hipotireoidismo que é causado pela insuficiência da glândula pituitária.
T3 Reverso
Enquanto o T3 reverso (rT3) é metabolicamente inativo, níveis elevados podem indicar que uma toxicidade por metais pesados está afetando a sua função tiroideia.
 

O Iodo é Essencial para a Saúde da Tireoide

O Iodo é a chave para uma tireoide saudável e um metabolismo eficiente. Até mesmo os nomes das diferentes formas de hormônio da tireoide, refletem o número de moléculas de iodo ligados - o T4 possui quatro moléculas de iodo conectados e o T3 (a forma biologicamente ativa do hormônio) tem três - mostrando que o iodo desempenha um papel importante na bioquímica da tireoide. Como seu corpo não pode produzir seu próprio iodo, ele deve ser obtido a partir de sua alimentação. Infelizmente, a deficiência de iodo é extremamente comum nos dias de hoje:
  • Mais de 11 por cento de todos os americanos - e mais de 15 por cento das mulheres americanas em idade fértil - têm níveis de iodo na urina inferiores a 50 microgramas por litro (mcg/L),12  indicando uma deficiência de iodo de moderada a grave  
  • 36 por cento das mulheres em idade reprodutiva nos EUA são consideradas como levemente deficientes em iodo (menor que 100 mcg /L de iodo urinário). A Academia Americana de Pediatria recomenda tomar um suplemento de iodo durante a gravidez, pois a maioria das mulheres grávidas são deficientes13
Além das deficiências alimentares, as toxinas também pode afetar os seus níveis de iodo através do deslocamento do mesmo. O iodo é um membro de uma família de elementos relacionados chamados de "halogênios", que inclui bromo, flúor, e cloro. Quando eles são quimicamente reduzidos, tornam-se "halogenetos" ou "haletos" (iodeto, brometo, fluoreto, e cloreto). A maioria das pessoas hoje em dia estão expostas a esses halogênios / halogenetos através de alimentos, água, medicamentos e do meio ambiente, e esses elementos ocupam seletivamente seus receptores de iodo, piorando ainda mais a sua deficiência de iodo.

De Quanto Iodo Você Precisa para a Saúde da Tireoide?

No Japão, a dose diária de iodo obtida a partir da alimentação é média em torno de 2.000 a 3.000 microgramas (mcg) ou 2 a 3 miligramas (mg), e há razão para acreditar que esta pode ser uma quantidade muito mais adequada do que a dose diária recomendada (DDR) nos EUA de 150 mcg. Alguns defendem valores ainda mais elevados do que isso, como o Dr. David Brownstein, médico e autor do livro "Iodo: Por que Você Precisa Dele. Por que Você não Pode Viver sem Ele" ("Iodine: Why You Need It. Why You Can't Live Without It"), que recomenda 12,5 miligramas (mg) regularmente.
Acredito que seria prudente para a maioria das pessoas evitar tomar doses elevadas, a menos que você esteja usando-a terapeuticamente, por um curto período de tempo. Há riscos potencialmente graves de se tomar muito iodo, e é por isso que eu geralmente não aconselho tomar grandes doses de suplementos de iodo, como o Lugol ou Iodoral a longo prazo.

Pessoalmente, acredito que a obtenção de iodo a partir de fontes naturais é melhor, mas se você escolher suplementos, a suplementação com uma dose de alguns mg, pode ser melhor para a maioria das pessoas. O iodo é particularmente importante para as mulheres grávidas, uma vez que desempenha um papel importante no  desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso do seu bebê. Uma pesquisa14 sugere ter uma quantidade suficiente de iodo durante os primeiros meses de gravidez pode melhorar o QI do seu filho em cerca de 1,25 pontos. Boas fontes naturais de iodo incluem:
  • Vegetais do mar, como Kelp e algas
  • Frutos do mar como camarão, sardinha, salmão do Alasca
  • Algas chamadas de bladderwrack ou fava-do-mar (nome em latim: Fucus vesiculosus), que você também pode comprar em pó ou em cápsulas

Tipos de Medicamentos da Tireoide Recomendados

Quando se trata de reposição de hormônio tireoidiano, você tem duas opções básicas:
  1. Hormônios Biodênticos da Tireoide - que é o que eu recomendo usar - incluem Nature-Throid e o Westhroid. Eles são feitos de glândulas dessecadas da tireoide de porco e contêm o espectro completo de hormônios da tireoide: T4, T3, T2 e T1.
  2. Hormônios sintéticos,15 tais como Synthroid (marca genérica: Levotiroxina), que contém apenas T4.
Uma das partes mais difíceis da reposição hormonal da tireoide é encontrar a dose ideal. Isso normalmente requer um ajuste fino por um longo período de tempo, com testes de sangue regulares para ver como a dose está afetando seus níveis de hormônio da tireoide e para avaliar seus sintomas. Dois sinais que são a chave para saber se você está tomando muito hormônio são a transpiração excessiva e batimentos cardíacos rápidos (taquicardia) ou palpitações cardíacas. Se você perceber quaisquer um desses sintomas, está tomando muito hormônio e precisa reduzir a dose.
É importante notar também que, em alguns casos, se você tiver um hipotireoidismo limítrofe, você pode só precisar de um suplemento de iodo, em vez de uma reposição de hormônio da tireoide. Ainda assim, mesmo com a medicação para tireoide, algumas pessoas ainda não percebem uma grande melhora em seus sintomas, e pode haver diversas razões para isso.

 Por que a Sua Medicação para Tireoide Não Está Funcionando?


Doença de Hashimoto não Diagnosticada - uma desordem autoimune em que o corpo está atacando sua tireoide. Como regra geral, os sinais de Hashimoto incluem TSH acima de 4,25 e anticorpos anti-peroxidase da tireoide (anti-TPO) acima de 30.
A sensibilidade reduzida do receptor da tireoide, normalmente ocorre devido à uma inflamação crônica. Uma vez que sua sensibilidade do receptor da tireoide estiver entorpecida, a quantidade de hormônio da tireoide necessária para o seu organismo reconhecer e usar aumenta.
A conversão ineficaz do hormônio da tireoide. Seu corpo converte T4 inativo para a forma T3 ativa e uma série de fatores podem prejudicar a capacidade do seu corpo de executar esta conversão (incluindo certas deficiências nutricionais, listadas abaixo).
Se a sua taxa de conversão estiver debilitada, sua dose necessária aumenta.
Níveis elevados de T3 reverso (rT3). O rT3 elevado não é um sinal de deficiência da tireoide. É um sinal de stress alto e / ou de uma possível intoxicação por metais pesados, indicando que você pode precisa abordar estas duas questões, a fim de restabelecer a boa saúde da sua tireoide.
Deficiência de iodo, selênio, ferro e / ou cortisol.17
Sem quantidades suficientes destes nutrientes, o metabolismo dos hormônios da tireoide e sua conversão pode não ocorrer. (A deficiência de selênio é particularmente comum em pessoas com distúrbios gastrointestinais.)
Sensibilidade ao glúten. O glúten é muito parecido com hormônio tireoidiano e é por isso que aqueles que tem a Tireoidite de Hashimoto devem partir para uma dieta livre de glúten para conter a resposta autoimune.
Alguns medicamentos sintéticos da tireoide podem conter glúten, por isso é importante se certificar de sua medicação seja livre de glúten, além de cortar o glúten de sua dieta.


Tratando a Tireoide Hiperativa (Hipertireoidismo)

 

Quando seu corpo está produzindo hormônio tireoidiano em excesso, você acaba com uma condição chamada hipertireoidismo. Embora a tireoide hiperativa seja  muito menos comum do que a hipoativa, ela pode ser uma condição muito séria. Para piorar as coisas, as opções de tratamento convencionais geralmente envolvem o uso de iodo radioativo, que é um desastre, ou cirurgia. De acordo com o Dr. Jonathan Wright, pode haver uma opção muito melhor e mais segura: uma combinação de iodo e lítio.
Este tratamento originou-se no Centro Médico do Exército de Walter Reed (Walter Reed Army Medical Center - WRNMMC), no departamento de tireoide deles. Mais de duas décadas atrás, A Clínica Mayo (Mayo Clinic) também publicou um artigo, no qual só o lítio reduziu números anormalmente elevados de T3 e T4 para níveis normais dentro de uma semana a 10 dias. Contudo, ele não funcionou em todo mundo. De acordo com o Dr. Wright, o método de Walter Reed é profundamente eficaz, tendo falhado em apenas dois casos entre cerca de 40 que ele tenha tratado. Níveis normais de T3 e T4 podem muitas vezes podem ser obtidos em menos de duas semanas. Para mais detalhes sobre este protocolo, consulte o vídeo acima (em inglês). Em resumo, o tratamento é o seguinte:

  • O paciente começa a tomar cinco gotas de solução de Lugol, três vezes ao dia
  • Depois de quatro ou cinco dias, o paciente começa a tomar 300 mg de carbonato de lítio, de uma a três vezes ao dia

Juntando tudo ...

Livros inteiros escrevem e de fato foram escritos sobre os prós e contras da saúde da tireoide e sua disfunção. Na melhor das hipóteses, este artigo é um resumo da revisão dos fatores mais comuns a serem considerados. Para começar, sugiro fazer um painel completo de exames da tireoide (TSH, T3, T4 e anticorpos da tireoide) para descartar um problema autoimune (doença de Hashimoto).

Se você tiver Hashimoto, o seu tratamento necessitará incluir estratégias que se aplicam à maioria das doenças autoimunes, incluindo otimização de sua vitamina D e saúde do intestino, e abordar as fontes de inflamação.

Em casos mais complexos em que os sintomas estão presentes, apesar dos níveis "normais" de TSH, analisar o teste de estímulo com TRH e o T3 (rT3) reverso, pode oferecer pistas adicionais, incluindo indicações de toxicidade oculta (intoxicação). Se este for o caso, então, um protocolo de desintoxicação tem que fazer parte do seu tratamento.

Em seguida, avaliar eventuais deficiências de nutrientes potenciais, tais como o iodo, selênio, cálcio e ferro. Também considere a exposição à substâncias químicas que deslocam iodo, tais como o brometo, fluoreto, e cloro. A água da torneira não filtrada e alimentos processados são os  principais culpados destes três produtos químicos.

Isto é importante, porque pode não ser suficiente simplesmente adicionar mais iodo; você também deve precisar eliminar estes produtos químicos que tomam o lugar do iodo. Um estudo russo de 2005
18 descobriu que mesmo um aumento da ingestão de iodo, não foi insuficiente para combater os efeitos adversos da exposição ao excesso de flúor na glândula tireoide em crianças.

Por último, mas não menos importante, se sua tireoide estiver com uma baixa atividade, você precisaria tomar o hormônio da tireoide. Eu recomendo o uso de hormônios bioidênticos da tireoide, mas como observado em minha entrevista com o Dr. Jonathan Wright, em alguns casos de Hashimoto, usar um hormônio T4 sintético pode ser aconselhável, pelo menos no início do seu tratamento. A partir deste ponto, acompanhar seus sintomas e testar seus níveis de hormônio da tireoide em intervalos regulares, geralmente é necessário para encontrar a dosagem correta. A tireoide hiperativa (hipertireoidismo) é um problema muito menos comum, mas se você é desses poucos azarados, recomendo revisar o tratamento do Dr. Wright com o seu médico.


Observação minha, Sílen, para quem deseja uma segunda opinião embasada sobre a suplementação com o lugol e outros tipos de iodo, segue um link da WestonPrice.org (em inglês) aqui e sua tradução em português aqui.

Fonte:

 http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2015/10/28/how-thyroid-gland-functions.aspx