Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Hiperatividade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Hiperatividade. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Hiperatividade: Causa Está na Mesa

Resultado de imagem para hiperatividade

O médico psiquiatra Juarez Calegaro afirma que o aspartame, o glutamato monossódico, o ômega 6 e outros produtos presentes na maioria de saborosos temperos, reduzem a capacidade defensiva do corpo afetam o cérebro e ameaçam a saúde em geral.

Problemas de linguagem, memória, habilidades motoras e instabilidade emocional. Estes são alguns dos sintomas que afetam milhares de crianças portadoras da desordem conhecida na medicina como déficit de atenção – DDA – e que pode ser, em parte, prevenida e tratada com alimentação correta.

Essa nova visão do tratamento infantil foi apresentada pelo psiquiatra Juarez Calegaro no IV Congresso Internacional de Nutrição Clínica Funcional, na Fecomércio, em São Paulo, dia 13 de setembro.

Excesso que prejudica

De acordo com Callegaro, o consumo excessivo de alguns alimentos, como carboidratos refinados e aspartame, interferem no funcionamento cerebral, matando as células que fabricam neurotransmissores tranquilizantes, responsáveis por inibir a excitação produzida pelo neurotransmissor glutamato. Em quantidade desproporcional no cérebro, o glutamato provoca os sintomas da hiperatividade.

“O açúcar também estimula a proliferação de cândida, fungo portador de toxinas que bloqueiam a produção de ATP. Essa é a bateria mais usada pelo cérebro para produzir neurotransmissores como o Gaba, cuja função é focalizar a atenção e frear a hiperexcitação psicomotora causadora da hiperatividade” observa o especialista.

O Dr. Calegaro acrescenta que essas toxinas intoxicam o pâncreas, diminuindo a capacidade de suas enzimas quebrarem o glúten do trigo, a caseína do leite e as proteínas da soja, elementos que produzem opioides e anfetaminas que geram dependência, excitação e distúrbios de aprendizagem.

Na mesa, inimigos disfarçados


Outro elemento que eleva o estresse oxidativo no cérebro, atrapalhando seu funcionamento normal e ocasionando a síndrome, é o ômega 6. Trata-se de um nutriente presente em margarinas, em alimentos ricos em gorduras hidrogenadas e em gorduras animais, como carne vermelha, salmões criados em cativeiro, galinhas e ovos de granja. Além de agravar os problemas de aprendizagem e a excitação afetiva e psicomotora, o ômega 6 também provoca depressão do sistema imunológico, facilitando o ataque de vírus que retêm chumbo no cérebro e intensificam o problema.

“Hoje, uma em cada quatro crianças tem acúmulo de chumbo no cérebro. Chumbo e mercúrio são retidos também por substâncias produzidas pela soja, pelo chocolate, café instantâneo e, pasmem, pelo famoso espinafre, tido como alimento muito saudável para as crianças”, explica o psiquiatra.

O mercúrio também é encontrado em restaurações dentárias de amálgama, evite-as, utilize a resina.

O psiquiatra Juarez Calegaro, que é também autor do livro Mente Criativa, a aventura do cérebro bem nutrido, afirma que a exposição aos elementos contaminadores do meio ambiente como agrotóxicos e metais tóxicos, corantes artificiais e gorduras trans agravam igualmente a hiperatividade. Outros vilões são os alimentos que provocam alergia e os que contêm glutamato monossódico, substância presente em mais de cinco mil produtos salgados, como miojo, molho shoyu, os caldos para temperos, salgadinhos Elma Chips, catchup Predilecta e outros. Saiba mais sobre o Glutamato Monossódico aqui.

Cuidados antes da gravidez


É importante ressaltar, no entanto, que não é só a alimentação das crianças que influencia o quadro da hiperatividade infantil: o que as mães comem durante a gravidez e o período de amamentação também faz muita diferença. “Mulheres que desejam ser mães devem fazer o exame de mineralograma capilar e testes de urina seis meses antes de engravidar, para identificar e corrigir caso tenham grandes concentrações desses elementos que geram o distúrbio”, recomenda Callegaro. 


De acordo com o especialista, a boa nutrição evitaria 85% das malformações congênitas responsáveis por problemas neurológicos, como autismo e esquizofrenia. Outro cuidado que deve ser tomado é o controle da concentração de fungos no corpo da mãe, já que crianças contaminadas por cândida no parto têm sua imunidade prejudicada e precisam ingerir substâncias antifúngicas por toda a vida.

Trânsito livre para alimentos saudáveis
O psiquiatra lembra, contudo, que há alimentos que combatem os sintomas do déficit de atenção. É o caso de ervas como valeriana e taurina, que agem como calmante através do leite materno. Além disso, é recomendável sempre dar preferência a alimentos naturais e orgânicos, livres de agrotóxicos, corantes e outras substâncias artificiais e altamente prejudiciais ao organismo.

O Dr. Juarez Calegaro conclui afirmando que nos casos graves de hiperatividade, também é possível lançar mão de remédios por curto período de tempo. “Eles são aplicados no primeiro momento e retirados à medida que são descobertas e tratadas as causas mais profundas, relacionadas com alimentação, fatores psicológicos e falta de exercícios e de descanso suficiente”.


Entretanto Dr. Mercola discorda do uso de medicamentos ou drogas farmacêuticas. Segue um trecho de um artigo dele sobre este tema (fonte)

Enquanto pesquisadores costumavam acreditar que a Ritalina (metilfenidato) era uma droga farmacêutica de ação curta, estudos têm mostrado que tem o potencial para causar mudanças duradouras na estrutura das células e função do cérebro e pode impedir seu crescimento normal, ficar atrofiado.

A Ritalina é a droga farmacêutica prescrita mais frequentemente para crianças com TDAH, mas existem outras com riscos igualmente perturbadores. A Ritalina e outros medicamentos têm sido associados à alucinações, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, aumento do comportamento agressivo, suicídio e até mesmo morte súbita!

Ajudar Crianças Não Significa Dar-lhes Drogas que Alteram suas Mentes

Infelizmente, a Ritalina e outras drogas são o tratamento para problemas comportamentais como TDAH porque é fácil. Tomar uma pílula, leva apenas alguns segundos por dia, enquanto os outros tratamentos para ajudar as crianças com sintomas de TDAH - coisas como desatenção, impulsividade e hiperatividade - demora várias semanas ou meses.

Isto porque, a fim de realmente ajudar as crianças que estão tendo dificuldade de concentração, que se distraem facilmente ou que agem como se tivessem constantemente a sensação de inquietação, você precisa resolver as causas subjacentes e não alterar a criança quimicamente.

As intervenções comportamentais usando o reforço positivo são uma das melhores opções para ajudar as crianças com TDAH, especialmente se elas forem usadas juntamente com alterações nutricionais.

Um estudo descobriu que essas intervenções que incluíam programas individualizados que enfatizavam apoio positivo para reforçar o comportamento em casa e na escola foram altamente eficazes, mesmo em crianças jovens com idades de 3 a 5. Especificamente, as crianças que receberam as técnicas de intervenção tiveram:
• Uma diminuição de 17 por cento na agressividade e uma melhoria de 21 por cento nas habilidades sociais em casa
• Uma melhoria de 28 por cento em ambas as categorias na escola
• Melhorias nas habilidades de alfabetização precoce em até três vezes mais

Então, se você é um pai de uma criança com TDAH, por favor lembre-se de que esta condição muitas vezes melhora dramaticamente com algumas mudanças de estilo de vida naturais.

Na prática médica do Dr. Mercola no Centro de Saúde Natural, aqui está o que recomenda para as crianças e adultos que sofrem de TDAH:
• Aumente a ingestão de ômega-3 com o óleo de krill. Este é o nutriente mais importante para as crianças e adultos com TDAH.
• Beba apenas água como bebida, tomando cuidado para evitar sucos de frutas, refrigerantes e leite pasteurizado.
• Restrinja ou elimine todos os alimentos processados, açúcares e a maioria dos grãos (cereais) de sua dieta.
• Evite alimentos processados, especialmente aqueles que contenham corantes e sabores artificiais e conservantes, que podem agravar ou causar os sintomas de TDAH.
• Passe mais tempo em contato com a natureza.

Leia também: Corantes Artificiais: Um Perigo para seus Filhos!

Leia mais: http://www.noticiasnaturais.com/2014/02/hiperatividade-causa-esta-na-mesa-adverte-psiquiatra/#ixzz3ONkNjAf1

Fontes:

http://www.noticiasnaturais.com/2014/02/hiperatividade-causa-esta-na-mesa-adverte-psiquiatra/


http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2008/10/18/doctors-told-to-curb-use-of-ritalin-in-hyperactive-children.aspx

domingo, 30 de novembro de 2014

EWG Lança o Guia dos Doze Piores Aditivos Alimentares

Avoid Food Additives

Tradução do artigo de 26 de Novembro de 2014 do Dr. Mercola.

Evite Aditivos Alimentares

Quando você come alimentos processados, pode praticamente garantir que também esteja consumindo uma quantidade de aditivos alimentares questionáveis. Mais de 10.000 desses aditivos são permitidos nos alimentos, quando você leva em conta os que são adicionados diretamente ao seu alimento, assim como os contidos na embalagem deles (que podem migrar para o seu alimento). 

Os aditivos são usados no processamento de alimentos para retardar a deterioração, evitar que gorduras e óleos fiquem rançosos, impedir que frutas escureçam, e fortificar ou enriquecer a alimentos com vitaminas e minerais sintéticos para substituir os naturais que foram perdidos durante o processamento. 


Eles também são adicionados para melhorar o sabor, textura e aparência, pois sem alguma ajuda artificial, muitos alimentos processados seriam tão sem graça e sem gosto como o papelão.


Infelizmente, muitos desses aditivos têm sido associados a problemas de saúde, enquanto a outros foi concedido o status"Geralmente Reconhecido como Seguro" (GRAS) sem avaliação de pré-mercado ou aprovação. Como o Environmental Working Group (Grupo de Trabalho do Meio-Ambiente - EWG) relatou: 


"Este sistema faz sentido para aditivos benignos, como pimenta e manjericão, mas há enormes brechas que permitem que os aditivos de segurança questionável sejam listados como GRAS.
Os fabricantes podem decidir se estes compostos são seguros, sem qualquer fiscalização por parte da Food and Drug Administration [FDA] - e em alguns casos, obter o status GRAS sem precisar contatar a FDA".

Os 12 Piores Aditivos Alimentares que Devem ser Evitados
Para ajudá-lo a classificar os compostos questionáveis nos rótulos dos alimentos, EWG lançou o Guia Dozen Dirty to Food Additives (dos Doze Piores Aditivos Alimentares).1 Ele inclui aditivos já ligados a questões de saúde, aqueles que foram proibidos ou restritos em outros países, e substâncias que simplesmente não deveriam estar em alimentos.

 1. Nitritos e Nitratos 


Nitrito de sódio é um conservante sintético adicionado a carnes como salsichas e frios para ajudá-los a manter o cor-de-rosa agradável. O problema é que, na presença de calor - especialmente em altas temperaturas - e os nitritos podem se combinar com aminas em carnes processadas e formar nitrosaminas, e estas são cancerígenas. As nitrosaminas infligem dano celular e têm sido associadas ao câncer, normalmente o de cólon, bexiga, estômago, ou pâncreas. 2 O Escritório de Avaliação de Risco de Saúde Ambiental da Califórnia está atualmente considerando listar o nitrito em combinação com aminas como um conhecido agente cancerígeno. Os nitratos estão presentes em muitos vegetais, como a beterraba, aipo, alface, espinafre, e a maioria dos outros vegetais de folhas verdes, e isso tem levado a alguma confusão. Os nitritos e nitratos não são inerentemente ruins para você, na verdade, eles são os precursores do óxido nítrico (NO), o que reduz a pressão arterial e exerce efeitos anti-inflamatórios leves. Lembre-se, é a formação de nitrosaminas, que é perigosa. Carnes processadas são muito mais propensas à formação de nitrosaminas do que os vegetais, devido a possuírem quantidades mais elevadas de aminas e serem processadas com calor intenso.3


2. Bromato de Potássio 

 Você pode não estar ciente disso, mas quase todas as vezes que você comer pão em um restaurante ou consumir um hambúrguer ou hotdog você está consumindo brometo, um produto químico de desregulação endócrina comumente usado em farinhas. O uso de bromato de potássio como aditivo na pães comerciais e produtos de panificação tem sido um grande contribuinte para a sobrecarga de brometo nas culturas ocidentais. 

Farinhas bromadas são "enriquecidas" com bromato de potássio. Empresas de panificação comercial o utilizam, porque torna a massa mais elástica e mais fácil de fazer o pão. No entanto, Pepperidge Farm e outras empresas de sucesso conseguem usar somente farinha sem bromato sem quaisquer destes chamados "problemas estruturais".

Estudos têm relacionado o bromato de potássio à danos nos rins, no sistema nervoso, problemas de tireoide, desconforto gastrointestinal e câncer. The International Agency for Research on Cancer (A Agência Internacional para Pesquisa do Câncer) classifica bromato de potássio como um possível agente cancerígeno. Bromato de potássio é proibido para uso alimentar no Canadá, China, e da União Europeia (UE).

3. Propilparabeno

Propilparabeno é um produto químico de desregulação endócrina usado como conservante de alimentos. É comumente encontrado em tortillas, muffins, e corantes alimentares e também pode contaminar os alimentos via embalagem.

A pesquisa mostrou que 91 por cento dos americanos têm propilparabeno em sua urina, e os testes em bebidas, produtos lácteos, carne e vegetais encontraram o produto químico em cerca de metade das amostras.4

Propilparabeno tem atividade estrogênica fraca, o que o torna relevante quando se trata de cânceres sensíveis ao estrogênio, como o de mama. Esta substância acelera o crescimento de células de câncer de mama, prejudica a fertilidade em mulheres, e reduz a contagem de esperma e níveis de testosterona .5

 

4. Butilhidroxianisol (BHA)

Butilhidroxianisol (BHA) é um conservante que afeta o sistema neurológico do seu cérebro, altera o comportamento, e tem o potencial de causar câncer. Ela pode ser encontrada em cereais matinais, mixes de oleaginosas, goma de mascar, manteiga , carne, batatas desidratadas, pipocas, batatas fritas, e cerveja, só para citar alguns.

BHA é conhecido por causar câncer em ratos, e pode ser um agente causador de câncer em seres humanos também. De acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, o Relatório do Programa Nacional de Toxicologia em Carcinógenos de
2011, o BHA "razoavelmente previsto como um carcinógeno humano."

A agência de câncer internacional o classifica como um possível carcinógeno humano, e está listado como um conhecido agente cancerígeno sob a Proposição 65 da Califórnia.

BHA também podem desencadear reações alérgicas e hiperatividade. BHA é proibido em alimentos infantis no Reino Unido e é banido do uso em todos os alimentos em certas partes da União Europeia e no Japão. Nos EUA, a FDA considera o BHA um aditivo GRAS.

5.
Butilhidroxitolueno (BHT)

BHT é quimicamente semelhante ao BHA e os dois conservantes são muitas vezes utilizados em conjunto. Enquanto o BHT não é considerado um agente cancerígeno como BHA, que tem sido associado ao desenvolvimento de tumores em animais.

Também foi ligado a efeitos no desenvolvimento e as alterações da tireoide em estudos com animais, o que sugere que pode ser um produto químico de desregulação endócrina. Nos EUA, o BHT possui o status de GRAS.

6. Propil Galato


 Propil Galato é um conservante usado para evitar que gorduras e óleos estraguem. É encontrado frequentemente em salsicha, pizzas congeladas, e outros alimentos processados que contenham gorduras comestíveis. O Programa Nacional de Toxicologia relatou que o Propil Galato está associado com tumores, incluindo tumores cerebrais raros, em ratos. EWG também relatou: 6 

"A opinião 2014 da European Food Safety Authority (Autoridade Europeia de Segurança dos Alimentos) concluiu que os estudos de reprodução disponíveis do Propil Galato estão desatualizados e com descrição pobre. Além disso, há dados incompletos sobre se o Propil Galato é um disruptor endócrino; algumas evidências sugerem que pode ter uma atividade estrogênica. " 

7. A Teobromina 

A teobromina é um alcaloide encontrado no chocolate. Tem efeitos similares à cafeína, e é a razão pela qual o chocolate é tão altamente tóxico para os cães. Em 2010, uma empresa (Theocorp) solicitou que a FDA concedesse o status de GRAS a teobromina para que pudesse ser adicionada ao pão, cereais, bebidas esportivas, e outros alimentos. A FDA levantou várias questões importantes, incluindo se os efeitos reprodutivos e de desenvolvimento observados em animais expostos a teobromina seria aplicável a seres humanos.

Eles também estimaram que o consumo humano poderia ser até cinco vezes maior do que a empresa havia avaliado como seguro. A empresa retirou seu pedido de GRAS, mas de qualquer maneira, mais tarde o status de GRAS foi concedido, e agora é usado em alimentos como EWG relatou "fora da supervisão da FDA.": 7
 

"A teobromina é apenas um exemplo de uma das enormes lacunas no processo de notificação voluntária de GRAS da FDA. A indústria de aditivos alimentares tem permissão de designar uma substância como GRAS, mesmo sem notificar a agência, contando apenas com a 'painéis de especialistas'. "A solicitação da Theocorp levantou questões importantes para os cientistas da FDA sobre a segurança do aditivo (alimentar). Em vez de enfrentá-los, a empresa retirou o pedido, e a designação GRAS foi realizada mais tarde, sem a aprovação da FDA. Em alguns casos, as empresas renunciam o processo de notificação da FDA por completo. "

 8. Aromatizantes Naturais e Artificiais

 O que é particularmente alarmante quando você vê uma palavra como "sabor artificial" ou mesmo "sabor natural" em um rótulo de ingredientes é que não há nenhuma maneira de saber o que ele realmente significa. Isso pode significar que um aditivo não natural está incluído, ou pode ser uma mistura de centenas de aditivos. Sabor artificial de morango pode conter cerca de 50 ingredientes químicos, por exemplo.8

 A maioria das pessoas acha que um sabor natural descreve algo como morangos, alho, pimenta  utilizados para temperar alimentos naturalmente. Na realidade, a maioria dos sabores naturais são criados em laboratório, assim como sabores artificiais. A única diferença é que os sabores naturais devem ser originados a partir de um produto natural, enquanto sabores artificiais não. De acordo com o Código de Regulamentos Federais: 9


"O termo sabor natural ou aroma natural significa que o óleo essencial, óleo-resina, essência ou extrativo, hidrolisado de proteínas, de destilado, ou qualquer produto proveniente de assados, aquecimento ou enzimólise. Estes contêm os constituintes aromatizantes derivados de uma especiaria, suco de frutas ou frutas, vegetais ou suco de vegetais, fungos comestíveis, ervas, casca, raiz, raiz, folha ou material vegetal semelhante, carnes, frutos do mar, aves, ovos, laticínios, produtos derivados da fermentação, cuja função significativa nos alimentos é aromatizante, em vez de nutricional ".

No final, sabores naturais, muitas vezes têm pouca semelhança com o produto natural de onde vieram. Muitas vezes, o produto químico resultante pode ainda ser idêntico aos que foram criados sinteticamente para fazer sabores artificiais, mas será provavelmente mais caro. Alguns aromas naturais ainda contêm propileno glicol, um solvente, o BHA conservante! Intensificadores de sabor geneticamente modificados também podem ser listados sob o sabor artificial (ou sabor natural) no rótulo. Uma exceção é os sabores naturais orgânicos certificados, que devem atender às diretrizes mais rigorosas e não podem conter ingredientes sintéticos geneticamente modificadas.

9. Corantes Artificiais


  Todos os anos, os fabricantes de alimentos despejam aproximadamente 7.000.000 de corantes alimentares artificiais em alimentos dos Estados Unidos - e esta quantidade só contêm oito variedades diferentes.10 Em julho de de 2010, a maioria dos alimentos na UE (União Europeia), que contêm corantes alimentares artificiais foram marcados com etiquetas de advertência indicando a comida "pode ter um efeito adverso na atividade e a na atenção das crianças." O governo britânico também pediu que os fabricantes de alimentos removessem a maioria dos corantes artificiais dos alimentos em 2009, devido a problemas de saúde.

Nove dos corantes alimentares atualmente aprovados para uso nos EUA estão ligados a questões de saúde que vão desde o câncer e hiperatividade a alergias- como reações (alérgicas) - e estes resultados foram estudos realizados pela própria indústria química.11 Por exemplo, red # 40 (o corante vermelho # 40), que é o corante mais amplamente utilizado, pode acelerar o aparecimento de tumores do sistema imune em ratos, ao mesmo tempo, desencadear hiperatividade em crianças.

Blue # 2 (
Azul # 2), utilizado em doces, bebidas, alimentos para animais e muito mais, estava ligado a tumores cerebrais. E Yellow 5 (Amarelo 5), usado em assados, doces, cereais, e muito mais, não só pode estar contaminado com vários produtos químicos cancerígenos, mas também está associado à hiperatividade, hipersensibilidade, e outros efeitos comportamentais em crianças. Mesmo a cor caramel (caramelo), que parece tão inofensiva, que é amplamente utilizada em refrigerantes castanhos, podem causar câncer devido ao 4-metilimidazole (4-Mel), um subproduto químico formado quando determinados tipos de corantes caramelo são fabricados.

10. Diacetil

O aromatizante artificial chamado diacetil é frequentemente utilizado como aromatizante da manteiga presente na pipoca de micro-ondas. Também é usado em produtos lácteos, incluindo iogurte e queijo, e existe em alguns "aromas marrons", incluindo os sabores bordo, morango e framboesa . A pesquisa mostra o diacetil tem vários questões preocupantes em relação à saúde do cérebro e pode desencadear a doença de Alzheimer. O diacetil também tem foi associado a danos respiratórios, incluindo a inflamação e cicatrizes permanentes das vias aéreas, em trabalhadores de uma fábrica de pipocas de micro-ondas.12

11. Fosfatos

Fosfatos são adicionados a mais de 20 mil produtos, incluindo fast food, produtos de panificação, e carnes processadas. Eles são usados para reduzir a acidez, melhorar a retenção de umidade e facilitar a fermentação. Os fosfatos têm sido associados a algumas condições preocupantes de saúde, incluindo doenças cardíacas. The European Food Safety Authority (A Autoridade Europeia de Segurança dos Alimentos) está reavaliando a adição de fosfatos ao alimento, mas os resultados de seu estudo não são esperados até o final de 2018.


12. Aditivos de Alumínio

Fosfato de alumínio e sódio, sulfato de alumínio e sódio, muitos outros aditivos de alumínio são encontrados alimentos processados como estabilizadores. Este metal pode se acumular e persistir em seu organismo, especialmente em seus ossos, os estudos em animais mostram alumínio pode causar efeitos neurológicos, incluindo mudanças no comportamento, aprendizagem e resposta motora. A ligação entre o Mal de Alzheimer outras doenças neurodegenerativas e a exposição ao alumínio podem também existir.

O que Acontece quando Você Come Alimentos Processados?


O processamento de alimentos modifica ou remove componentes importantes dos mesmos, como fibras, água e nutrientes, mudando a maneira como eles são digeridos e assimilados em seu organismo. Ao contrário de alimentos integrais, que contêm uma mistura de carboidratos, gorduras, proteínas, fibras e água para ajudá-lo a sentir-se satisfeito, alimentos 
processados estimulam a dopamina, um neurotransmissor relacionado à sensação de bem-estar que faz você se sentir bem, embora a comida seja carente em nutrientes e fibras. Esta estimulação artificial da dopamina pode levar a compulsões alimentares em excesso e, em última instância, o vício em comida.

Alterações de humor, problemas de memória e até depressão são frequentemente o resultado de uma dieta carregada de alimentos p
rocessados. Na verdade, a maior concentração de serotonina, que está envolvida no controle do humor, depressão e agressividade, é encontrada em seu intestino, e não o seu cérebro! Muitos cientistas acreditam que seu intestino é o segundo cérebro e eles trabalham em conjunto, cada um influenciando o outro. Sua saúde intestinal pode ter uma profunda influência sobre sua saúde mental, e vice-versa - por que comer alimentos processados que podem prejudicar sua flora intestinal pode ter um impacto profundamente negativo sobre o seu estado de espírito, saúde e comportamento psicológico.

Além disso, os carboidratos refinados, como cereais matinais, pães, waffles, pretzels, e a maioria dos outros alimentos processados rapidamente quebram a molécula de açúcar. Isso aumenta os níveis de insulina e leptina, e contribui para a resistência aos mesmos, insulina e leptina, que são os fatores primários subjacentes de quase todas as doenças crônicas e condições conhecidas pelo homem, incluindo o ganho de peso. E, porque os alimentos processados são despidos (pobres) de nutrientes que seu organismo precisa, você pode estar ingerindo um grande número de calorias, mas ainda ficar desnutrido. Em apenas três gerações, uma dieta deficiente em nutrientes pode levar à infertilidade, o que está em ascensão nos US (Estados Unidos).13 Além disso, os alimentos processados contêm frequentemente ingredientes geneticamente modificados (GM) que também estão ligados a problemas reprodutivos problemas de saúde adicionais .

A Maneira Mais Fácil de Eliminar os Alimentos Processados de sua Dieta?


Quando se trata de se manter saudável, evitar alimentos processados e substituí-los com alimentos frescos, integrais é o "segredo" que você está procurando. Isso pode parecer assustador, mas se você levá-lo passo a passo, como descrito no meu plano de nutrição é bem possível, e gerenciável, para remover os alimentos processados de sua dieta (alimentação) de forma indolor. Lembre-se, as pessoas têm prosperado com legumes, carnes, ovos, frutas e outros alimentos integrais ao longo dos séculos, enquanto alimentos processados só foram inventados recentemente. Muitos dos altos executivos e cientistas de empresas líderes de alimentos processados, na verdade, evitam os seus próprios alimentos por diversas razões de saúde!

Eu acredito que você também deveriam gastar 90 por cento do seu orçamento (destinados à alimentos) em alimentos integrais, e apenas 10 por cento em alimentos processados (infelizmente a maioria dos americanos atualmente faz o oposto). Isso requer que você planeje suas refeições com antecedência. Idealmente, isto implicará pesquisar mercados de fazendeiros locais para os produtos da época do ano, onde é fixado o preço para venda e você pode planejar suas refeições de acordo, mas também pode usar essa mesma premissa com as vendas dos supermercados. Geralmente você pode planejar uma semana de refeições por vez, verifique se você tem todos os ingredientes necessários em mãos, em seguida, adiante qualquer preparo que puder antes da hora do jantar para que este seja mais fácil de preparar, se você estiver com pouco tempo à noite (pode usar as sobras para almoços no dia seguinte).

Se os desejos são um problema para você, por favor, veja meu artigo sobre como eliminar os desejos de comer junk-food. Uma das estratégias mais eficazes para eliminar a ansiedade pelo açúcar é o jejum intermitente, juntamente com modificações de alimentação que ajudam efetivamente a redefinir o metabolismo do seu organismo a queimar gordura em vez de açúcar como combustível primário. Se o seu desejo por carboidratos está ligados a um problema emocional, uma técnica de acupressão psicológica chamada a Técnica de Liberdade Emocional (Emotional Freedom Technique - EFT) pode ajudá-lo rapidamente a controlar seus desejos emocionais por comida. Se atualmente você está se alimentando com fast food e alimentos 
processados, cortá-los de sua dieta é uma das mudanças mais positivas que você poderia fazer na sua vida. 


Observação minha, Sílen: o bromato de potássio é um aditivo alimentar proibido no Brasil, desde 1970, pela Resolução nº 15/70 e pela Lei nº 10.273 de 2001, porém infelizmente como quase tudo aqui, foi encontrado adicionado à farinha de trigo por inúmeras vezes (fontes: aqui e aqui) quando ocasionalmente fora investigado. 
Também foi proibido o uso dos aditivos Propilparabeno e Propilparabeno de Sódio em alimentos na RESOLUÇÃO-RDC Nº 8, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2008.
Nossa fiscalização tem que melhorar muito, a fim de se fazer cumprir a lei. E a ANVISA deveria seguir a política de segurança alimentar da União Europeia (UE) que é mais exigente. Além disso, tanto a mídia deveria veicular campanhas de educação e de moral, assim como as escolas deveriam fazê-las também, estimulando um comportamento mais honesto da população brasileira.


Fonte:
http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2014/11/26/12-worst-food-additives.aspx

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Corantes Artificiais: Um Perigo para seus Filhos!



As crianças amam produtos coloridos, e a maior parte dos produtos infantis estão repletos de cor, principalmente a comida. Infelizmente, esta cor não está incluída em alimentos como frutas ou vegetais, mas sim em balas, gelatinas, pastilhas, sucos, cereais e muitos outros produtos atualmente disponíveis no mercado. Mas, apesar do seu uso estar aprovado para consumo, os corantes artificiais contidos nestes produtos podem não ser a melhor opção para o seu filho.

Alguns investigadores, pais e profissionais de saúde relatam os seus efeitos tóxicos, mas outros não encontram razão para serem proibidos. As entidades competentes, perante a falta de consenso entre investigadores, sugerem doses máximas de consumo numa tentativa de tentar minimizar os possíveis efeitos secundários, ou preferem ser mais cautelosas e proíbem o seu uso. 


O que podem provocar? 

As alergias e as reações de sensibilidade são as queixas mais comuns, assim como o agravamento de crises de asma, a urticária, a alteração do comportamento da criança e indução de hiperatividade. E mais: bronquites, rinite, congestão nasal, dores de cabeça, dor abdominal, perturbações gástricas, náuseas e vômitos, indigestão e inclusive possível efeito cancerígeno são também alguns dos efeitos associados.

Quais os corantes são nocivos? 

• Tartazina ou E102: O seu uso foi banido na Noruega, Áustria e Alemanha;
• Amarelo quinoleína ou E104: Banido na Austrália, Japão, Noruega e Estados Unidos da América;
• Amarelo – sol FCF, Amarelo alaranjado S ou E110: Banido na Noruega e na Finlândia;
• Carmosina, Azorubina ou E122: Banido no Japão, Suécia e Estados Unidos da América;
• Amaranto ou E123: Banido na Noruega, Estados Unidos da América e Áustria e restringido na França e na Itália, onde só pode ser usado no caviar;
• Vermelho Cochonilha A, Ponceau 4R ou E124: Banido na Noruega e nos Estados Unidos da América;
• Eritrosina ou E127: Banido na Noruega e Estados Unidos da América;
• Vermelho 2G ou E128: Banido na União Europeia, exceto Reino Unido, e banido na Austrália, Áustria, Canadá, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos;
• Vermelho Allura AC ou E129: Banido na Dinamarca, Bélgica, França, Alemanha, Suíça, Suécia, Áustria e Noruega;
• Azul patenteado V ou E131: Banido na Austrália, Estados Unidos da América e Noruega;
• Indigotina ou E132: Banido na Noruega;
• Azul Brilhante FCF ou E133: Banido na Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Grécia, Itália, Noruega, Espanha, Suécia e Suíça;
• Verde S ou E142: Banido no Canadá, Finlândia, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos da América;
• Negro brilhante, Negro PN ou E151: Banido na Dinamarca, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Finlândia, França, Alemanha, Japão, Noruega, Suíça, Suécia, Estados Unidos da América e Noruega;
• Castanho FK ou E154: Banido na União Europeia (exceto no Reino Unido), Austrália, Canada, Japão e Estados Unidos. Da América;
• Castanho HT ou E155: Banido na Austrália, Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Noruega, Suécia, Suíça e Estados Unidos da América;
• Litolrubina ou E180: Banido na Austrália.

O que fazer?

Pode-se aguardar pela decisão das entidades competentes do seu país e continuar a consumir estes corantes, apesar de tantos países já os terem banido ou utilizarem o princípio da prevenção, leia os rótulos, evite os corantes sob suspeita, e opte levar apenas os produtos que contenham corantes naturais e livres de qualquer suspeita. Afinal de contas, estamos falando de compostos químicos que são usados para dar cor aos produtos alimentares, sem qualquer outra utilidade além desta.

Relembramos que estes corantes podem ainda ser ainda usados em farinhas, molhos, charcutaria, produtos de cosmética, medicamentos, ou xaropes, vitaminas e outros.

Portanto, sempre leia os rótulos de todos os produtos que consome, assim como a lista de excipientes de medicamentos e suplementos alimentares.

Se todos fizermos as melhores escolhas no momento da compra, estes corantes acabam por sair do mercado, simplesmente porque não são vendidos.

Referência:

Os corantes que eu sugiro que as crianças evitem

As crianças adoram cor, e a maior parte dos produtos infantis estão repletos de cor, nomeadamente a comida.  Infelizmente, esta cor não está incluída em alimentos como fruta ou vegetais, mas sim em gomas, gelatinas, pastilhas, sumos, cereais e muitos outros produtos atualmente disponíveis no mercado. Mas, e apesar do seu uso estar aprovado para consumo, os corantes artificiais contidos nestes produtos podem não ser a melhor opção para o seu filho.  
 Alguns investigadores, pais e profissionais de saúde relatam os seus efeitos tóxicos mas outros não encontram razão para serem proibidos. As entidades competentes, perante a falta de consenso entre investigadores, sugerem doses máximas de consumo numa tentativa de tentar minimizar os possíveis efeitos secundários, ou preferem ser mais cautelosas e proíbem o seu uso.
O que podem provocar?
 As alergias e as reações de sensibilidade são as queixas mais comuns, assim como o agravamento de crises de asma, a urticária, a alteração do comportamento da criança e indução de hiperatividade. 
Bronquites, rinite, congestão nasal, dores de cabeça, dor abdominal, perturbações gástricas, náuseas e vómitos, indigestão e inclusive possível efeito cancerígeno são também alguns dos efeitos associados.


Quais os corantes sob suspeita?
• Tartazina ou E102: O seu uso foi banido na Noruega, Áustria e Alemanha;
• Amarelo quinoleína ou E104: Banido na Austrália, Japão, Noruega e Estados Unidos da América;
• Amarelo – sol FCF, Amarelo alaranjado S ou E110: Banido na Noruega e na Finlândia;
•  Carmosina, Azorubina ou E122: Banido no Japão, Suécia e Estados Unidos da América;
• Amaranto ou E123: Banido na Noruega, Estados Unidos da América e Áustria e restringido em França e em Itália, onde só pode ser usado no caviar;
• Vermelho Cochonilha A, Ponceau 4R ou E124: Banido na Noruega e nos Estados Unidos da América;
• Eritrosina ou E127: Banido na Noruega e Estados Unidos da América;
• Vermelho 2G ou E128. Banido na União Europeia, exceto Reino Unido, e banido na Austrália, Áustria, Canadá, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos. Da América;
• Vermelho Allura AC ou E129: Banido na Dinamarca, Bélgica, França, Alemanha, Suíça, Suécia, Áustria e Noruega;
• Azul patenteado V ou E131: Banido na Austrália, Estados Unidos da  América e Noruega ;
• Indigotina ou E132: Banido na Noruega;
• Azul Brilhante FCF ou E133: Banido na Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Grécia, Itália, Noruega, Espanha, Suécia e Suíça;
• Verde S ou E142: Banido no Canadá, Finlândia, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos da América. ;
• Negro brilhante, Negro PN ou E151: Banido na Dinamarca, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Finlândia, França, Alemanha, Japão, Noruega, Suíça, Suécia, Estados Unidos da América e Noruega;
• Castanho FK ou E154: Banido na União Europeia (exceto no Reino Unido), Austrália, Canada, Japão e Estados Unidos. Da América;
• Castanho HT ou E155: Banido na Austrália, Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Noruega, Suécia, Suíça e Estados Unidos da América;

• Litolrubina ou E180: Banido na Austrália.
O que pode fazer?

Pode aguardar pela decisão das entidades competentes do seu país e continuar a consumir estes corantes, apesar de tantos países já os terem banido... ou utiliza o principio da prevenção, lê os rótulos, evita os corantes sob suspeita, e opta levar apenas os produtos que contenham corantes naturais e livres de qualquer suspeita. Afinal de contas, estamos a falar de compostos químicos que são usados para dar cor aos produtos alimentares, sem qualquer outra utilidade além desta.
Relembramos que estes corantes podem ainda ser ainda usados em farinhas,  molhos, charcutaria,  produtos de cosmética, medicamentos, ou xaropes, pelo que deve sempre consultar o rótulo de todos os produtos que consome, assim como a lista de excipientes de medicamentos e suplementos alimentares.
Se todos fizermos as melhores escolhas no momento da compra, estes corantes acabam por sair do mercado, simplesmente porque não são vendidos.
- See more at: http://www.esmeraldazul.com/pt/blog/os-corantes-que-eu-sugiro-que-as-criancas-evitem/#sthash.WvxbTTc1.dpuf
As crianças adoram cor, e a maior parte dos produtos infantis estão repletos de cor, nomeadamente a comida.  Infelizmente, esta cor não está incluída em alimentos como fruta ou vegetais, mas sim em gomas, gelatinas, pastilhas, sumos, cereais e muitos outros produtos atualmente disponíveis no mercado. Mas, e apesar do seu uso estar aprovado para consumo, os corantes artificiais contidos nestes produtos podem não ser a melhor opção para o seu filho.  
 Alguns investigadores, pais e profissionais de saúde relatam os seus efeitos tóxicos mas outros não encontram razão para serem proibidos. As entidades competentes, perante a falta de consenso entre investigadores, sugerem doses máximas de consumo numa tentativa de tentar minimizar os possíveis efeitos secundários, ou preferem ser mais cautelosas e proíbem o seu uso.
O que podem provocar?
 As alergias e as reações de sensibilidade são as queixas mais comuns, assim como o agravamento de crises de asma, a urticária, a alteração do comportamento da criança e indução de hiperatividade. 
Bronquites, rinite, congestão nasal, dores de cabeça, dor abdominal, perturbações gástricas, náuseas e vómitos, indigestão e inclusive possível efeito cancerígeno são também alguns dos efeitos associados.


Quais os corantes sob suspeita?
• Tartazina ou E102: O seu uso foi banido na Noruega, Áustria e Alemanha;
• Amarelo quinoleína ou E104: Banido na Austrália, Japão, Noruega e Estados Unidos da América;
• Amarelo – sol FCF, Amarelo alaranjado S ou E110: Banido na Noruega e na Finlândia;
•  Carmosina, Azorubina ou E122: Banido no Japão, Suécia e Estados Unidos da América;
• Amaranto ou E123: Banido na Noruega, Estados Unidos da América e Áustria e restringido em França e em Itália, onde só pode ser usado no caviar;
• Vermelho Cochonilha A, Ponceau 4R ou E124: Banido na Noruega e nos Estados Unidos da América;
• Eritrosina ou E127: Banido na Noruega e Estados Unidos da América;
• Vermelho 2G ou E128. Banido na União Europeia, exceto Reino Unido, e banido na Austrália, Áustria, Canadá, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos. Da América;
• Vermelho Allura AC ou E129: Banido na Dinamarca, Bélgica, França, Alemanha, Suíça, Suécia, Áustria e Noruega;
• Azul patenteado V ou E131: Banido na Austrália, Estados Unidos da  América e Noruega ;
• Indigotina ou E132: Banido na Noruega;
• Azul Brilhante FCF ou E133: Banido na Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Grécia, Itália, Noruega, Espanha, Suécia e Suíça;
• Verde S ou E142: Banido no Canadá, Finlândia, Japão, Noruega, Suécia e Estados Unidos da América. ;
• Negro brilhante, Negro PN ou E151: Banido na Dinamarca, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Finlândia, França, Alemanha, Japão, Noruega, Suíça, Suécia, Estados Unidos da América e Noruega;
• Castanho FK ou E154: Banido na União Europeia (exceto no Reino Unido), Austrália, Canada, Japão e Estados Unidos. Da América;
• Castanho HT ou E155: Banido na Austrália, Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Noruega, Suécia, Suíça e Estados Unidos da América;

• Litolrubina ou E180: Banido na Austrália.
O que pode fazer?

Pode aguardar pela decisão das entidades competentes do seu país e continuar a consumir estes corantes, apesar de tantos países já os terem banido... ou utiliza o principio da prevenção, lê os rótulos, evita os corantes sob suspeita, e opta levar apenas os produtos que contenham corantes naturais e livres de qualquer suspeita. Afinal de contas, estamos a falar de compostos químicos que são usados para dar cor aos produtos alimentares, sem qualquer outra utilidade além desta.
Relembramos que estes corantes podem ainda ser ainda usados em farinhas,  molhos, charcutaria,  produtos de cosmética, medicamentos, ou xaropes, pelo que deve sempre consultar o rótulo de todos os produtos que consome, assim como a lista de excipientes de medicamentos e suplementos alimentares.
Se todos fizermos as melhores escolhas no momento da compra, estes corantes acabam por sair do mercado, simplesmente porque não são vendidos.
- See more at: http://www.esmeraldazul.com/pt/blog/os-corantes-que-eu-sugiro-que-as-criancas-evitem/#sthash.WvxbTTc1.dpuf