Publicidade

Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Flúor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Flúor. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Alumínio, Flúor e Glifosato - A Tríplice Tóxica que Provoca Autismo e Mal de Alzheimer

Glyphosate Poisoning

Tradução do artigo publicado por Dr. Mercola em 12/02/2015 e exibido em inglês em meu blog aqui.

O alumínio é uma neurotoxina conhecida, e de acordo com o professor Christopher Exley, da Universidade de Keele, os produtos contendo alumínio provavelmente estão contribuindo para o aumento do Mal de Alzheimer. Em um artigo publicado na revista Frontiers in Neurology (Fronteiras na Neurologia), ele escreve:
"Todos nós estamos acumulando uma conhecida neurotoxina em nosso cérebro desde a nossa concepção até a nossa morte. A presença de alumínio no cérebro humano deveria ser uma bandeira vermelha nos alertando de todos os perigos potenciais da era do alumínio.
Como sabemos se o Mal de Alzheimer não é a manifestação da toxicidade crônica do alumínio em seres humanos? "
Pessoas com toxicidade de alumínio apresentam muitos dos mesmos sintomas que aquelas com demência, doença de Parkinson, DDA (Distúrbio de Déficit de Atenção), autismo, e outras doenças neurológicas, e as evidências sugerem alumínio pode desempenhar um papel significativo no desenvolvimento dessas (e outras) doenças.
Ao tomar medidas para proteger a si mesmo, você pode minimizar a sua exposição ao mesmo tempo maximizar a capacidade do seu organismo a se livrar desse metal tóxico, o que irá direcioná-lo para uma vida longa e saudável, inclusive em seus últimos anos de vida.
Outras toxinas que devemos ter cuidado incluem o flúor e o glifosato. Todos estes são tóxicos, de maneira isolada, mas a pesquisa sugere que eles podem ser ainda mais perigosos em combinação.

Você Pode Estar Sendo Exposto a Mais Alumínio do que Você Possa Imaginar

O alumínio pode ser encontrado em uma ampla gama de produtos de consumo, incluindo:
  • Alimentos como o fermento (em pó), farinha com fermento, sal, fórmulas infantis (leite próprio para bebês), cremes para café, produtos de panificação, e alimentos industrializados ou processados, corantes, e antiespumantes.
  • Remédios (drogas), tais como antiácidos, analgésicos, antidiarreicos, e outros; aditivos, tais como estearato de magnésio.
  • Vacinas contra hepatites A e B, Haemophilus influenzae do tipo b (Hib), DTP (contra difteria, tétano e coqueluche), vacina pneumocócica, Gardasil (HPV), e outras.
  • Cosméticos e produtos de cuidados pessoais, como antitranspirantes, desodorantes (incluindo os de cristais de sal, feitos de alum), loções (cremes), protetores solares, e shampoos.
  • Produtos de alumínio, incluindo papel alumínio, latas, embalagens de suco, latas e garrafas de água.
De acordo com o CDC (Centers for Disease Control and Prevention - Centros para Controle e Prevenção de Doenças), a média que um adulto nos EUA (Estados Unidos da América) consome de alumínio por dia é cerca de sete a nove mg (miligramas) na comida, e uma menor quantidade através do ar e da água.
Aproximadamente um por cento do alumínio que você ingere por via oral é absorvido por seu corpo - o resto é destinado ao seu aparelho digestivo, desde que esteja funcionando bem. O alumínio restante pode ser depositado não apenas no tecido cerebral, mas também em seus nervos, ossos, fígado, coração, baço e músculo.
Enquanto um por cento pode parecer uma pequena quantidade, sua carga tóxica global irá depender da quantidade total de toxinas que você for exposto ao longo do tempo. Sua alimentação (dieta) e saúde digestiva também irão desempenhar um papel importante em quanto seu corpo é realmente capaz de eliminar.

A Exposição Ocupacional ao Alumínio Aumenta o Risco de Alzheimer

Um estudo de caso recém-publicado encontrou altos níveis de alumínio no cérebro de um homem que foi exposto ao alumínio no trabalho por oito anos. Mais tarde, ele morreu de Mal de Alzheimer.
Segundo os autores, é o primeiro caso que mostra uma ligação direta entre o Mal de Alzheimer e concentrações elevadas de alumínio no cérebro após uma exposição ocupacional.
Um estudo anterior sugeriu que o alumínio proveniente de alimentos e água potável podem estar contribuindo para o aumento das taxas de Mal de Alzheimer, observando que:
"Nos últimos anos, o interesse no papel potencial de metais na patogênese do Mal de Alzheimer tem aumentado consideravelmente.
Em particular, a neuro toxicidade do alumínio (Al) foi sugerida após a sua descoberta em placas senis e emaranhados neurofibrilares, que representam as principais características neuropatológicas do Mal de Alzheimer.
O alumínio é onipresente na vida cotidiana e pode entrar no corpo humano a partir de várias fontes, principalmente pelo consumo de água potável e de alimentos... Outros elementos presentes na água potável, como o flúor, cobre, zinco ou ferro também poderia ter um efeito sobre a deficiência cognitiva ou modificar qualquer neuro toxicidade do alumínio".
Na verdade, dezenas de estudos têm mostrado que o fluoreto provoca danos cerebrais e reduz o QI (Quociente de inteligência). O fluoreto emitido pelas plantas alumínio também tem sido relacionado à doenças em animais.
Os agricultores da Islândia, por exemplo, afirmam que seus animais estão ficando doentes pela contaminação com o flúor ambiental, alguns a ponto de terem de ser sacrificados. Outros relatam taxas mais elevadas de danos aos dentes e infertilidade entre os animais.
Outra estudo relacionado liga a exposição ocupacional ao alumínio ao desenvolvimento de fibrose pulmonar, uma condição na qual cicatrizes em seus pulmões tornam difícil de respirar. Neste caso, a exposição ocorreu durante o polimento do material Corian.
Apesar de tudo, parece razoável concluir que a combinação de alumínio, fluoreto, e / ou um número de outras toxinas podem promover o Mal de Alzheimer e uma série de outros problemas de saúde.

Os Pesticidas Também Podem Provocar Danos na Função Cerebral

Os pesticidas, por exemplo, também mostraram um efeito adverso sobre a função neurológica e saúde cerebral. Em um estudo, agricultores expostos à inseticidas organoclorados tiveram risco maior de 90 por cento de depressão em comparação com aqueles que não os usavam.
A exposição a fumegantes aumentou o risco de depressão em 80 por cento. Pessoas expostas a pesticidas também são mais propensas a terem a doença de Parkinson.

Claramente, quando se trata de toxinas, a menos que o produto químico seja altamente tóxico, o dano real ocorre quando o corpo se torna cronicamente sobrecarregado com eles, e a maioria das pessoas hoje em dia está exposta a milhares e talvez dezenas de milhares de produtos químicos diferentes no seu dia a dia.
Os agricultores não são os únicos que correm risco de efeitos adversos devido à exposição à pesticidas. O glifosato pode ser encontrado na maioria dos alimentos industrializados (processados) na alimentação (dieta) ocidental, uma cortesia do açúcar de beterraba, milho e soja transgênicos ou geneticamente modificados, e a pesquisa mostra que o glifosato aumenta os efeitos nocivos dos outros resíduos químicos e toxinas.
Enquanto quase quinhentas mil toneladas de glifosato são embebidas em ambas as culturas convencionais e transgênicas em todo o mundo a cada ano, colheitas geneticamente modificadas recebem as maiores quantidades. Carnes provenientes de animais criados confinados (CAFOs - Concentrated Animal Feeding Operations - Operações de Alimentação de Animais Concentrados) também podem conter maiores quantidades de resíduos de glifosato, pois a soja transgênica é a base da alimentação do gado convencional.
É muito importante entender que a contaminação do glifosato é sistêmica, o que significa que é integrada em cada célula da planta, da raiz às extremidades. Não é apenas um problema de contaminação superficial, como acontece com muitos outros produtos químicos agrícolas pulverizados nas culturas.

Normalmente, você precisa lavar bem o seu produto para remover os resíduos de pesticidas superficiais, mas você simplesmente não pode remover o glifosato de sua produção. E nem fabricantes de alimentos para humanos e animais que usam ingredientes transgênicos em seus produtos. Esta é parte integrante do que torna alimentos transgênicos tão prejudiciais à sua saúde.

Envenenamento Sinergético por Alumínio e Glifosato Provocam Autismo

Dra. Stephanie Seneff, uma cientista de pesquisa sênior do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), tem sido fundamental para educar as pessoas sobre os perigos de glifosato. No vídeo abaixo, ela explica como alumínio e o glifosato atuam juntos como venenos sinérgicos que promovem o autismo. Com base na tendência atual, Dra. Seneff prevê que, até 2025, metade de todas as crianças nascidas serão diagnosticadas com autismo. Claramente, temos de identificar os fatores ambientais principais que contribuem para esta tendência assustadora. A falta de vitamina D causada pela exposição ao sol inadequada é um fator. As deficiências nutricionais causadas pela má alimentação são outro.
As toxinas ambientais não devem ser esquecidas entretanto, e algumas toxinas - o glifosato e o alumínio inclusos - são muito mais perigosos e onipresentes do que outros, e são, portanto, susceptíveis de contribuir em um maior grau. Como o Dra. Seneff explica, o mecanismo de dano do glifosato o torna particularmente problemático. Na verdade, de acordo com o Dra. Seneff, o glifosato é, possivelmente, "o fator mais importante no desenvolvimento de várias doenças e condições crônicas que se tornaram prevalentes nas sociedades ocidentais", incluindo mas não se limitando a:
  • Autismo
  • Doenças gastrointestinais tais como doença inflamatória do intestino, diarreia crônica, colite e doença de Crohn
  • Obesidade
  • Alergias
  • Doença cardiovascular
  • Depressão
  • Câncer
  • Infertilidade
  • Mal de Alzheimer
  • Mal de Parkinson
  • Esclerose múltipla
  • Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e mais
Vídeo sobre o Autismo Explicando a Intoxicação Sinérgica por Alumínio e Glifosato, por Dra. Stephanie Senef (em inglês).

Dicas para Evitar Estas Toxinas Perniciosas

Parece bastante claro que a exposição ao alumínio desempenha um papel em doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer. Outras neurotoxinas, como o fluoreto e glifosato aumentam a carga tóxica. A melhor maneira de se proteger é ter cuidado com suas escolhas em alimentos e produtos de uso pessoal, e minimizar o uso de vacinas e outros medicamentos que são muitas vezes contaminados com alumínio. Otimizar o enxofre na dieta (alimentação) também é essencial, uma vez que seu corpo precisa de enxofre para a fabricação de sua arma número um contra sobrecarga de alumínio: a glutationa.
Ao tomar algumas medidas para proteger a si mesmo, você vai minimizar a sua exposição ao mesmo tempo maximizar a capacidade do seu organismo de se livrar desse metal tóxico, o que irá direcioná-lo para uma vida longa e saudável, assim como em seus últimos anos de vida. Para obter dicas e estratégias adicionais que podem ajudar a prevenir e / ou tratar o Mal de Alzheimer, por favor, veja o meu artigo anterior "Dois Empolgantes Avanços no Alzheimer: Um Teste Novo de Detecção Precoce Usando Manteiga de Amendoim, e um Estudo que Avaliando o Óleo de Coco" (em inglês).

A lista a seguir oferece uma série de sugestões de itens para se evitar, reduzir a sua exposição ao alumínio, fluoreto, o glifosato, e outros componentes prejudiciais ao cérebro:
  • Alimentos industrializados e refrigerantes. Isso irá ajudá-lo a evitar ambos ingredientes geneticamente modificados (que tendem a ser contaminados com glifosato) e alumínio. Além disso, a substituição de alimentos industrializados por alimentos orgânicos não industrializados irá reduzir drasticamente o nível de açúcar / ingestão de frutose, o que irá ajudar a normalizar a sua insulina e sensibilidade à leptina. Esta é, de fato, uma das melhores estratégias para proteger e preservar sua função cerebral e saúde em geral. Frutose e glúten são outros fatores dietéticos (alimentares) que promovem a doença de Alzheimer, e é melhor evitá-los, tanto quanto possível.
  • Frango mecanicamente desossado, que tende a possuir teores elevados de fluoreto como um resultado do processo.
  • Amálgamas dentárias. Restaurações de amálgama, que contêm 50 por cento mercúrio em peso, são uma das principais fontes de toxicidade de metais pesados. No entanto, você deve estar saudável antes de removê-las. Depois de ter se ajustado à dieta a seguir descrita no meu plano de nutrição otimizado (em inglês), você pode seguir o protocolo de desintoxicação de mercúrio (em inglês) e, em seguida, encontrar um dentista biológico para ter suas restaurações dentárias de amálgama removidas.
  • Cosméticos e produtos de cuidados pessoais que contenham alumínio, como antitranspirantes (incluindo cristais de sal, feitos de alum), loções, protetores solares, e xampus.
  • As vacinas contendo mercúrio ou (timerosal) e / ou alumínio.
  • Medicamentos que contêm alumínio, tais como antiácidos, analgésicos, antidiarreicos, e outros
  • Anticolinérgicos e estatinas. Drogas que bloqueiam a acetilcolina, um neurotransmissor do sistema nervoso, têm mostrado aumentar o risco de demência. Estes medicamentos incluem certos analgésicos noturnos, anti-histamínicos, soníferos, certos antidepressivos, medicamentos para controlar a incontinência, e certos analgésicos narcóticos. As estatinas são particularmente problemáticas porque elas suprimem a síntese do colesterol, esgotam os níveis de coenzima Q10 do seu cérebro e de precursores dos neurotransmissores, e impedem que a quantidade adequada de ácidos graxos essenciais e antioxidantes solúveis em gordura seja fornecida ao seu cérebro inibindo a produção da biomolécula transportadora indispensável conhecida como lipoproteína de baixa densidade.
  • Medicamentos fluorados, incluindo Cipro (Ciprofloxacino).
  • Água fluoretada
  • Creme Dental com Flúor e tratamentos em gel com fluoreto.
  • Panelas e utensílios de cozinha antiaderentes de Teflon que liberam flúor, mas também evitar outros produtos contendo alumínio, como latas, papel alumínio, embalagens de suco, latas e garrafas de água.

Ajude a Apoiar a Rotulação de GMO (Genetically Modified Organisms - Organismos Genticamente Modificados ou Transgênicos ou OGM)

O Grocery Manufacturers Association (GMA - Associação de Fabricantes dos Supermercados) - Irmã Gêmea Má da Monsanto - está retirando todos os alertas para mantê-lo no escuro sobre o que está em sua comida. Por quase duas décadas, a Monsanto e as corporações do agronegócio exerceram controle quase ditatorial sobre a agricultura americana.

Finalmente a opinião pública a respeito da contaminação exercida pela indústria de biotecnologia no abastecimento de alimentos e destruição do meio ambiente chegou a um ponto de inflexão. Estamos revidando.

A insanidade já foi longe demais, é por isso que eu os encorajo a boicotar cada produto produzido pelos membros da GMA, incluindo marcas naturais e orgânicas. Mais de 80 por cento do nosso apoio vem de consumidores como você, que entendem que a verdadeira mudança vem da base.

Felizmente, temos organizações como a Organic Consumers Association (OCA - Associação dos Consumidores Orgânicos) para lutar contra essas gigantes corporações. Então, por favor, lute pelo seu direito de saber o que está presente em sua comida e ajude a apoiar o movimento de rotulagem de GMOs, fazendo uma doação hoje.

Recursos da Internet Onde Você Pode Aprender Mais (em inglês)
Observações minhas, Sílen: 

O nocivo glifosato (N-(fosfonometil) glicina, C3H8NO5P) é o agente principal do Roundup, herbicida da Monsanto. Muitas plantas geneticamente modificadas ou transgênicas são simplesmente modificações genéticas para resistir ao glifosato. Este herbicida tóxico é pulverizado pesadamente em 84 por cento de todas as culturas de OGM (incluindo a soja, milho, algodão, canola e beterraba açucareira) é um "provável agente cancerígeno" e cada vez mais é aplicado como um dessecante pré-colheita, ou agente de secagem, em dezenas de outras culturas não-OGM, incluindo trigo, arroz, feijão, batata, cevada, aveia, linhaça, ervilhas, lentilhas, e cana-de-açúcar (fonte).

Dado o fato de que novos estudos revisados por pares condenando o glifosato, estão sendo publicados quase todas as semanas, a IARC pode muito bem reclassificar glifosato como um "conhecido agente cancerígeno" em um futuro próximo (fonte).

Fontes:

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2015/02/12/aluminum-fluoride-glyphosate-poisoning.aspx?e_cid=20150212Z1_DNL_NB_O_art_1&utm_source=dnl&utm_medium=email&utm_content=art1&utm_campaign=20150212Z1_DNL_NB_O&et_cid=DM67230&et_rid=839460929

https://pt.wikipedia.org/wiki/Glifosato

sábado, 10 de janeiro de 2015

12 Substâncias Ocultas que Envenenam o Cérebro das Crianças

Criança com parte do rosto escondido
Pesquisa alerta para “epidemia silenciosa” de problemas neurológicos causados por substâncias do cotidiano que “corroem a inteligência e perturbam o comportamento” dos pequenos
Autismo, déficit de atenção, dislexia, paralisia cerebral…A lista de problemas neurológicos que afetam milhares de crianças em todo o mundo é tão extensa quanto as ameaças ocultas do cotidiano que podem deflagrar essas disfunções.
Estudo publicado nesta semana na revista científica The Lancet Neurology alerta para “epidemia silenciosa” de perturbações neurológicas infantis causadas por substâncias invisíveis presentes em roupas, móveis e brinquedos.
Segundo a pesquisa, feita pela Escola de Saúde Pública de Harvard e a Escola de Medicina Monte Sinai, em Nova York, a lista de químicos que, reconhecidamente, afetam o cérebro dos pequenos duplicou nos últimos sete anos, saltando de seis para doze.
São produtos químicos tóxicos que “silenciosamente corroem a inteligência, perturbam o comportamento, e minam as conquistas futuras das crianças, principalmente nos países mais pobres, que têm pouca regulamentação a respeito dessas substâncias”, avaliam os autores do texto, Philippe Grandjean e Philip J Landrigan.
Eles consideram que mesmo as atuais regulamentações dos químicos são inadequadas para proteger as crianças, cujos cérebros em desenvolvimento são particularmente vulneráveis aos produtos tóxicos presentes no ambiente.

Chumbo


As principais formas de contaminação pelo chumbo se dão pela ingestão de alimentos ou água contaminados e por inalação de partículas de poeira da substância.
A exposição ao chumbo na infância está associada ao desempenho escolar reduzido e com comportamento delinquente no futuro. Segundo o estudo, não existem níveis seguros de exposição a essa substância.

Tolueno ou metil benzeno


Esta substância caracteriza o que ficou popularmente conhecido no Brasil como cola de sapateiro, apesar de estar presente em outros tipos de colas, como as utilizadas na marcenaria.
Ela também é usada como solvente, em pinturas, revestimentos, borrachas e resinas. A exposição materna ao tolueno tem sido associada a problemas de desenvolvimento cerebral e déficit de atenção na criança.

Metilmercúrio


A exposição ao metilmercúrio, que afeta o desenvolvimento neurológico do feto, muitas vezes vem de ingestão materna de peixe que contém altos níveis de mercúrio. Segundo o estudo, a vulnerabilidade do cérebro em desenvolvimento à toxicidade do metilmercúrio é muito maior que a do cérebro adulto. Os efeitos perduram por anos.
Problemas apresentados por crianças aos sete anos de idade ainda eram detectáveis com a idade de 14 anos. Outros exames em pessoas expostas no pré-natal a quantidades excessivas de metilmercúrio mostraram ativação anormal de regiões do cérebro em resposta a tarefas de estimulação sensorial e motora.

Bifenilos policlorados – PCBs


Esta família de produtos químicos tem sido rotineiramente associada à função cognitiva reduzida na infância. Muitas vezes, estão presentes em alimentos, principalmente peixes, carnes e lácteos contaminados, e podem ser repassadas ao bebê pelo leite materno. Essas substâncias também são encontradas em aparelhos elétricos velhos, onde agem como isolantes térmicos.

Éteres de difenila polibromados (PBDEs)


O grupo de compostos conhecidos como polibromados éteres difenil (PBDE) são amplamente utilizados como retardadores de chama, para proteger móveis, tapetes e roupas.
Experimentos sugerem que os PBDEs também podem ser neurotóxicos. Estudos epidemiológicos na Europa e nos EUA têm mostrado déficits de desenvolvimento neurológico em crianças com aumento da exposição pré-natal a estes compostos.

Tetracloroetileno ou percloroetileno


Em Massachusetts, nos Estados Unidos, uma pesquisa com crianças que foram expostas no pré-natal ao percloroetileno em água potável mostrou tendência para deficiências na função neurológica e risco aumentado de diagnósticos psiquiátricos.
O tetracloroetileno é um líquido incolor e volátil à temperatura ambiente. É usado como desengraxante de peças metálicas, em lavagens a seco, na indústria têxtil, e produtos de limpeza e de borracha laminada.

Bisfenol A ou BPA


O BPA é um composto usado na fabricação de policarbonato, que é utilizado na produção da maioria dos plásticos rígidos e transparentes, e também na produção da resina epóxi, que faz parte do revestimento interno de latas que acondicionam bebidas e alimentos.
Em 2011, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu proibir, no Brasil, a venda de mamadeiras de plástico que tenham a substância. O BPA pode enganar o corpo e fazê-lo pensar que é hormônio real. Na literatura média, tem sido associado à diversos tipos de câncer e problemas reprodutivos, além de obesidade, puberdade precoce e doenças cardíacas.

Clorpirifós e DDT (pesticidas)


Estes inseticidas estão ligados a anormalidades no desenvolvimento neurológico em crianças. Eles são proibidos em muitas partes do mundo, mas ainda utilizados em muitos países de baixa renda. Estudos recentes também o relacionam à doença de Alzheimer. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu, em 2004, a industrialização, produção, distribuição, comercialização e entrega de inseticidas de uso doméstico e em ambientes coletivos à base do princípio ativo clorpirifós. O DDT foi banido nos EUA na década de 70, mas ainda é usado em alguns países. No Brasil, o uso do DDT foi proibido em 2009.

Fluoreto


Eles está presente em cremes dentais e anti-sépticos bucais para prevenir cáries, mas também é adicionado em inseticidas e venenos para ratos. Um dos usos que ganhou fama nos anos 1960 foi o de adicionar a substância em água, sob a crença de que a prática fortaleceria a saúde bucal. Mais de 27 estudos com crianças expostas a níveis elevados de flúor na água potável, principalmente da China, sugerem um decréscimo médio de QI de cerca de sete pontos.
Água fluoretada, uma Herança Nazista
[FILME] A Farsa do Flúor – (The Fluoride Deception)
Como Fazer em Casa sua Própria Pasta de Dente Natural

Ftalatos


Todo os dias, milhões de células no nosso corpo morrem, e isso é perfeitamente saudável. Estudos têm mostrado, no entanto, que químicos chamados ftalatos também podem desencadear a “sinalização da morte” em células testiculares, fazendo-as morrer mais cedo do que deveriam.
Comumente usados para dar mais flexibilidade aos plásticos, os ftalatos podem ser encontrados por todos os lados – na cortina do box do chuveiro, em cabos elétricos, na cobertura do chassi do carro e nos plásticos das portas. Outros estudos ligam os ftalatos a alterações hormonais, defeitos congênitos no sistema reprodutor masculino, obesidade, diabetes e irregularidades da tireoide.

Arsênico


O arsênico é largamente empregado em processos de fundição de metais e na conservação de madeira. Em seu estado elementar, é um material cinza sólido, frequentemente encontrado no meio ambiente combinado com outros elementos. Seus compostos geralmente formam um pó branco ou incolor que não tem cheiro ou sabor, o que dificulta identificação do tóxico em alimentos, na água ou na atmosfera.
Exposições pré-natal e pós-natal ao arsênico em água potável contaminada estão associados com déficits cognitivos em crianças com idade escolar e risco elevado de doença neurológica durante a vida adulta.
Estudo Sugere que Água Engarrafada Contém Mais de 24 mil Substâncias Químicas

Manganês


Um estudo feito em Quebec, no Canadá, expôs uma relação forte entre a concentração de manganês nos cabelos das crianças e hiperatividade. Pequenos em idade escolar que viviam próximo a áreas de mineração e processamento do minério demonstraram diminuição da função intelectual, deficiência em habilidades motoras e redução da função olfativa.
Presente na água potável em Bangladesh, por exemplo, este produto químico, usado para fabricação de aço, tem sido associado à baixo desempenho em matemática, função intelectual diminuída e déficit de atenção.

Fontes:

http://www.noticiasnaturais.com/2014/02/12-substancias-ocultas-que-envenenam-o-cerebro-das-criancas/

Exame: 12 substâncias ocultas que envenenam o cérebro das crianças

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Vídeo: Entrevista com o Dr. Mercola e o Dr. Osmunson sobre os Malefícios do Flúor (Legendado)

Editado em 29/05/2015.

Leia mais sobre Países que Proibiram Fluoretação da Água aqui.


Não é só o flúor que é nocivo na maioria dos cremes dentais, outras substâncias perigosas à nossa saúde são: 
  • Triclosan (presente no Colgate Total 12 e outros): utilizado como conservante. Estudos têm cada vez mais associado o triclosan (e seu primo químico triclocarban), à uma gama de reações de saúde adversas e efeitos ambientais negativos: irritação da pele, a desregulação endócrina, bacteriana e resistência aos antibióticos agravada, à contaminação da água e seu impacto negativo sobre os ecossistemas aquáticos frágeis, tais como o fitoplâncton marinho (o verdadeiro pulmão do mundo e não as árvores); 
  • Sodium Lauryl Sulfate (SLS) ou Lauril Sulfato de Sódio: um dos agentes de limpeza mais usados, serve para fazer espuma, pode ser encontrado na maioria dos shampoos, detergentes, sabonetes, etc. É um ingrediente irritante (assim como o Ammonium lauryl sulfate) para pele e olhos, tóxico em órgãos do nosso corpo, apresenta toxicidade reprodutiva, neurotoxicidade, possíveis mutações e câncer (fonte). Além disso, é considerado uma toxina ambiental, ou seja, polui o meio ambiente;
  • Adoçantes artificiais cancerígenos como a sacarina sódicaseu uso já foi associado ao aparecimento de câncer, especialmente o de bexiga em ratos de laboratório. Por isso, os Estados Unidos tentaram banir o adoçante e obrigaram os produtos que continham sacarina a apresentar uma tarja avisando tratar-se de produto que havia apresentado sinais cancerígenos. Esse alerta foi retirado em 2000, por falta de comprovação científica. Mesmo assim, o uso desse produto caiu consideravelmente em todo o mundo e, até hoje, não é recomendada sua utilização por grávidas; 
  • Propylene Glycol: atua como agente umectante e controlador de viscosidade, dentre outros usos. Está relacionado a possíveis alergias, dermatites de contato, além de poder intensificar a penetração de outros ingredientes na pele. Pode ser tóxico para o sistema reprodutivo e carcinogênico (fonte);
  • Corantes artificiais nocivos: sua pele é um dos maiores órgãos do corpo (o maior é o endotélio)trabalhando duro todos os dias para livrar o corpo de toxinas, bem como protegê-lo de substâncias químicas do ambienteCorantes artificiais tornam sabonetes e loções atraentes, mas eles são perigosos. Derivados do petróleo, acetona e alcatrão, estudos têm mostrado que os corantes dos produtos de cuidados pessoais são perigosos e adicionam riscos à nossas vidas diariamente. Alguns contêm impurezas tais como acetato de chumbo, que é tóxico para o sistema nervosoAlguns dos corantes mais usados ​​são alergênicos, irritantes, e alguns são agentes cancerígenos conhecidos
As duas melhores opções de cremes dentais que encontrei no Brasil são (eles não contêm flúor, lauril sulfato, corantes artificiais, sacarina sódica, sucralose e nem conservantes químicos nocivos)Gel Dental Cativa Natureza (compre aqui) e Weleda Infantil (compre aqui ou em farmácias). Outra opção é fazer o seu creme ou pó dental, como descrito aqui.

Referências:

https://www.youtube.com/watch?v=WSnR2OT9Swg


http://estaoteenvenenando.blogspot.com.br/

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Flúor mais um Veneno: Países que Proibiram a Fluoretação da Água




Mapa do mundo da água fluoretada. As cores indicam a porcentagem da população que recebe água fluoretada em cada país, o vermelho indica maior porcentagem e o branco menor porcentagem. 

Os dados deste mapa são do Table 31 (pp. 35-6) de: The British Fluoridation Society; The UK Public Health Association; The British Dental Association; The Faculty of Public Health (2004). “The extent of water fluoridation”, One in a Million: The facts about water fluoridation, 2nd, 55–80.

A fluoretação da água, sal, leite e alimentos varia em grau de país para país. A fluoretação foi implementada em vários países, principalmente na Austrália, Brasil, Canadá, Malásia e EUA, e apenas 5,7% da população mundial bebem água fluoretada.

No Brasil alguns municípios começaram a fluoretação da água em 1950. A lei federal de 1974 exigiu novas estações de tratamento de água, e a fluoretação se expandiu consideravelmente na década de 1980, com níveis de fluoretação ideal fixado em 0,8 mg/L. Em 2003 mais de 70 milhões de brasileiros recebiam água fluoretada, principalmente nas grandes cidades.

Declarações


Segue abaixo a resposta de alguns países sobre a não fluoretação de seus suprimentos de água potável:

Alemanha – Interrompido

“Geralmente, na Alemanha a fluoretação da água potável é proibida. A relevante lei Alemã permite exceções para fluoretação. A argumentação do Ministério Federal da Saúde contra uma geral permissão de fluoretação da água potável é a natural problemática da medicação compulsória“. (Gerda Hankel-Khan, Embaixada da República Federal da Alemanha, 16/Setembro/1999).

Áustria – Proibido

“O fluoreto tóxico nunca foi adicionado no suprimento de água Pública na Áustria.“ (M.Eisenhut, Chefe do Dept. de Água, Osterreichische Yereinigung fur das Gas-und Wasserfach Schubertring 14, A-1015 Wien, Austria, 17/Fevereiro/2000).

Bélgica – Proibido

“Este tratamento da água nunca foi usado na Bélgica e nunca será (esperamos) no futuro. A razão principal para isto é a posição fundamental do setor de água potável que isto não é uma tarefa para levar tratamento medicinal às pessoas. Isto é de única responsabilidade dos serviços de saúde.“ (Chr.Legros, Directeur, Belgaqua, Bruxelas, Bélgica, 28/Fevereiro/2000).

China – Interrompido

”A fluoretação da água potável não é permitida na China, em conformidade com as normas de Padrão da Água Potável Pública da China. (Gao Xishui, Deputy Director General, Department of International Cooperation, Ministry of Health, China, 1/March, 2000).

Dinamarca – Proibido

“Nós somos gratos em informar-lhes que segundo o Ministério Dinamarquês de Ambiente e Energia, fluoretos tóxicos nunca foram adicionados no suprimento de água pública. Consequentemente, nenhuma cidade dinamarquesa jamais foi fluoretada.“ (Klaus Werner, Embaixada Real Dinamarquesa, Washington DC 22/Dezembro/1999).

Finlândia – Interrompido

“Nós não favorecemos ou recomendamos a fluoretação da água potável. Existem meios muito melhores de proporcionar a fluoretação que nossos dentes necessitam.“ (Paavo Poteri, Vice Diretor de Administração, água de Helsique, Finlandia, 7/Fevereiro/2000).

França – Rejeitado

“Químicas do fluoreto não são incluídas na lista (dos tratamentos químicos da água potável). Isto é devido à ética assim como as considerações médicas“. (Loius Sanchez, Direteur de la Protection de l’environment, 25 de Agosto de 2000).

Holanda – Interrompido

“Do final dos anos 60 até o inicio dos anos 70 a água potável em vários lugares da Holanda foi fluoretada para prevenir cáries. Entretanto, em seu julgamento de 22 Junho de 1973 no caso nº 10683 a Suprema Corte determinou que não havia uma base legal para a fluoretação. Após aquele julgamento, uma emenda ao ato do suprimento da água foi preparado para proporcionar uma base legal para a fluoretação. Durante o processo tornou-se claro que não havia apoio parlamentar suficiente para este emendamento e a proposta foi retirada.“ (Wilfred Reinhold, Conselheiro Legal, Diretoria de Água Potável, Holanda, 15/Janeiro/2000).

Hungria – Interrompido

”A fluoretação foi interrompida por razões técnicas nos anos 60."

Irlanda do Norte – Interrompido

“O suprimento d’água da Irlanda do Norte foi fluoretado em 2 pequenas localidades por cerca 30 anos até o ano passado. A fluoretação cessou nestas localidades por razões operacionais. Desta vez não existem planos para começar a fluoretação dos suprimentos d’água na Irlanda do Norte.“ (C.J, Grimes, Departamento para Desenvolvimento Regional, Belfast, 6/Novembro/2000).

Japão – Proibido

”No Japão decidimos que não há necessidade de fluoretação geral da água potável porque: 1) o impacto da fluoretação sobre a saúde humana varia muito para cada indivíduo e a fluoretação geral pode causar problemas de saúde em pessoas vulneráveis, 2) tabletes de fluoreto podem ser consumidos voluntariamente. (Toru Nagayama, Environment Agency, Government of Japan, 8/March/2000).

Luxemburgo – Proibido

“O fluoreto nunca foi adicionado ao suprimento de água pública em Luxemburgo. Em nosso parecer, a água potável não é o meio conveniente para o tratamento medicinal e as pessoas que necessitam de uma adição de fluoreto podem decidir elas mesmas em usar os meios mais apropriados, como a ingestão de tabletes de fluoreto, para cobrir suas necessidades (diárias).“ (Jean-Marie RIES, Head, Departamento de Água, Administration De L’environment, 3/Maio/2000).

Noruega – Proibido

“Na Noruega nós tivemos uma conversa bastante intensa sobre este argumento a 20 anos atrás, e a conclusão foi que a água potável não deve ser fluoretada.“ (Truls Krogh & Toril Hofshagen, Folkehelsa Statens Institutt for Folkeheise (Instituto Nacional de Saúde Pública) Oslo, Noruega, 1/Março/2000).

República Tcheca – Interrompido

“Desde 1993, a água potável não foi tratada com o fluoreto nos suprimentos de água pública por toda República Tcheca. Embora a fluoretação da água potável não foi realmente eliminada e não é sob consideração porque esta forma de suplementação é considerada:

  • Antieconômica (somente 0,54% da água conveniente para beber é usada como tal; o restante e usado para a higiene etc. Além do mais, um crescente número de consumidores (particularmente crianças) estão usando água engarrafada para beber (água subterrânea usualmente com flúor). 
  • Antiecológica (carregamento ambiental por substâncias desconhecidas) 
  • Antiético (“medicação forçada“) 
  • Toxicologicamente e fisiologicamente discutível (a fluoretação representa uma forma desguarnecida de suplementação que negligencia o real consumo individual e a real necessidade de consumo e pode levar a um excessivo risco para a saúde em certos grupos da população; e a formação de compostos do flúor na água em formas não biologicamente ativas. (Dr. B. Havlik, Ministerstvo Zdravotnictvi Ceske Republiky, October 14, 1999). 
Suécia – Interrompido

“a fluoretação da água potável na Suécia não é permitida… Nova documentação científica ou mudanças na situação da saúde dental que poderiam alterar as conclusões da Comissão não foram mostradas.“ (Gunnar Guzikowski, Inspetor Chefe Governamental, Livsmedels Verket –Administração Nacional dos Alimentos Divisão de Água Potável, Suecia, 28/Fevereiro/2000).

A Realidade do Flúor

· O flúor é mais tóxico que o chumbo, cuja quantidade na água potável não deve superar 0,4 partes por milhão (ppm). O nível do flúor na água potável costuma ser de 1,5 ppm.

· Em um relatório da Universidade da Flórida é dito: “Uma solução de 0,45 ppm de fluoreto de sódio é suficiente para fazer com que as reações sensoriais e mentais fiquem mais lentas”.

· Na Sicília foi achada uma relação entre as regiões de alta concentração de flúor na água com a ocorrência graves doenças dentárias.

· A US Food and Drug Admistration considera que o flúor é um medicamento não aprovado, para o qual não existem provas de inocuidade e de efetividade.

Estudo de Harvard Confirma que o Flúor (fluoreto) Reduz o QI das Crianças

A Universidade de Harvard publicou recentemente um meta-análise financiada pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), e concluiu que as crianças que vivem em áreas com água altamente fluoretada têm valores de QI “significativamente inferiores” do que aqueles que vivem em áreas de flúor baixos.

Num relatório de 32 páginas (em que pode ser feito o download gratuitamente a partir do Environmental Health Perspectives) um dos pesquisadores disse:

“Um recente relatório do Conselho de Pesquisa Nacional dos EUA (NRC 2006) 2 concluiu que os efeitos adversos de altas concentrações de flúor na água potável podem ser motivo de preocupação e que a investigação adicional é necessária. O flúor pode causar neurotoxicidade em animais de laboratório, incluindo os efeitos na aprendizagem e na memória…

Para resumir a literatura disponível, foi realizada uma revisão sistemática e uma meta-análise de estudos publicados sobre o aumento da exposição de flúor na água potável e os atrasos do desenvolvimento neurológico. Nós concentramo-nos especificamente em estudos realizados na China rural que não tenham sido amplamente divulgados, complementando assim, os estudos que foram incluídos em comentários anteriores e relatórios de avaliação de risco direcionados…

Os resultados da nossa meta-análise de 27 estudos publicados ao longo de 22 anos sugerem uma associação inversa entre a alta exposição ao flúor e a inteligência das crianças… Os resultados sugerem que o flúor pode ser um neurotóxico que afeta o desenvolvimento do cérebro em exposições muito inferiores aos que podem causar toxicidade em adultos…

As concentrações séricas-flúor associadas com o consumo elevado de água potável podem ser superiores a 1 mg / L, ou 50 Smol / L, portanto, mais de 1000 vezes os níveis de alguns outros neurotóxicos que causam danos no desenvolvimento neurológico. Em apoio da plausibilidade das nossas descobertas, ratos que foram expostos a 1 ppm (50 Smol / L) de flúor na água durante um ano mostraram alterações morfológicas no cérebro e um aumento dos níveis de alumínio no tecido cerebral em comparação com os controles…
Em conclusão, os nossos resultados suportam a possibilidade de efeitos adversos da exposição ao fluoreto sobre o neurodesenvolvimento infantil.

Pesquisas futuras devem avaliar formalmente as relações dose-resposta com base em medidas a nível individual de exposição ao longo do tempo, incluindo a avaliação da exposição pré-natal mais precisa e medidas mais extensas padronizadas de desempenho neurocomportamental, além de melhorar a avaliação e controle de potenciais fatores de confusão.”


Estudos têm Repetidamente Ligado o Flúor à Redução do QI e Danos Cerebrais

Há muitos estudos científicos que mostram os efeitos tóxicos do flúor diretamente no seu corpo, é verdadeiramente notável não ser considerado um consenso científico até agora. Apesar das evidências contra este fato, o flúor ainda é adicionado em 70% abastecimento público de água potável da América.

É de espantar que as comunidades médicas (e odontológicas) sejam tão teimosamente resistentes a ligar os pontos quando se trata do aumento vertiginoso de declínio cognitivo em adultos e problemas de comportamento em crianças (ADD, ADHD, depressão e deficiência de aprendizagem de todos os tipos). Na verdade, houve mais de 23 estudos em humanos e 100 estudos com animais que ligam o flúor a danos cerebrais. O flúor também pode aumentar a absorção de manganês, agravando os problemas na água potável visto que o manganês também tem sido associado ao baixo QI em crianças.
Efeitos relatados de flúor no cérebro incluem:

  • Redução de receptores de acetilcolina nicotínico
  • Danos no hipocampo
  • Formação de placas de beta-amiloide (a anormalidade cerebral clássica na doença de Alzheimer)
  • Exacerbação de lesões induzidas por deficiência de iodo
  • Danos às células de Purkinje
  • Redução do teor de lipídios
  • Sistemas de defesa antioxidantes comprometidas
  • Aumento da absorção de alumínio
  • A acumulação de flúor na glândula pineal
Efeitos Nocivos já são Conhecidos Há Meio Século

Talvez o mais surpreendente é que os efeitos nocivos do flúor sejam já conhecidos por organizações médicas convencionais há mais de meio século. Por exemplo, o Journal of the American Medical Association (JAMA) afirmou na sua edição de 18 de Setembro de 1943 que o flúor é protoplasmático geral venenoso que altera a permeabilidade da membrana celular por certas enzimas. E, um editorial publicado no Journal of the American Dental Association a 1 de Outubro de 1944, declarou:

"Beber água com o mínimo de 1,2 ppm de flúor vai causar distúrbios de desenvolvimento. Não podemos correr o risco de produzir tais perturbações sistêmicas graves. As potencialidades para danos ultrapassam os extremos".

Parte do problema é que é uma toxina cumulativa que, ao longo do tempo, pode levar a problemas de saúde significativos que não são imediatamente ligados à exposição do flúor. Num artigo de 2005, intitulado “Fluoride – A Toxic Waste Modern,” Lita Lee, Ph.D. escreveu:

"O livro de Yiamouyiannis, Fluoride, The Aging Factor (Flúor, o fator de envelhecimento), documenta o efeito cumulativo do dano tecidual causado pelo flúor, visto como o envelhecimento (dano do colágeno), erupções cutâneas e acne, distúrbios gastrointestinais, e muitas outras condições, incluindo a osteoporose. O Centro dos EUA para Controle de Doenças e da Fundação Água Segura informou que 30.000 a 50.000 mortes em excesso ocorrem nos Estados Unidos a cada ano, em áreas em que a água contém apenas 1 ppm de flúor"…

O flúor suprime o sistema imunológico, inibe o movimento de células brancas do sangue em 70 por cento, diminuindo assim a sua capacidade de atingir o seu objetivo. Yiamouyiannis cita 15 referências no seu panfleto, Lifesavers Guide to Fluoridation (Salva-vidas, guia para a fluoretação), que documenta os efeitos imunossupressores tão pouco quanto 10 por cento da quantidade de flúor usado em água fluoretada…os efeitos imunossupressores são quem comandam o corpo, desde uma constipação que não passa ao aumento de risco de câncer e de outras doenças infecciosas.

Estudos têm demonstrado que a toxicidade do flúor pode levar a uma grande variedade de problemas de saúde, incluindo:
  • Aumento da absorção de chumbo
  • Perturbação da síntese de colágeno
  • Hiperatividade e / ou letargia
  • Distúrbios musculares
  • Doença da Tireoide
  • Artrite
  • Demência
  • Fraturas ósseas
  • Baixa função da tireoide
  • Câncer ósseo (osteossarcoma)
  • 62 enzimas inativas e inibição de mais de 100
  • Inibição de formação de anticorpos
  • Dano genéticos e destruição das células
  • Aumento de tumores e de câncer
  • Perturbação do sistema imunológico
  • Danos ao esperma e aumento da infertilidade
Ciência suprimida: Flúor ligado ao Câncer

A investigação há muito tempo esquecida, ligando o flúor ao câncer reapareceu num clipe de um filme holandês com o Dr. Dean Burk, que em 1937, foi cofundador do Instituto Nacional do Câncer dos EUA (NCI) e dirigiu o departamento de citoquímica por mais de 30 anos. Na entrevista gravada, ele equivale a fluoretação da água ao “assassinato público”, referindo-se a um estudo que foi feito nas 10 maiores cidades dos Estados Unidos com a fluoretação em comparação com as 10 maiores sem a fluoretação. O estudo demonstrou que as mortes por câncer aumentou bruscamente em menos de um ano ou dois depois da fluoretação ter começado. Este e outros estudos que associam o flúor ao câncer foram encomendados pelo governo, mas foram rapidamente enterrados uma vez que o flúor estava ligado a um aumento dramático no câncer.


Junte-se à Luta para Remover o Flúor da Água Potável

Não restam dúvidas que o flúor não deve ser ingerido. Pelo menos quando se trata de uma aplicação tópica, existe uma escolha. Pode-se facilmente comprar uma pasta de dentes e um enxaguatório bucal sem flúor. Mas estamos presos ao que a nossa comunidade coloca na água, e é muito difícil filtrar a água uma vez que o flúor é adicionado. Muitos não têm os recursos ou o conhecimento para fazê-lo.

Até mesmo os cientistas do Nacional de Saúde do EPA e o Laboratório Ambiental de Efeitos e Pesquisa têm o flúor classificado como “químico com provas substanciais de neurotoxicidade de desenvolvimento.” Além disso, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), 41 por cento dos adolescentes norte-americanos têm agora descoloração dental devido ao flúor – manchas pouco atraentes nos dentes que indicam exposição excessiva ao flúor.

Claramente, as crianças estão a ser superexpostas, a sua saúde e o seu desenvolvimento estão sendo postos em risco. Por que?

A única solução real é abandonar a prática arcaica de fluoretação da água em primeiro lugar. Água pura e limpa é um pré-requisito para a saúde humana.

Referências:

Wikipédia
http://www.fluoridealert.org/

Blog Assuntos Incomum

http://www.anovaordemmundial.com/2010/04/fluor-toxico-paises-que-proibiram.html#ixzz3C4JbK7J4

http://prisaoplanetaria.com/2014/01/21/estudo-de-harvard-confirma-que-o-fluor-fluoride-reduz-o-qi-das-criancas/

Developmental Fluoride Neurotoxicity: A Systematic Review and Meta-Analysis

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/08/14/fluoride-effects-in-children.aspx