Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Epilepsia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Epilepsia. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Vídeo do Dr. Sircus: Suplementação de Magnésio Oral X Transdérmica

Dr. Mark Sircus , Ac., OMD, DM (P) (acupunturista, médico da medicina oriental e pastoral).

Saiba como preparar e utilizar o magnésio transdérmico neste link

Fonte:

https://www.youtube.com/watch?v=h8Dgcw9e6T0

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Como Preparar o Óleo de Magnésio para o Uso Transdérmico

Blue Glass Bottle with Spray 4 oz Unit
15/09/2015 atualizado em 31/05/2017.

O Que é Óleo de Magnésio?

Em primeiro lugar, devo esclarecer: o óleo de magnésio não é um óleo. É simplesmente chamado de "óleo" de magnésio, devido a sensação oleosa da solução de cloreto de magnésio com água na pele. (Por favor note que este não é o mesmo magnésio encontrado no sal de Epsom ou Sal Amargo. O Sal de Epsom é o sulfato de magnésio. Este é o cloreto de magnésio e é mais adequado para a absorção transdérmica).


Você deverá aplicar o óleo de magnésio em sua pele com um frasco com borrifador, em seguida, esfregue-o e deixe sua pele absorvê-lo durante aproximadamente meia hora ou mais.


Por que usar o Óleo de Magnésio?


1) A maioria de nós possuímos uma deficiência de magnésio. No passado, obtínhamos o magnésio através do solo e do abastecimento de água, mas atualmente, o solo está empobrecido e nosso abastecimento de água potável está pobre em minerais. 


2) Você sabia magnésio é mais facilmente absorvido por via transdérmica, através da pele, do que é internamente (por via oral)?


3) O óleo de magnésio é uma forma útil, barata e simples de aplicar magnésio em sua pele. É essencial aprender a fazer óleo de magnésio!


Benefícios da Terapia Transdérmica de Magnésio (fonte a e fonte b)

  • Alivia dores musculares na coluna, bursites, tendinites;
  • Previne e trata artrites e osteoporose, pois faz com que o cálcio se deposite no local correto;
  • Ajuda nos casos de depressão pois aumenta a energia vital;
  • Atua beneficamente sobre o sistema nervoso;
  • Melhora o sistema imunológico e combate radicais livres;
  • Auxilia no tratamento de cálculos renais;
  • Auxilia a evitar crises epiléticas e convulsões;
  • Traz mais disposição e vitalidade para o dia a dia.
Contraindicação: Pacientes com deficiências renais devem usar o cloreto de magnésio com acompanhamento médico.

Como Preparar o Óleo de Magnésio

Encontrei esta receita em inglês, porém o magnésio utilizado não pode ser encontrado no Brasil.


Realizei alguns cálculos, baseados em dados encontrados e cheguei à conclusão que pode ser utilizado o cloreto de magnésio P.A.


O produto utilizado nos Estados Unidos é este:
Ancient Minerals Magnesium Bath Flakes - 1 xícara contém 15 g de magnésio elementar e 1/2 xícara = 7,5 g de magnésio elementar.


Este pode ser encontrado em farmácia comuns (algumas), pela internet ou manipulado (em farmácias de manipulação):

Composição do Cloreto de Magnésio P.A. – Ifal – 33 g
Cloreto de magnésio..... 33 g - Equivalente a 3,95 g de magnésio elementar

2 sachês equivalem a 7,9 g de magnésio elementar, pois 3,95 g (de magnésio elementar por sachê)*2(sachês)=7,9 g.

Ingredientes:

  • 2 sachês ou frascos de 33 g de cloreto de magnésio P.A. 
  • ½ xícara de água destilada (118 ml)
  • Tigela de vidro ou copo medidor de vidro
  • Um frasco com borrifador de vidro escuro (pode ser de plástico escuro também)
Instruções

Ferva a água destilada. É importante utilizar a água destilada para prolongar a vida útil da solução. Coloque o cloreto de magnésio em uma tigela de vidro ou em um copo medidor (de vidro) e despeje a água fervente sobre ele.

Mexa bem até dissolver completamente. Deixe esfriar completamente e guarde no frasco com borrifador. Pode ser armazenado à temperatura ambiente durante pelo menos seis meses.

Como Usar o Óleo de Magnésio


Borrife-o nos braços, pernas e barriga diariamente. Pode ocorrer uma sensação de leve coceira na pele (pinica levemente), isso é perfeitamente normal e de curta duração; este efeito desaparece após 10 a 20 minutos. Depois de um tempo de aplicação rotineira do óleo de magnésio, você provavelmente não vai mais experimentar esta sensação na pele. Use o óleo de magnésio, começando com 6 a 8 borrifadas por dia e aumente 1 borrifada a cada dia, até chegar a 20 borrifadas.


Você pode deixá-lo na pele ou lavá-lo depois de 30 minutos da aplicação. Eu costumo aplicar o óleo de magnésio após o banho e, em seguida, uso o óleo de coco como hidratante, cerca de 5 minutos mais tarde. Não pode haver cremes hidratantes na pele, antes da aplicação do óleo de magnésio.


8 borrifadas equivalem a aproximadamente 100 mg de magnésio elementar na pele (fonte).

OBS: Caso não tenha a água destilada, utilize a filtrada, mas faça em quantidade menor (1 sachê de cloreto de magnésio P.A. para 1/4 de xícara de água filtrada ou 59 ml) e conserve-o na geladeira (em frasco de vidro escuro).


Para saber sobre a suplementação oral do magnésio, clique aqui.


Para saber sobre as vantagens do uso do magnésio transdérmico X oral, clique aqui.

Possuo um grupo fechado no Facebook, caso queiram participar cliquem em: https://www.facebook.com/groups/1549025805353560/

Fontes:


http://wellnessmama.com/5804/make-your-own-magnesium-oil/


http://www.foodrenegade.com/how-make-magnesium-oil/


http://emporiosaudeevida.com.br/produto/cloreto-de-magnesio-pa-ifal-33g/


http://www.radiantlifecatalog.com/product/ancient-minerals-magnesium-bath-flakes/salts-minerals/?a=58535


http://boaspraticasfarmaceuticas.blogspot.com.br/2014/09/terapia-transdermica-de-magnesio.html


http://amigosdacura.ning.com/profiles/blogs/super-mineral?xg_source=msg_mes_network

https://www.foodgeeks.com/resources/conversion_charts

domingo, 13 de setembro de 2015

Epilepsia


Tradução do artigo do Ph.D, M.S. e editor do Serviço de Notícias da Medicina Ortomolecular (Orthomolecular Medicine News Service)Andrew Saul.

"Em caso de dúvida, tente primeiro a nutrição."

(Roger J. Williams, PhD, em Nutrição Contra a Doença)

"A maioria dos epilépticos possuem deficiência de magnésio. Eu gostaria de ter descoberto isso há 40 anos. Agora, posso até dirigir um carro e andar de bicicleta. É tão maravilhoso não ter mais ataques, além de não ter que depender de medicamentos o tempo todo e é claro, ser livre de efeitos colaterais de medicamentos".

Sarah e seu noivo Richard queriam ter filhos assim que eles se casaram. Sarah tinha acabado de ser diagnosticada com epilepsia, no entanto, foi prescrito Fenobarbital como seu tratamento. Ela e Richard leram sobre o medicamento, e agora sabiam, assim como o seu médico, que a gravidez enquanto se toma um barbitúrico não era ideal.

"Então, nós queremos investigar outras opções", disse Sarah para mim no escritório. "Vitaminas poderiam substituir o medicamento (remédio)?"

"Eu não tenho certeza", disse. "Minha mãe foi medicada para grande mal epiléptico por mais de 50 anos agora e é realmente um "tiro no escuro" pensar que um nutriente poderia ser suficiente. Ainda assim, Sarah, você tem a vantagem de ser jovem. Há evidências de que a epilepsia em adolescentes pode estar conectada com a deficiência de magnésio. Você fez exames de sangue? "

"Ah, sim", disse ela. "Toneladas deles, e aqui está o último."

Ela me entregou uma cópia. Ninguém tinha sequer pesquisado sobre a concentração sérica de magnésio.

"O.K. então", eu disse. "Peça ao seu médico para verificar seus níveis de magnésio no sangue, e me informe sobre o que ele descobrir."

Então, ele verificou. Os níveis séricos de magnésio de Sarah eram tão baixos que, na verdade, eram imensuráveis.

"O médico ficou um pouco surpreso com isso", disse Sarah na próxima vez que nos falamos. "E agora?"

"Vamos tentar uma grande quantidade de magnésio, começando com um suplemento de 800 miligramas por dia. Isso é pouco mais de duas vezes a RDA (Recommended Dietary Allowance), por isso não é exorbitante. Então você pode aumentar esta dose, gradualmente, a partir daí, se necessário. Você vai saber se você está tomando muito: o maior efeito colateral do excesso de magnésio é a diarreia. Você já ouviu falar do leite de magnésia "?

"O laxante, com certeza."

"Esse (o leite de magnésia) é uma solução de magnésio. A suplementação do magnésio será melhor absorvida, no entanto. Especialmente se você a fizer da forma correta, tome-o muitas vezes, e você realmente precisa dele. Então, seu corpo irá absorvê-lo como uma esponja. Tente o citrato de magnésio (magnesium citrate) ou magnésio gluconato (magnesium gluconate). Divida a sua dose diária em quatro ou mais doses, no mínimo. Então, vamos ver o que que acontece. "

Poucas semanas depois, nos reencontramos. Sarah trouxe novos resultados de exame de sangue. Seu nível de magnésio mal pôde ser mensurável ... e ela estava tomando 1.200 mg por dia.

"Nossa! Para onde está indo tudo isso?" Perguntou Sarah. "Eu não tive diarreia nenhuma vez."

"Seu corpo, evidentemente, está utilizando o magnésio. Isso sugere que você apresenta uma deficiência real e há bastante tempo (de magnésio). Naturalmente, quase 99% das mulheres jovens nem sequer tomam a RDA dos EUA (de magnésio). Mas sua dose é muito superior a esta (RDA). Você possui uma necessidade especial deste mineral. Os exames confirmam isto ".

"Mas os níveis de magnésio no sangue não deveriam ter aumentado um pouco mais do que isso?" Sarah disse.

"Você poderia achar que sim, mas não necessariamente. Você é bem mais do que o seu sangue, por mais importante que o sangue seja. Os testes sorológicos não indicam quanto disto ou daquilo está realmente dentro das células do seu corpo. Existem, afinal, cerca de 40 trilhões delas. O magnésio está envolvido em mais de 2.000 reações químicas em todo o seu corpo. Ele é necessário em todos os lugares e sempre. Curiosamente, as células podem apresentar uma quantidade criticamente baixa de magnésio e de alguns minerais e, muitas vezes, ainda serem detectados no sangue. No seu caso, é ao contrário. Agora que você está fazendo suplementação de magnésio, as células devem estar conseguindo obtê-lo, e não sobrou muito dele no sangue que o transporta. Há uma grande quantidade de caminhões-tanque em suas rodovias, mas eles estão vazios. A carga foi entregue e agora há combustível em cada casa ".

"Portanto, parece que eu preciso de mais magnésio do que a maioria das pessoas", disse Sarah. "Bem, se eu tomar bastante do mesmo, vou precisar de menos remédio?"

"Essa é a ideia. Faça isto com o acompanhamento do seu médico. Você poderia perguntar-lhe se ele consideraria tentar diminuir gradualmente a sua dose de fenobarbital para a dose mínima que a deixe sem sintomas."

Ela o fez, e ele o fez. Sarah acabou tomando a dose menor possível do medicamento e uma dose muito alta de manutenção de magnésio. Esta não foi uma vitória esmagadora da nutrição, mas ela gera um bem maior: um corpo bem nutrido pode precisar de pouquíssima medicação. Quais são as consequências a longo prazo de milhões de americanos que tomam doses menores de cada um de seus muitos medicamentos? Pessoas saudáveis, uma maior segurança e uma poupança maior. Apenas as empresas farmacêuticas poderiam objetar contra isso.

E eles objetam, é claro. A Food and Drug Administration (Administraçãodo Alimento e Medicamento) dos Estados Unidos compartilha da preocupação da indústria que poderia perder seu monopólio terapêutico. Aqui está uma citação direta do vice-comissário de Política da FDA, David Adams, na Reunião Anual da Associação de Informação de Medicamentos, em 12 de julho de 1993:

"Preste muita atenção ao que está acontecendo com suplementos alimentares (vitaminas, minerais e outros) na arena legislativa ... Se esses esforços forem bem sucedidos, poderia ser criada uma classe de produtos que competiriam com medicamentos aprovados. A criação de uma categoria separada para regulamentar os suplementos poderia minar a exclusividade dos direitos de que gozam os titulares de diligências de medicamentos aprovados. "

E uma citação do Relatório da Força Tarefa Dietética da FDA, lançada em 15 de junho de 1993:

"A força-tarefa considerou muitas questões nas suas deliberações, incluindo garantir que a existência de suplementos alimentares no mercado não ajam como um desincentivo para o desenvolvimento de medicamentos."

Quando foi a última vez que você viu um calendário, caneta, anúncio ou blocos de prescrição na mão de seu médico que tinham escritos "magnésio" neles?

Continue procurando. Haverá um no consultório de algum charlatão, sem dúvida.

Ou não. Dr. LB. Barnett fazia isto há 40 anos. Ele escreveu "Os Estudos Clínicos da Deficiência de Magnésio na Epilepsia" (Clinical Studies of Magnesium Deficiency in Epilepsy), publicado na Fisiologia Clínica 1 (2) (Clinical Physiology), no outono de 1959. Mas quem se preocupa com papéis antigos? Nossa sociedade prefere lâmpadas novas às antigas. Novos medicamentos invariavelmente substituem os minerais antigos. Infelizmente, quando a velha lâmpada ou a pesquisa antiga podem conter o gênio dentro delas (gênio da lâmpada mágica).

Vitamina E para a Epilepsia

Crianças que usam o medicamento anti-epiléptico têm seus níveis plasmáticos de vitamina E reduzidos, um sinal de deficiência de vitamina E. Assim, os médicos da Universidade de Toronto deram à crianças epilépticas 400 UI de vitamina E por dia, durante vários meses, juntamente com a sua medicação. Este tratamento combinado reduziu a frequência de convulsões na maioria das crianças em mais de 60 por cento. Metade delas "tiveram uma redução de 90 a 100 por cento nas convulsões." (33). Este resultado extraordinário é também a prova da segurança de que crianças podem tomar 400 UI de vitamina E por dia (equivalente a pelo menos 800 a 1200 UI / dia para um adulto). "Não houve efeitos colaterais adversos", disseram os pesquisadores. Isto também fornece um exemplo claro de que o uso de medicamentos provocam de uma deficiência de vitamina e é uma justificativa indiscutível para a suplementação. (Ogunmekan AO, Hwang PA - Um estudo clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo do acetato de D-alfa-tocoferol (vitamina E), como terapêutico adjuvante para a epilepsia em crianças. Epilepsia. 30 de janeiro-fevereiro de 1989 (1): 84-9).

Outro Caso

No início de 2005, eu li um artigo escrito por você sobre magnésio e convulsões, em que magnésio foi utilizado para reduzir os medicamentos e ainda controlar as convulsões. Honestamente, eu não acreditei que fosse possível acabar com as minhas crises. Eu fui diagnosticado com epilepsia quando era criança. Eu vinha tendo convulsões da Epilepsia tipo Pequeno Mal (também chamada de crise de ausência ou convulsões psicomotoras). Quando tinha 16 anos, tive a minha primeira convulsão do lobo temporal. Então, eu estava tomando 2 medicamentos para 2 tipos de convulsões. Então, comecei a ter convulsões de Epilepsia tipo Grande Mal e agora tomava 3 remédios. Quando tinha 19 anos, eu decidi fazer o curso técnico em eletroencefalograma (EEG). Minha motivação era que eu queria ver se havia quaisquer tratamentos para a epilepsia. Meus pais e eu havíamos sido informados por neurologistas do Canadá, Inglaterra, e dos Estados que eu teria que tomar medicamentos para o resto da minha vida. E meus pais foram informados de que eu era retardado...e que todos os epilépticos eram retardados.

Fui treinado em dois hospitais universitários afiliados com universidades no Canadá. Não havia nada na medicina alopática para a epilepsia, exceto drogas (remédios) e possivelmente cirurgia, no futuro. Tomei remédios por 49 anos, e isso está bem documentado, pois eu fazia EEGs a cada ano ou dois.

Por causa do que eu aprendi, comecei a usar o cloreto de magnésio transdérmico diariamente em meus pés em banheiras, além de, ocasionalmente, deixar os pés de molho na água com o mesmo também. Eu tinha uma coisa chamada neuropatia periférica em meus pés. Nessa fase, tinha perdido a maior parte da sensibilidade em meus pés, além de que também estava tendo dores muito fortes nos mesmos durante a noite. Eu estava muito preocupado em acabar em uma cadeira de rodas.

Eu não tenho mais a neuropatia periférica - que demorou quase dois anos para voltar a ter toda a sensibilidade novamente em meus pés. Observei, durante este tempo, que eu não estava tendo tantas convulsões - minhas convulsões do lobo temporal e do Grande Mal haviam sido controladas em sua maior parte, mas não as minhas convulsões do Pequeno Mal, a menos que tomasse uma dose tão alta de medicamentos que me deixavam literalmente drogado, fora de mim. Comecei a tomar magnésio oral e a vitamina B6 diariamente. E ao mesmo tempo, eu estava diminuindo os medicamentos que tomava. Funcionou. Não tomei mais nenhum medicamento desde o dia 3 de outubro de 2007, e eu não tive mais quaisquer convulsões de qualquer tipo.

Um dos sintomas da deficiência de magnésio é a convulsão, e de acordo com estudos que li, a maioria dos epilépticos possuem deficiência de magnésio. Eu gostaria de ter descoberto isso há 40 anos. Agora, posso até dirigir um carro e andar de bicicleta. É tão maravilhoso não ter mais convulsões, não ter que depender de medicamentos o tempo todo e, é claro, ficar livre dos efeitos colaterais dos remédios.

Estou tão emocionado que estou nas nuvens - o mais maravilhoso é que posso dizer que é possível para qualquer pessoa que tem convulsões, livrar-se delas, se ela apenas elevar seus níveis de magnésio. Uma vez que alguns medicamentos reduzem os níveis de magnésio, não é de se admirar que para muitos epilépticos suas convulsões piorem com o tempo.

Quando fui treinado como um técnico de EEG, foi-nos dito que quando uma célula nervosa (neurônio) tornava-se irritada, emitia uma grande descarga extra elétrica e isto é o que causava uma convulsão. O tipo de convulsão dependia da parte do cérebro onde a descarga de eletricidade se originava, bem como para quão distante do tronco cerebral que a descarga de eletricidade se direcionava.

O magnésio parece acalmar os neurônios irritados e evita grandes descargas extras de atividade elétrica. Há uma pegadinha nisso - é difícil de conseguir elevar os níveis de magnésio e o magnésio oral, por si só, pode não ser suficiente. Quando eu sugiro a alguém tentar elevar seus níveis de magnésio, seja por causa de convulsões, problemas de coração, enxaquecas, pressão alta, etc., a maneira mais fácil e mais segura de elevar os níveis de magnésio é a intravenosa, ou com injeções de cloreto de magnésio, ou com o cloreto de magnésio transdérmico.

Direitos autorais C de 2007, 1999 e anos anteriores de Andrew W. Saul.

Andrew Saul
 é o autor dos livros FIRE YOUR DOCTOR! How to be Independently Healthy (avaliações do leitor em http://www.doctoryourself.com/review.html) e DOCTOR YOURSELF: Natural Healing that Works. (revisto em http://www.doctoryourself.com/saulbooks.html)


Para obter informações sobre pedidos, clique aqui (em inglês).

Observações minhas, Sílen:
  • A vitamina E mais eficaz, segundo estudos é a natural e é ainda melhor com tocoferóis mistos. Esta é a que tomo e é excelente (dura 6 meses), mas não consegui encontrá-la no Brasil. Talvez consiga manipulá-la em farmácias de manipulação (vitamina E natural ou tocoferol 400 UI com tocoferóis mistos).
  • No Brasil, é barato e mais fácil de ser encontrado o cloreto de magnésio P.A. Segundo Dr. Lair Ribeiro, 90% da população brasileira é deficiente em Magnésio. Ele tem ação direta na produção de ATP, a molécula de energia do corpo, no funcionamento do músculo cardíaco, na absorção de cálcio por ossos e dentes, no relaxamento de vasos sanguíneos e muscular, na função intestinal e em muitos outros órgãos e tecidos.
Compre o cloreto de magnésio de 33 g (P.A.) em farmácias comuns (não são todas que o vendem) ou de manipulação e o dilua em 1 litro de água filtrada e tome 2 ou mais cálices (copo de vodka de 50 ml) ao dia. Mantenha esta água na geladeira em garrafa de vidro. Devemos aumentar a dose gradativamente, até que solte o intestino, então devemos reduzi-la para a dose anterior para que não haja este efeito laxativo e esta será a dose adequada diária. Caso queira comprar o cloreto de magnésio P.A. pela internet,segue um link de vendedor confiável aqui ou caso não goste daquela água salgada, segue um link do cloreto de magnésio P.A. em cápsulas (60 cápsulas de 500 mg cada) de uma loja confiável (ebit prata) aqui.

33 g de cloreto de magnésio P.A. contém 3,95 g ou 3950 mg de magnésio elementar. Logo, diluindo 33 g em 1 l de água filtrada, teremos 3950 mg de magnésio elementar em 1 l. Para que possamos ingerir 800 mg por dia de magnésio elementar, teremos que tomar 200 ml desta solução. Para uma melhor absorção é melhor que esta dose seja dividida, no mínimo em 4 vezes (ao londo do dia, por exemplo: ao acordar, no almoço, jantar e antes de dormir) de 50 ml.
OBS: Cálculo realizado anteriormente:

3950 mg (de magnésio elementar)..........1000 ml (1l de água)
800 mg......................................................x
Logo, por regra de 3: 
3950*x=800*1000
x=800000/3950
x=202 ml.

Atenção: Doses muito altas podem ter efeito laxativo, porém é só reduzir um pouco a sua quantidade para reequilibrar o organismo.
  • Para informações de como preparar e aplicar o magnésio transdérmico, clique aqui. Se fizer o uso do cloreto de magnésio transdérmico e oral terá que equilibrar suas doses, dividi-las (metade via oral e metade transdérmica), pois o mesmo será também assimilado através da pele pelo organismo. Aumente a dose oral e transdérmica gradativamente (dia após dia, aos poucos), até que solte um pouco o intestino, então, sua dose ideal será a anterior a essa.
  • Esta vitamina B6 é excelente. 
  • A dose de vitamina B-6 de 500 miligramas (mg) por dia é muito segura (para adultos). A dosagem diária de vitamina B-6 de mais de 2.000 mg, ocasionalmente causou sintomas neurológicos temporários em algumas pessoas. Mas isso só acontece, acima dessa dose, se a piridoxina (vitamina B-6) for tomada sozinha, ou de forma desproporcional às outras vitaminas do complexo B. O complexo B, tomado em conjunto, possui toxicidade quase inexistente (fonte). Assumindo que a dose de 500 mg é calculada para um adulto de peso médio de 70 kg, para uma criança com metade deste peso, 35 kg, a dose seria de 250 mg (500/2).
  • Homeopatia para Epilepsia
Fonte:

http://www.doctoryourself.com/epilepsy.html

terça-feira, 24 de março de 2015

Dieta Cetogênica no Tratamento do Câncer, Epilepsia, Mal de Alzheimer, Diabetes e Emagrecimento


Editado em 20/06/2015.

O Dr. Dominic D'Agostinho é um professor assistente da Universidade do Sul da Flórida, ele e sua equipe de pesquisadores após realizarem estudos em ratos utilizando a Dieta Cetogênica, usaram esta para tratar crianças epiléticas e com câncer com sucesso. Ele trata diversas pessoas com câncer com esta dieta e estas estão aumentando muito sua sobrevida, inclusive, há um caso de um paciente com câncer terminal que tinha apenas três meses de vida e este continua bem após um ano desta dieta (caso do vídeo da CBN News logo abaixo). Assisti a vídeos do Dr. D'Agostino e pela primeira vez encontrei um artigo em nosso idioma que retrata com veracidade a Dieta Cetogênica. Então, decidi postá-lo em meu blog, após ter visto várias pessoas e sites distorcendo esta dieta. E o Dr. Mercola também a recomenda! 

No meu blog há também um post - Por que a Medicina não Permitirá a Cura do Câncer e as 12 Principais Estratégias de Prevenção ao Câncer - traduzido do site do Dr. Mercola que contém uma entrevista com o Dr. D'Agostino (em inglês).
Há outras fontes de consulta confiáveis presentes no site da CBN News (em inglês) sobre a dieta cetogênica utilizada para o tratamento do câncer - Matando o Câncer de fome: Dieta Cetogênica a Chave para uma Recuperação (aqui em inglês) e para tratar epilepsia - Dieta Cetogênica: Comidas Gordurosas Curam Epilepsia? (aqui em inglês). 
Cuidado com produtos diet e com os adoçantes (edulcorantes) artificiais, o único aconselhável é a Stevia natural em pó (verde), todos os demais são nocivos (fontes aqui e aqui).

Segue agora o texto encontrado no site: http://primalbrasil.com.br/dieta-cetogenica-no-tratamento-do-cancer/
Uma das pesquisas mais interessantes que apareceram nos últimos anos a respeito da dieta cetogênica e low carb tem sido na área de tratamento de câncer. 
Uma dieta cetogência é rica em gorduras, baixa em carboidratos e moderada em proteínas, que foi desenvolvida inicialmente em 1920 no Hospital John Hopkins para tratar a epilepsia. Algumas crianças com convulsões tiveram muito sucesso com a dieta, frequentemente quando os remédios não tiveram sucesso.
Hoje, os princípios da dieta cetogênica, principalmente usando o óleo de coco como a gordura principal estão sendo usando para tratar doenças neurológicas, como Alzheimer, assim como no tratamento de câncer, com sucesso.
A motivação principal para desenvolver drogas que imitem o efeito da dieta é porque é considerado “difícil” seguir a dieta. Nós temos toda uma geração agora que é viciada em açúcar e carboidratos refinados, então se cada um puder tomar um remédio ao invés disso, isso é visto como preferencial.
apple pie
Infelizmente, os princípios da dieta cetogênica já foram de conhecimento comum no passado, como mostra em um clip popular nos anos 60, com o show de Andy Griffith. A torta de maçã da Tia Bee é vista como algo que temos consumir com moderação ou mesmo não consumir, por causa dos perigosos “carboidratos e glicose”, enquanto o bolo de carne é visto como saudável.
O texto abaixo foi uma tradução do site Examer que encontrei no site: http://primalbrasil.com.br/dieta-cetogenica-no-tratamento-do-cancer/ realizada por Bruna e Caio.

Mulher luta contra câncer no cérebro fatal usando dieta cetogênica low carb sem quimio

Alix Hayden tem câncer cerebral, mas ao invés de se submeter à cirurgia e quimioterapia, ela está lutando com uma dieta cetogênica, baixa em carboidratos e alta em gordura e tem tido sucesso até então.
Em uma entrevista exclusiva, Hayden discutiu a sua terapia metabólica e como navegar pelo câncer com uma atitude positiva.
Alix, diretora de operações em uma firma de pesquisa bioquímica “Phenomenome Discoveries” em Sasktoon, Canada, foi diagnosticada com câncer cerebral em agosto de 2012.
Ela tem seguido uma dieta cetogênica (que é bem restrita em carboidratos, alta em gordura e moderada em proteína) desde fevereiro de 2013, que segundo o Dr. Dominic D'Agostino, faz com que as células cancerígenas morram de fome.
Alix
Isto ocorre porque as células do nosso organismo podem usar tanto gordura quanto glicose (um carboidratos), mas as células cancerígenas dependem de glicose e não podem sobreviver com os corpos cetônicos. Então, ao limitar os carboidratos – que se transformam em glicose no organismo – nós matamos de fome as células do câncer.
“Quando nós restringimos os carboidratos na nossa dieta, nós podemos prevenir picos de glicose e insulina no sangue, que são pró- inflamatórios”, explicou D’Agostino, que tem um PhD em fisiologia e neurociência.
“A supressão de glicose sanguínea e picos de insulina pode ser muito eficaz quando lidamos com doenças crônicas.”
“Carboidratos são devastadores para o cérebro”
Uma dieta cetogênica já se provou efetiva em produzir uma perda de peso rápida, no tratamento de epilepsia e protegendo a saúde cerebral. O neurologista Dr. David Perlmutter, autor do livro Dieta da Mente, me disse que a dieta cetogênica previne – e em alguns casos reverte – a doença de Alzheimer e ADHD (déficit de atenção e hiperatividade).
Carboidratos são devastadores para o cérebro”, disse o Dr. Perlmutter “Mesmo pequenas elevações no açúcar sanguíneo tem sido demonstradas em aumentar o risco de Alzheimer”.
Dr. Jeff Volek, autor do The Art and Science of Low-Carbohydrate Living – “A Arte e Ciência de Viver com Poucos Carboidratos”, sem tradução no Brasil, me disse que as dietas cetogênicas aceleram a perda de peso, revertem a diabetes tipo 2 e previnem doenças cardíacas e câncer.
“Existem muito poucas pessoas que não podem ser ajudadas por uma dieta cetogênica” – Dr. Volek.
O tumor de Alix não se espalhou
A dieta de Hayden é aproximadamente 65% gordura, 30% proteína e 5% carboidratos. O seu tumor cerebral não ficou menor desde que ela começou a dieta cetogênica, mas também não aumentou – o que é um ótimo sinal.
Alix, que em seus trinta anos, faz um MRI a cada seis meses e está postergando a quimioterapia e radiação, já que seu tumor cerebral foi classificado como de crescimento lento. Hayden criou um blog chamado Greymadder para contar seu processo de recuperação do câncer, o que a tornou um tipo de celebridade de Internet.

Pergunta: Você tem seguido a dieta cetogênica há mais de um ano agora, para tratar o seu câncer. Como você está se sentindo?

Eu me sinto muito bem. Eu experimentei um período de ajuste, cerca de duas semanas quando eu comecei a dieta cetogênica, que me pareceu como se estivesse com gripe. Depois disso, eu fiquei chocada como minha energia retornou rapidamente.
Como sempre tivemos um interesse em saúde e fitness, meu marido e eu ficamos surpresos ao observar as mudanças na minha gordura corporal, ao ver os níveis de cetose mantidos no meu sangue, assim que eu me adaptei à dieta. Depois de sete meses seguindo a dieta, meu marido olhou para mim e disse: “Sabe, eu acho que você está, sem dúvidas, mais saudável do que era há um ano, mesmo considerando o tumor cerebral!”

Pergunta: Por que você decidiu seguir a dieta cetogênica para tratar o seu câncer?

Após seis meses do meu diagnóstico, eu comecei a procurar sobre intervenções ligadas ao estilo de vida. Eu trabalho com pesquisas bioquímicas, em câncer, e por alguns meses após o meu diagnóstico eu me senti como se minha máquina mental estivesse parada.
Eu sei, pelo trabalho na minha empresa, que a dieta e estilo de vida afetam os fatores metabólicos e que esses tem um efeito direto na saúde e nos riscos de saúde. Eu sabia que as intervenções no estilo de vida têm tanto efeito no tratamento e prevenção quanto outras modalidades, só me levou um tempo para fazer algo sobre isso.
Assim que eu comecei a pesquisar online, eu acabei encontrando o trabalho do Dr. Thomas Seyfried, da Universidade de Boston, que pareceu um pregador para o meu coro. Ele publicou um trabalho sobre o câncer como uma disfunção metabólica e ao ler o trabalho dele, fui levada a ideia de usar a dieta cetogênica para tratar do câncer, particularmente, o câncer cerebral.

Pergunta: Seus médicos tem alguma opinião sobre sua terapia por meio da dieta?

Não. Eu contei a todos os meus médicos, meu oncologista, meu neurocirurgião, meu neurologista, sobre a minha dieta. Eu não pedi ajuda a eles ao adotá-la, eu simplesmente comecei devagar e senti que tinha boas informações o suficiente para tratar disso sozinha. Eu também não estava fazendo nenhum outro tratamento naquela época.
Eu estou em um programa de “espera assistida”, desenhado para monitorar a progressão do tumor, então eu estava em uma posição onde eu não precisava ficar preocupada com os efeitos do tratamento. Um dos meus médicos, quando eu contei o que estava fazendo após alguns meses, disse: “Nós todos podemos nos beneficiar em cortar o açúcar”. Foi essa a extensão da minha conversa com os médicos sobre isso.
CTA-principal4

Pergunta: Como é um dia típico das suas refeições?

Normalmente, eu começo o meu dia com um bom café da manhã, com um café ou um café gelado suplementado com óleo MCT ou óleo de coco e creme de leite fresco. Junto com isso, eu consumo umas quatro fatias de bacon e meio abacate, ou iogurte grego integral.
Eu frequentemente faço um muffin de linhaça que fica pronto rápido no forno, o qual consumo metade como um lanche da manhã. O almoço é tipicamente uma salada com peixe ou frango. Os lanches costumam ser macadâmias ou queijo. O jantar envolve algum tipo de carne, os cortes gordos de preferência, e geralmente dois tipos de vegetais verdes, por exemplo, espinafre salteado e uma salada, com um arroz de couve flor de acompanhamento. Eu faço salteado na manteiga, e no final do dia tomo uma bebida quente com creme ou uma bebida fria contendo mais óleos.

Pergunta: Você me parece tão animada. Como você mantém uma atitude positiva durante estes tempos difíceis?

Eu acredito que eu seja muito sortuda, por ser uma pessoa positiva naturalmente. Minha situação é uma em que este padrão de espera pode continuar (e espero que continue) por um bom tempo, então eu tentei me ajustar para um novo normal e entender que eu não estou “mais doente” do que eu estava há dois anos, eu já tinha o tumor naquela época, eu simplesmente não sabia.
Eu tento não ver isso como uma mudança fundamental da minha identidade como uma mulher de sucesso com uma carreira e uma família querida. Ás vezes eu tento ignorar ou esquecer. Ás vezes funciona melhor brincar sobre isso. Ás vezes é assustador e esmagador e eu tenho que começar tudo de novo.

Pergunta: Você tem algum conselho para outros pacientes com câncer que podem estar considerando a dieta cetogênica?

Eu sempre recomendo que todo mundo faça sua própria pesquisa, e converse com seus médicos e, é claro, considere quanto a mudança na dieta pode afetar os tratamentos vigentes. Existem bons profissionais alimentares que irão ajudar e oferecer conselhos, existem alguns disponíveis online (nos EUA) que se especializam em alimentação para o câncer. É provavelmente mais responsável buscar a ajuda e conselhos de um especialista.
Mas principalmente, eu penso que nos temos que ser responsáveis pelos nossos próprios caminhos na vida, e finalmente, é a sua vida, você deve fazer o que julga ser correto e confiável e não ser desencorajado pelos negativistas. Tomar ação é bom. Tomar controle é bom. Eu posso apenas falar pela minha experiência, mas eu me sinto mais saudável com esta dieta, e isso é bom.
Fontes: