Publicidade

Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Diabetes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Diabetes. Mostrar todas as postagens

domingo, 25 de setembro de 2016

Diabetes Tipo 2: Quase 100% de Cura

Diabetes
Por Dr. Mercola

A maioria dos diabéticos encontra-se em um buraco escuro de desamparo, sem nenhuma ideia sobre como reverter seu problema. A maior preocupação é que mais da metade das pessoas com diabetes tipo 2 NEM sabem que têm diabetes — e 90% das que têm um problema chamado pré-diabetes também não sabem da sua situação.

 

Diabetes tipo 1 e dependência da insulina


Também conhecido como diabetes mellitus, o diabetes tipo 1 é um problema de saúde crônico caracterizado por níveis elevados de glicose no sangue, geralmente chamado de "nível alto de açúcar no sangue".

O diabetes tipo 1, apelidado de "diabetes juvenil", é um tipo relativamente raro. Ele ocorre em pessoas com menos de 20 anos e não tem nenhuma cura conhecida.
O que mais preocupa sobre o diabetes juvenil é que esses números têm crescido continuamente, juntamente com o diabetes tipo 2. Em jovens brancos não hispânicos de 10 a 14 anos, as taxas aumentaram 24% nas últimas décadas.
Mas isso foi ainda maior em crianças negras, a taxa aumentou 200%! E, segundo estudos recentes, esses números devem duplicar até 2020 em todos os jovens.

No diabetes tipo 1, o próprio sistema imunológico destrói as células do pâncreas que produzem insulina. O resultado é a perda do hormônio insulina. Os diabéticos tipo 1 precisam receber suplemento de insulina pelo resto de suas vidas, caso contrário, a morte virá rapidamente. Atualmente, além do transplante de pâncreas, não há nenhuma cura conhecida para o diabetes tipo 1.

 

Diabetes tipo 2: quase 100% de cura


O tipo de diabetes mais comum é o tipo 2, que afeta 90 a 95% dos diabéticos. Neste tipo, seu corpo produz insulina mas não consegue reconhecer e usá-la adequadamente. É considerado um estágio avançado de resistência à insulina. A resistência à insulina permite que a glicose no seu corpo aumente e cause diversas complicações.

Os sinais do diabetes podem estar todos ali, mas o fato geralmente ignorado é que o diabetes tipo 2 pode ser totalmente prevenido e quase 100% curável. Alguns dos sinais que você pode ser diabético são:
  • Sede em excesso
  • Extrema fome (mesmo após comer)
  • Náusea e possíveis vômitos
  • Ganho ou perda de peso incomum
  • Maior fadiga
  • Irritabilidade
  • Visão turva
  • Cicatrização lenta de feridas
  • Infecções frequentes (cutânea, urinária e vaginal)
  • Dormência ou formigamento nas mãos e/ou pés

Informações erradas sobre o diabetes


O diabetes NÃO é uma doença do açúcar no sangue, mas uma doença de sinalização de insulina e leptina que evolui com o passar do tempo, indo primeiramente para um estado de pré-diabetes e depois para o diabetes total, se jamais verificado.

Um dos motivos por que a medicina popular falha no tratamento do diabetes com quaisquer substâncias que não sejam comprimidos ou injeções de insulina – e às vezes até piora – é porque ela se nega a agir na causa básica. A sensibilidade à insulina é crucial neste quesito.

O objetivo do pâncreas é produzir o hormônio insulina e secretá-lo no fluxo sanguíneo, ajustando, assim, os níveis de glicose aos níveis que seu corpo precisa para viver.

A função da insulina, então, é agir como uma fonte de energia para suas células. Em outras palavras, você PRECISA de insulina para viver e, geralmente, o pâncreas faz o trabalho de fornecer a quantidade certa para o seu corpo. Mas alguns fatores de risco e outras circunstâncias podem colocar em risco o funcionamento correto de seu pâncreas.

 

Fatores de risco do diabetes tipo 2 (Fonte: The National Diabetes Education Program)

  • 45 anos ou mais
  • Sobrepeso ou obesidade
  • Histórico familiar de diabetes
  • Hipertensão
  • Inatividade física
  • Depressão
  • Histórico de diabetes gestacional
  • Doença cardiovascular aterosclerótica
  • Níveis de HDL inferiores a 35 mg/dL
  • Triglicerídeos em jejum acima de 250 mg/dL
  • Tratamento com glicocorticoides e antipsicóticos atípicos
  • Apneia obstrutiva do sono
  • Determinadas condições de saúde relacionadas à resistência à insulina
  • Membro da população de alto risco (afro-americano, hispânico/latino, nativo ou americano asiático)

Se você tiver um ou mais desses fatores de risco ou se seus níveis de glicose no sangue forem altos, você será testado para diabetes e terá´que tomar insulina, seja em comprimido ou injeção — e, às vezes, ambos.
 
Seu médico dirá que o objetivo de tomar essas injeções ou comprimidos é baixar o nível de açúcar no sangue. Ele pode até mesmo explicar a você que isso é necessário porque a regulação de insulina exerce um papel importante na sua saúde e longevidade.
Talvez também diga que os níveis elevados de glicose não são apenas sintomas do diabetes, mas também de doenças cardíacas, doenças vasculares periféricas, derrame, pressão arterial alta, câncer e obesidade.
E, é claro, seu médico terá razão em tudo isso.
Mas será que ele iria além dessa explicação para lhe dizer qual a participação da leptina nesse processo? Ou que quando seu corpo desenvolve a resistência à leptina você está a caminho do diabetes, se é que não chegou lá?
Provavelmente não.


 

Diabetes e resistência à leptina e insulina

 
A leptina é um hormônio produzido nas células de gordura. Uma das suas principais funções é regular o apetite e o peso corporal. Ela avisa o cérebro quando comer, o quanto comer e quando parar de comer, e é por isso que é chamado de "hormônio da saciedade". 
Ele avisa seu cérebro o que fazer com a energia contida. 
Não muito tempo atrás, descobriu-se que os ratos sem leptina ficaram muito obesos. De modo semelhante, nos humanos, quando você se torna resistente à leptina, isso imita a deficiência de leptina e é muito fácil ganhar peso rapidamente.
 
Você pode agradecer a descoberta da leptina e sua função no corpo a Jeffrey M. Friedman e Douglas Coleman, dois pesquisadores que descobriram esse hormônio em 1994. O interessante é que Friedman deu o nome leptina com base na palavra grega "leptos", que significa "magro", depois de ter descoberto que os ratos que receberam a injeção de leptina sintética ficaram mais ativos e perderam peso.
 
Mas quando Friedman também descobriu que as pessoas obesas têm níveis muito elevados de leptina no sangue, ele viu que havia algo mais. E esse “algo mais” era que a obesidade pode causar resistência à leptina — em outras palavras, o caminho sinalizador da leptina é torto nas pessoas obesas, fazendo com que o corpo produza excesso de leptina assim como a glicose quando você tem resistência à insulina.
Friedman e Coleman também descobriram que a leptina é responsável pela sinalização da precisão de insulina e de sua resistência à insulina.
Portanto, a função principal da insulina NÃO é diminuir o nível de açúcar no sangue, mas armazenar energia extra (glicogênio, um amido) para o consumo atual e futuro. Sua capacidade de reduzir o açúcar no sangue é simplesmente um "efeito colateral" desse processo de armazenamento de energia.
No final das contas, isso quer dizer que o diabetes é uma doença da insulina e do mau funcionamento na sinalização de leptina.
E é por isso que "tratar" o diabetes, enfocando apenas a redução do nível de açúcar no sangue pode ser uma abordagem perigosa. Ela simplesmente não trata do problema real de erro de comunicação metabólica que acontece em todas as células do corpo quando os níveis de leptina e insulina são afetados e param de funcionar juntos do modo como deveriam.
Tomar insulina pode até mesmo significar um problema maior para alguns pacientes com diabetes tipo 2, uma vez que irá piorar a resistência à leptina e insulina com o passar do tempo. A única maneira conhecida de restabelecer a sinalização correta de leptina (e insulina) é por meio da alimentação.
E eu prometo, sua alimentação pode ter uma influência mais significativa sobre a saúde do que qualquer outra droga ou modalidade de tratamento médico conhecida.

 

Frutose: a força propulsora por trás do diabetes e da obesidade

 
O Dr. Richard Johnson, chefe do departamento de Nefrologia na Universidade de Colorado, é especialista em resistência à leptina e seu papel em torná-lo diabético. O Dr. Johnson tem sido um colaborador importante em meus artigos sobre açúcar, obesidade e diabetes. Seu livro, The Fat Switchacaba com vários mitos antigos sobre a alimentação e a perda de peso.
O Dr. Johnson explica como o consumo de frutose ativa uma potente chave biológica que faz com que ganhemos peso. Metabolicamente, este é um recurso altamente benéfico que permite que várias espécies, incluindo as pessoas, sobrevivam a tempos de escassez de comida.
Infelizmente, se você vive em um país desenvolvido atualmente, onde a comida é abundante e facilmente disponível, essa chave de gordura perdeu sua vantagem biológica, e, em vez de ajudar várias pessoas a viver mais tempo, ela funciona de modo prejudicial, matando-os prematuramente.
Talvez você tenha interesse em saber que a "morte por açúcar" não é um exagero. A impressionante quantidade de frutose na dieta padrão é um fator importante no aumento das taxas de diabetes neste país. Embora a glicose seja projetada para ser usada pelo corpo para obter energia (o açúcar normal é 50% glicose), a frutose se divide em diversas toxinas que podem acabar com a sua saúde.

 

Os medicamentos para diabetes NÃO são a resposta

 
A maioria dos tratamentos convencionais de diabetes tipo 2 usam medicamentos que aumentam o nível de insulina ou reduzem o nível de açúcar no sangue.
Como já expliquei, o problema é que o diabetes NÃO é uma doença do açúcar no sangue. Concentrar-se nos sintomas do diabetes (que é o nível alto de açúcar no sangue) em vez de tratar a causa é uma prática fútil e pode ser muito perigosa.
Quase 100% dos diabéticos tipo 2 podem ser curados com êxito sem remédios. Talvez você se surpreenda em saber que você pode comer, se exercitar e viver rumo à recuperação.

 

Dieta eficaz para o diabetes e dicas de estilo de vida

 
Eu simplifiquei as várias maneiras eficazes de aumentar sua sensibilidade à insulina e à leptina – para prevenir ou reverter o diabetes – em seis passos fáceis e altamente viáveis.

  • Pratique exercícios físicos. Contrário à maioria das recomendações de evitar fazer exercícios quando se está doente, ficar em forma é altamente importante para controlar o diabetes e outras doenças. Na verdade, é uma das maneiras mais rápidas e poderosas de reduzir a resistência à insulina e à leptina.
  • Elimine grãos e açúcares e TODOS os alimentos processados, principalmente aqueles feitos com frutose e xarope de milho rico em frutose. O tratamento convencional do diabetes fracassou nos últimos 50 anos em parte por causa de seus princípios alimentares falhos. 
    Elimine TODOS os açúcares e grãos – até mesmo os "saudáveis" como grãos integrais, orgânicos ou germinados – da sua dieta. Evite pães, massas, cereais, arroz, batata e milho (que é, na realidade, um grão). Até que seu nível de açúcar no sangue fique sob controle, restrinja o consumo de frutas também.

    É muito importante eliminar as carnes processadas. Em um estudo inovador que comparava as carnes processadas com as não processadas pela primeira vez, os pesquisadores da Harvard School of Public Health descobriram que o consumo de carnes processadas está associado a um risco 42% maior de doenças cardíacas e a um risco 19% maior de diabetes tipo 2.
    O que é interessante é que eles não encontraram nenhum risco de doença cardíaca ou diabetes entre pessoas que ingeriram carnes vermelhas não processadas, como bovina, de porco ou ovelha.
  • Além da frutose, elimine as gorduras trans, que aumentam o risco de diabetes e inflamação ao interferir nos receptores de insulina.
  • Consuma muitas gorduras ômega 3 de origem animal de alta qualidade.
  • Monitore seu nível de insulina em jejum. Tão importante quanto o nível de açúcar em jejum, seu nível de insulina em jejum, ou A1-C, deve ficar entre 2 e 4. Quanto maior o nível, pior é a sensibilidade à insulina.
  • Consuma probióticos. Seu intestino é um ecossistema vivo de diversas bactérias. Quanto mais bactérias boas você tiver, mais forte será sua imunidade e melhor será seu funcionamento geral. Melhore sua flora intestinal consumindo alimentos fermentados como natto, missô, kefir, queijo orgânico cru e hortaliças fermentadas. Você também pode ingerir um suplemento probiótico de alta qualidade.
  • A exposição ao sol é uma promessa no tratamento e prevenção do diabetes, com estudos que revelam uma conexão importante entre os altos níveis de vitamina D e um risco menor de desenvolver o diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e síndromes metabólicas.
OBS minha, Sílen: 
  • Este polivitamínico importado é formulado especificamente para ajudar a reduzir o açúcar no sangue, contendo boas quantidades de magnésio, cromo, vanádio e canela, ácido alfa-lipoico e outros nutrientes. Seu rótulo recomenda que se tome duas cápsulas ao dia (após uma das refeições), ele dura 45 dias.
  • Este é um excelente ômega 3 de krill.
  • Evite a soja transgênica também, que destrói sua microbiota intestinal, grande responsável por sua saúde geral, apenas consuma o missô e natto de soja orgânica.
  • O kefir pode ser adquirido por doações, ao fim deste post, há links de doação do mesmo.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Vídeo: Os Riscos da Insulina para Diabéticos

11/02/2016.
Tradução do texto mostrado aos 4' 03" (4 min e 03 s):
"Nossa revisão demonstra que indivíduos seguindo um dieta baseada em plantas (baseada em alimentos derivados de plantas, incluindo legumes, grãos integrais, legumes e frutas, mas com poucos ou nenhuns produtos de origem animal) experimentaram uma melhora na redução da glicemia, peso corporal e risco cardiovascular, comparados com aqueles que seguiam dietas com produtos animais."
Assista também o vídeo abaixo: Por que a Carne é um Fator de Risco para o Diabetes?
OBS minha: Grãos, mesmo integrais, podem elevar o risco de diabetes, assim como algumas frutas. Evite a soja transgênica e não fermentada, a qual é também um grão. Alimentos à base de soja fermentada são o missô, shoyo, natô e tempeh, mas prefira suas versões de soja orgânica ou não transgênica. Todo o restante é à base de soja não fermentada.

Veja também os seguintes artigos, nos links abaixo:

Fontes:

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Vídeo do Dr. William Davis: Trigo, o Grande Vilão

Entrevista com Dr. William Davis
Resumo do Livro Barriga de Trigo

21/09/2015.

Dr. Davis afirma que o trigo é um veneno crônico perfeito, ideal para desenvolver aquela famosa barriga, além de diabetes, artrites, doenças cardíacas, doenças crônicas, inflamações e muito mais. Ele é autor do livro: Barriga de Trigo.

Saiba mais sobre outros problemas relacionados ao trigo, nos seguintes links:



Há algumas receitas sem trigo em meu blog:



Fontes:


https://www.youtube.com/watch?v=vUNCL7tn6vg

https://www.youtube.com/watch?v=IX56ScjPM4Y

terça-feira, 28 de julho de 2015

Trate Pressão Alta, Colesterol Alto, Diabetes, Indigestão e Depressão com Nutrientes que Funcionam Melhor do que Medicamentos

Tradução do artigo de 21 de maio de 2015, realizada em 28/07/2015 presente também em meu blog neste link.

Se você toma antiácidos, antidepressivos, estatinas, medicamentos para o diabetes ou para a pressão arterial alta, você sabia há alimentos e nutrientes que funcionam melhor? Parece quase inacreditável, mas é provável que o seu médico não saiba sobre eles.

 Cinnamon 
Pressão Alta
A medicação para pressão arterial elevada é projetada para abaixar a pressão arterial e os melhores medicamentos a reduzem cerca de 10 pontos. Para algumas pessoas são prescritas mais que um medicamento a fim de obter um efeito maior, mas essas drogas (remédios) vêm com consideráveis efeitos colaterais e evidências muito menos impressionantes do que você pensa em realmente reduzir as mortes cardiovasculares. 

Diuréticos, por exemplo, reduzem muito os níveis da vitamina B12, o que aumenta o risco de demência, e também de magnésio, que, ironicamente, aumenta o risco de ataque cardíaco. Você deseja que sua pressão arterial esteja abaixo de 140/90 (14/9) e, idealmente, em torno de 120/80 (12/8).


Você pode conseguir o mesmo efeito ou uma redução ainda maior da pressão arterial com uma vitamina, um mineral e uma mudança de sua dieta (alimentação).

A vitamina mais eficaz na redução da pressão arterial é a vitamina C. Uma meta-análise de 29 estudos confirma que uma mera quantidade de 500 mg de vitamina C por dia reduz a pressão arterial alta em 5 pontos em oito semanas. Este estudo, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, confirma esse efeito importante da vitamina C. No entanto, doses mais elevadas são ainda melhores. Em um estudo, pessoas que receberam 2 gramas (2000 mg) de vitamina C por dia durante 30 dias tiveram uma queda de 10 pontos na pressão sanguínea sistólica. Isto é comparável ao efeito que você pode obter com remédios (drogas) para hipertensão, mas sem os efeitos colaterais. Eu tomo 2 gramas de vitamina C por dia.

De fato, os únicos efeitos secundários são positivos. A vitamina C tem sido demonstrada diminuir o colesterol LDL e reduzir o espessamento arterial. É também anti-inflamatória e pode ajudar, em conjunto com a vitamina E, a parar a oxidação, ou os danos, provocados pelo colesterol. Um estudo recente de quase 60.000 pessoas no Japão relata que a ingestão de vitamina C está fortemente associada com um risco reduzido de doenças cardíacas, especialmente em mulheres, reduz o risco em um terço. Outro relata que a vitamina C, com vitamina E, retardam a aterosclerose. Muitos estudos alimentares também notam que quanto maior a sua ingestão de vitamina C, menor é o seu risco. Então, é uma escolha óbvia para qualquer pessoa com doença cardiovascular.


O magnésio tem efeito direto e imediato na redução da pressão arterial que é  comparável ao efeito de medicamentos. Isso ocorre porque as células musculares que revestem suas artérias relaxam quando elas contêm mais magnésio do que cálcio. Você pode conseguir isso de duas maneiras. Aumentando a sua ingestão de magnésio ou bloqueando a capacidade do cálcio entrar nas células. Bloqueadores dos canais de cálcio são um dos medicamentos mais prescritos para hipertensos, mas têm efeitos colaterais. O risco a longo prazo mais do que duplica o risco de câncer de mama, de acordo com um estudo na revista da Associação Médica Americana (American Medical Association), Medicina Interna.

Em contraste, suplementando 300 mg de magnésio por dia produz uma queda média da pressão arterial sistólica de 18,7 pontos, e da pressão arterial diastólica de 11 pontos, se tomado por seis meses, em pessoas com pressão arterial elevada (acima de 155 ou 15,5). Esta descoberta foi relatada em uma meta-análise de sete estudos com 135 pessoas que apresentavam pressão arterial elevada e é uma mudança muito significativa, mais do que você esperaria dos melhores remédios. O magnésio também ajuda a diminuir o colesterol e triglicérides (gorduras no sangue) e é consistentemente associado à redução do risco de mortes por doenças cardiovasculares e ataques cardíacos. Também alivia a insônia, tensão muscular e ajuda a estabilizar os níveis de açúcar no sangue.

Pouquíssimos polivitamínicos contêm uma quantidade de magnésio suficiente. Meu polivitamínico Nutrition Formula Optimum é relativamente rico em magnésio, tendo 155 mg em dois tabletes, mas mesmo isso não é suficiente. Então você vai precisar suplementar magnésio extra para atingir 300 mg por dia. Tenha o cuidado de verificar o magnésio 'elementar' no suplemento. Um suplemento pode dizer que contém  300 mg de magnésio quelado, mas apenas 10% do suplemento ser o magnésio, de modo que o magnésio elementar seria 30 mg. Isto está escrito em letras pequenas. O ascorbato de magnésio (magnesium ascorbate) é uma boa escolha, por causa do transportador, a vitamina C, que também reduz a pressão arterial elevada. As sementes de abóbora e as verduras são as melhores fontes alimentares de magnésio.

A dieta que reduz a pressão arterial de forma mais eficaz é uma dieta de baixo índice glicêmico (Low GL diet). Isso acontece, porque aprender a comer de uma forma que estabiliza os níveis de açúcar no sangue significa que seu corpo produzirá menos insulina. A insulina afeta os rins, ocasionando um aumento da pressão sanguínea. Aqui está um exemplo do que aconteceu com a pressão arterial de Phil, aferida diariamente, seguindo minha dieta de baixo índice glicêmico.

Blood Pressure

 Como você pode ver tanto a pressão arterial sistólica e diastólica dele se normalizaram completamente em cinco meses. Eu explico como comer desta forma em minha Bíblia da dieta de baixo índice glicêmico (Low GL Diet Bible), mas você pode querer ler, Diga NÃO à doença do coração (Say No to Heart Disease), pois isso também explica outras maneiras de abaixar a pressão arterial naturalmente. Uma dieta de baixo índice glicêmico está consistentemente associada com a redução do risco de ataques cardíacos e mortes cardiovasculares.


Colesterol Alto
Medicação com estatinas para abaixar o colesterol são prescritas para milhões de pessoas, mas, a menos que você realmente tenha uma doença cardíaca, não há evidências suficientes de que tomá-las irá reduzir o risco de morte cardiovascular ou prolongar a sua vida. No entanto, um em cada dez que as toma, tem efeitos colaterais e um em 50, desenvolvem o diabetes (como efeito colateral). Existem dois tipos de colesterol - o LDL, o chamado tipo "ruim" que deve ser reduzido, e o HDL, o tipo bom que pode remover o colesterol indesejado ou danificado de suas artérias.

Aumentar a proporção de seu colesterol HDL é que é a forma mais importante de reduzir o risco de um ataque cardíaco. É aconselhável que um terço do seu colesterol total seja o HDL. Você pode se surpreender ao descobrir que tomar niacina (B3), uma simples vitamina do complexo B, é a maneira mais eficaz de aumentar os níveis de colesterol HDL. De acordo com uma avaliação recente no New England Journal of Medicine, a niacina aumenta os níveis de HDL em 20 a 35 por cento.

 A niacina também reduz o colesterol LDL em até 25 por cento. Um dos autores deste estudo era especialista em cardiologia Roger Blumenthal, professor associado e diretor do Centro Ciccarone para a prevenção de doenças cardíacas na Escola da Universidade Johns Hopkins de Medicina e do seu Instituto do Coração, em Baltimore, Maryland. As estatinas, em comparação, apenas elevaram o HDL entre 2 e 15 por cento. A niacina também reduz triglicérides (gorduras no sangue) em até 28%.

Você precisa de pelo menos 1.000 mg de niacina para obter um efeito de redução do colesterol. Há um efeito colateral para esta dose - você fica ruborizado, fica vermelho, quente e com coceira por cerca de 15 minutos. Não é perigoso, mas algumas pessoas não gostam disso. Se você tomar 500 mg de niacina pura, sempre com alimentos, duas vezes por dia, o efeito de ficar corado desaparece rapidamente  depois de alguns dias. Algumas pessoas preferem tomar a niacina que não provoca o enrubescimento (non-flush niacin), que contém o Inositol Hexanicotinato. Isso deve funcionar, mas não há a mesma evidência publicada de que existe para niacina pura,  esta foi comprovada. Algumas fórmulas também contêm magnésio e vitamina C - três nutrientes positivos em um.


Combinando uma dieta mediterrânea de baixo índice glicêmico com quantidades suficientes de ômega 3 (óleos de peixe), os resultados são ainda melhores. Comer apenas uma porção de peixe (gordo) por semana reduz a probabilidade de ter outro ataque do coração em um terço. Um estudo japonês deu a mais de 9.000 pessoas a gordura ômega-3 chamada EPA (1,8 g por dia) com estatinas e comparou com 9.000 pessoas que tomaram apenas estatinas. Após 4,5 anos, aqueles que tomaram os óleos de peixe tiveram 19 por cento menos incidência de morte cardíaca, ataques cardíacos ou outros problemas cardiovasculares graves.

Andrew é um caso em questão. Quando ele teve seu colesterol medido era 8,8. Foram prescritas estatinas para ele, seis meses mais tarde, ele seu colesterol era 8,7. Ele também estava ganhando peso, sentindo-se cansado e estressado, e não dormia bem. Com ajuda, Andrew mudou sua dieta (alimentação) e começou a tomar suplementos de niacina e ômega 3. Três semanas mais tarde, ele tinha perdido 4,5 kg e seus níveis de energia estavam ótimos, ele já não se sentia estressado e estava dormindo muito melhor. E o nível de colesterol dele caiu para um saudável 4,9!

Diabetes
Medicação para os diabéticos geralmente dependem da metformina. Ela funciona através da melhoria da sensibilidade à insulina, o que significa que o corpo pode normalizar o açúcar no sangue de forma mais eficaz. Não é um medicamento ruim. 

Reduzir a insulina traz muitos benefícios, incluindo a redução do risco de câncer. Porém a metformina também reduz os níveis de vitamina B12, o que poderia aumentar o risco de demência. É muito importante monitorar seu nível de vitamina B12, talvez com um teste de homocisteína, se você estiver tomando a metformina.


No entanto, um mineral, uma especiaria e uma mudança da alimentação são muito mais eficazes do que a metformina e não possuem risco algum.

O mineral é o cromo, que é, na verdade, essencial para o receptor de insulina funcionar corretamente. Suplementar 600 mcg por dia (três comprimidos de cromo de 200 mcg, um com cada refeição) tem sido demonstrado de forma consistente que estabiliza os níveis de açúcar no sangue e reverte a resistência à insulina em pessoas com diabetes. Uma revisão sistemática na revista Diabetes Care, concluiu: "Entre os participantes com diabetes tipo 2, a suplementação de cromo melhorou os níveis de hemoglobina glicosilada e glicemia de jejum. A suplementação de cromo melhorou significativamente a glicemia em pacientes com diabetes. "Em alguns estudos, aqueles que tomaram 400 mcg ou mais de cromo, tiveram uma redução do açúcar no sangue cinco vezes maior do que os que tomaram a metformina, e sem efeitos colaterais. O nível tóxico de cromo é 10.000 mcg.

Meia colher de chá de canela por dia também reduz significativamente os níveis de açúcar no sangue em diabéticos, e é também uma ótima notícia para os não-diabéticos que têm problemas de açúcar no sangue, mas não têm consciência disso, o sintoma mais comum é cansaço crônico e queda de energia ou sensação de desmaio. Em um estudo todos os diabéticos responderam bem à canela dentro de semanas, com os níveis de açúcar no sangue em média 20 por cento mais baixos  do que os do grupo controle. Alguns dos voluntários tomando canela alcançaram níveis normais de açúcar no sangue. Você precisa de um monte de canela para este tipo de efeito - 3 a 6 gramas, que é a metade ou uma colher de chá cheia. O ingrediente ativo, chamado MCHP, é dez vezes mais concentrado num extrato de canela chamado Cinnulin, logo suplementar com 300-600 mg dele tem o mesmo efeito. Combinando o cromo com o Cinnulin é muito eficaz, logo procure por suplementos que forneçam ambos.

O tratamento único natural mais eficaz para o diabetes é uma dieta de baixo índice glicêmico. Eu explico exatamente como fazer isso se você tem o diabetes tipo 1 ou tipo 2 em meu livro: Diga não à Diabetes. Combinando isso com o cromo e a canela é mais eficaz do que qualquer medicamento.

Linda, que tinha sofrido com o diabetes durante uma década, é um caso em questão. Em seis semanas em uma dieta de baixo 'índice glicêmico' (low GL) fazendo uso de canela e cromo, seu diabetes tinha "ido embora". "Meu nível de glicose no sangue costumava ser elevado, entre 11-18 mmol. Agora é entre 4 - 8. O ideal é 7, por isso minha glicose no sangue está sob controle. A outra coisa é a energia. Eu vivia constantemente cansada. Eu poderia passar o dia inteiro na cama. Agora o meu nível de energia é incrível. Eu recomendo esta dieta para todos. É muito mais fácil do que eu pensava. Esta é literalmente a resposta às minhas orações "Na verdade, ela teve que reduzir sua medicação, porque ela estava ficando com hipoglicemia - baixo de nível de glicose no sangue. Ela estava tomando Amaryl, um medicamento que contém sulfonilureia e metformina. Uma vez que o nível de glicose no sangue dela tinha sido normalizado, ela pôde para de tomar o Amaryl. Seis meses mais tarde, uma dieta de baixo índice índice glicêmico tornou-se parte de sua vida, ela perdeu 16 kg, o nível de glicose no sangue dela se manteve estável e ela já não tem hipoglicemia. O médico dela a manteve tomando a Metformina, mas mesmo este, pode não ser mais necessário.

Indigestão
A prescrição de medicamentos antiácidos está batendo recordes, com 57 milhões de prescrições no Reino Unido no ano passado. Uma em cada cinco pessoas tem problemas digestivos. Os inibidores da bomba de prótons são os mais comumente prescritos (PPI drogas geralmente acabam em 'azol'), que bloqueiam a produção de ácido do estômago. Enquanto estes medicamentos podem proporcionar um alívio para aqueles com indigestão ácida e azia, eles vêm com efeitos colaterais terríveis de curto e longo prazo. Muitas pessoas se sentem mal com esses medicamentos, mas o risco real é de longo prazo. Sem acidez suficiente no estômago, você não pode absorver a vitamina B12 suficientemente, e sem a B12, o risco de demência aumenta exponencialmente.

Em vez disso, os médicos devem prescrever enzimas digestivas (como esta) para pessoas com problemas digestivos. É um primeiro passo óbvio e ele funciona. Em um estudo, pessoas que tomaram enzimas digestivas, reduziram seus sintomas de indigestão em 90% em comparação com os placebos dados, que diminuíram sua taxa de indigestão em 22%.

Outro tratamento é eficaz são os probióticos. Suplementar com duas cepas de bactérias benéficas, Lactobacillus acidophilus e bifidobactérias, tem efeitos muito positivos na digestão. Elas foram demonstradas ajudar na prisão de ventre, diarreia e na síndrome do intestino irritável, reduzindo a distensão abdominal. Alguns suplementos combinam enzimas digestivas com bactérias benéficas. Também é útil a glutamina, um aminoácido que alimenta as células que compõem o trato intestinal.

No entanto, mesmo estes não irão funcionar, se você continuar a comer alimentos aos quais for intolerante. Muitas pessoas não sabem que são intolerantes à alimentos como trigo, leite e fermento frequentemente ingeridos. Estes provocam uma reação inflamatória no estômago que pode levar à indigestão e azia. Em um estudo de cinco mil pessoas que fizeram um teste de intolerância alimentar no yorktest.com e evitaram os alimentos suspeitos, 80 por cento notaram uma melhoria definitiva em seus sintomas digestivos.

A combinação de uma dieta livre de alimentos que provocam intolerância com os suplementos de suporte digestivos certos, é no mínimo, tão eficaz quanto medicamentos, mas sem os efeitos colaterais.

Depressão
Antidepressivos não são tão eficazes em comparação com placebos. 'A magnitude do benefício da medicação em comparação com placebo. . .pode ser mínima ou inexistente, em média, nos pacientes com sintomas leves ou moderados. 'Concluiu uma análise de seis grandes estudos no Jornal da Associação Médica Americana (Journal of the American Medical Association). Mesmo nos casos de depressão grave, os medicamentos tendem a melhorar a depressão em cerca de 15% em comparação com placebos. Antidepressivos inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS ou SSRI) mais comumente prescritos, agem elevando os níveis de serotonina. O problema é que eles têm uma longa lista de efeitos colaterais, incluindo o aumento do risco de suicídio, e são difíceis de serem descontinuados sem efeitos de abstinência terríveis.

Um aminoácido, uma gordura essencial e uma mudança simples da dieta (alimentação) funcionam melhor, mas sem quaisquer efeitos colaterais ou problemas de abstinência.
A serotonina é feita a partir de um aminoácido que ocorre naturalmente chamado 5-hidroxitriptofano ou 5-HTP (ou ainda, 5-HTTP) de forma abreviada. Houve onze ensaios controlados com placebo, de 5-HTP que mostraram resultados, no mínimo, tão bons, se não melhores na depressão. Um estudo recente comparando o 5-HTP e um medicamento antidepressivo (ISRS ou SSRI) mostrou resultados similares, mas menos efeitos colaterais para o 5-HTP. Você precisa entre 100 mg e 300 mg por dia e o único efeito colateral relatado por um pequeno número de usuários é a náusea. Se isso ocorrer, apenas diminua a dose. Ele geralmente desaparece em um poucos dias.

O próximo nutriente não-cerebral é o ômega 3 (óleo de peixe). A revisão mais abrangente e meta-análise de 19 ensaios clínicos em pacientes com depressão moderada e grave 'concluiu que "o uso de ômega-3 é eficaz", tanto em pacientes com um transtorno depressivo grave e depressão moderada'.

Quanto maior a quantidade de EPA, não o DHA, mais eficaz foi o tratamento. Estudos mais eficazes suplementavam 1.000 mg de EPA. A dose mais baixa foi de 300 mg de EPA / DHA combinados, que é o que eu suplemento todos os dias.
 A dieta mais indicada para melhorar o humor é uma dieta mediterrânea de baixo índice glicêmico, com abundância de peixes (gordurosos). Estabilizar o nível de glicose no sangue e melhora o humor, a suplementação do mineral cromo, também pode ajudar a aliviar a depressão, especialmente naqueles que anseiam carboidratos e se sentem sonolentos ou grogues em grande parte do tempo.

Se você estiver sob medicação ou sofrer de doenças crônicas, meu livro, O Alimento é Melhor do que as Drogas Farmacêuticas (Food Is Better Medicine Than Drugs), em co-autoria com Jerome Burne, é uma leitura obrigatória. Ele lhe dará alternativas não-medicamentosas para diferentes problemas de saúde, tais como estes.

Mas o que os médicos pensam de tudo isso? Enviamos o nosso livro para o Dr. Michael Dixon, presidente da Aliança NHS para ele avaliar: "É cheio de informações úteis e originais para pacientes com várias doenças crônicas ou aqueles que estão simplesmente procurando viver uma vida mais saudável. É extremamente prático, uma cruzada contra a ignorância, e permite que os pacientes removam suas "camisas de força" e tenham uma nova abordagem para a melhoria da saúde. "Nossa intenção original era que os médicos lessem este livro para dar aos seus pacientes as alternativas não-medicamentosas. No entanto, não há nada que os impeça de ajudarem a si mesmos.

Observação minha Sílen, a niacina não está a venda no Brasil, porém pode ser adquirida pela internet nas lojas evitamins ou iherb, por exemplo. Baseando-me em vídeos e leituras do Andrew Saul Ph.D, editor-chefe do Jornal de Medicina Ortomolecular, autor de vários livros, incluindo um em co-autoria com o Dr. Abram Hoffer, seguem algumas dicas: 
  • Não adquira a forma de liberação prolongada (Time Released) da vitamina B3 ou niacina, pode ser perigoso! A Niacina ou Niacin é a flush formula (que você fica vermelho como se tivesse tomado muito sol por alguns minutos e coça um pouco, isto não faz mal algum, só significa que seu corpo está sendo bem vascularizado) e a Niacinamida ou Niacinamide é a non-flush (sem rubor) formula. 
  • A melhor maneira de controlar a sensação do flush com precisão é começar com pequenas quantidades de niacina e aumentá-las gradualmente, até que o primeiro flush seja notado. Um método é: comece com apenas 25 miligramas (25 mg) de niacina três vezes por dia, por exemplo, em cada refeição. No dia seguinte, tome 50 mg no café da manhã, 25 mg no almoço e 25 mg no jantar. No dia seguinte, 50 mg no café da manhã, 50 mg na hora do almoço, e 25 mg no jantar. E, no dia seguinte, 50 mg em cada uma das três refeições. No dia seguinte, 75 mg, 50 mg e 50 mg. Em seguida, respectivamente, 75, 75 e 50, e assim por diante (fonte). Pode-se tomar 1000 mg de vitamina C com a niacina, três vezes ao dia. Tabletes de niacina de 100 mg são facilmente divididos ao meio, para produzirem duas metades de tabletes, contendo 50 mg de niacina cada.
    Normalmente são necessários cerca de três meses, tomando a maior dosagem de niacina (1000 mg três vezes ao dia) e da vitamina C para que níveis de colesterol sejam estabilizados em níveis mais baixos. Quanto custa a tomar 3000 mg de niacina e vitamina C? Estas duas vitaminas podem ser compradas com um custo total de cerca de 50 centavos (de dólar) por dia (nos EUA)
  • A utilização contínua da niacina diminui a mortalidade de forma confiável e prolonga a vida (fonte)
  • Lembre-se: cada organismo necessita de uma quantidade, depende de quão doente o corpo está! 
  • Por fim, busque um acompanhamento de um médico ortomolecular e mostre este artigo a ele.
  • Tome um polivitamínico de alta potência (contém 85 mg de complexo B) ou o o complexo B 50 (50 mg) ou B 100 (100 mg). Desde 1965, Dr. Abraham Hoffer dava a seus pacientes o complexo B, o complexo B 50 (50 mg) ou B 100 (100 mg). Estes fornecem piridoxina, ácido fólico e vitamina B-12, assim como outras vitaminas. A adição dessas vitaminas, inevitavelmente, será benéfica uma vez que as outras vitaminas possuem propriedades terapêuticas próprias, além de impedir que os níveis de homocisteína elevem-se demasiadamente. Mas mesmo a niacina, tomada sozinha foi benéfica, não prejudicial. E isso confirma o que Dr. Hoffer estudou e testou desde 1952, quando a Ibegan usava megadoses de niacina e niacinamida para esquizofrenia e outras condições, incluindo níveis elevados de colesterol e artrite. Os autores não inventaram qualquer factoide, mas é muito provável que alguns dos leitores ignorarão quase todo o relatório, exceto que a niacina eleva homocisteína e, portanto, aumenta o risco de doença cardíaca. Em breve você verá esse factoide se repetindo incessantemente. A niacina é um aceitador de metilo e este pode ser o mecanismo que conduz à elevação dos níveis de homocisteína. A niacinamida é também um aceitador de metilo, mas não tem nenhum efeito sobre os níveis de lípidos no sangue (colesterol e outros). O seu efeito sobre os níveis de homocisteína não é conhecido, mas não há nenhuma evidência de que ela reduza a expectativa de vida. Pelo contrário, ela tem grande valor no tratamento de estados senis, tanto físicos e mentais, e prolonga a vida (fonte). 
  • Dr. Levy está convencido da segurança da vitamina C. Ele diz: "Exceto em indivíduos com, insuficiência renal significativa estabelecida, a vitamina C é indiscutivelmente o mais seguro de todos os nutrientes que podem ser dados."
Fonte:

https://www.patrickholford.com/advice/nutrients-that-work-better-than-drugs?utm_medium=email&utm_source=transactional&utm_campaign=PH+Nutrients+Better+1.a+09.06.2015

quarta-feira, 22 de julho de 2015

20 Mitos da Nutrição Tradicional em que a Maioria das Pessoas Acreditam (Embora Terem Comprovado que Estão Errados)

Tradução do artigo realizada em 28/07/2015 e exibido em inglês em meu blog aqui.

A Nutrição tradicional está cheia de bobagem. Apesar dos nítidos avanços na ciência da nutrição, os velhos mitos não parecem estar desaparecendo. Aqui estão 20 mitos da Nutrição Tradicional que foram desmascarados por pesquisas científicas.


Mito 1: A Dieta Mais Saudável é a que Possui Baixo Teor de Gorduras, a Dieta High-Carb (com Alto Teor de Carboidratos) com Muitos Grãos

Várias décadas atrás, toda a população foi aconselhada a ingerir uma dieta com baixo teor de gordura e rica em carboidratos (1).
Na época, não havia um único estudo que demonstrasse que esta dieta realmente poderia prevenir doenças.
Desde então, muitos estudos de alta qualidade foram feitos, incluindo na Iniciativa de Saúde da Mulher (Women’s Health Initiative), que é o maior estudo de nutrição da história.
Os resultados foram claros ... esta dieta não causa perda de peso, previne o câncer ou reduz o risco de doença cardíaca (2, 3, 4, 5).

    Conclusão: Numerosos estudos têm sido feitos sobre a dieta com baixo teor de gordura e rica em carboidratos. Esta dieta não apresenta nenhum efeito sobre o peso corporal ou o risco de doenças a longo prazo.


Mito 2: O Sal Deve Ser Reduzido para Abaixar a Pressão Arterial e Reduzir os Ataques Cardíacos e Derrames ou AVCs (Acidentes Vasculares Cerebrais)

Salt Shaker and Pile
O mito sal ainda está vivo e forte, embora nunca tenha existido qualquer suporte científico decente para tal.
Apesar de que a redução de sal possa reduzir a pressão arterial por cerca de 1-5 mm / Hg, em média, isto não tem qualquer efeito sobre ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais ou morte (6, 7).
Claro, se você tiver uma condição médica como a hipertensão sensível ao sal, então, você pode ser uma exceção (8).
Mas o conselho da saúde pública de que todos devem diminuir sua ingestão de sal (e você tem que comer alimentos sem sabor) não se baseia em evidências.

    Conclusão: Apesar de modesta redução da pressão arterial, reduzindo o consumo de sal / cloreto de sódio não reduz o risco de ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais ou morte.


Mito 3: É melhor Comer Pequenas Refeições Várias Vezes ao Longo do Dia para "Acelerar o Metabolismo"

Shocked Woman With Glasses, Eating an AppleAfirma-se frequentemente que as pessoas devem comer pequenas refeições várias vezes ao longo do dia para manter o metabolismo acelerado.
Mas os estudos discordam claramente disso. Comer 2-3 refeições por dia tem exatamente o mesmo efeito sobre o total de calorias queimadas quanto comer 5-6 (ou mais) pequenas refeições (9, 10).

Comer com frequência pode ter benefícios para algumas pessoas (como prevenção da fome excessiva), mas é incorreto dizer que isso afeta a quantidade de calorias que queimamos.


Há estudos que que até mesmo mostram que comer muitas vezes pode ser prejudicial ... um novo estudo saiu mostrando recentemente que refeições mais frequentes aumentaram dramaticamente a gordura do fígado e a gordura abdominal em uma dieta de alto teor calórico (11).


    Conclusão: Não é verdade que comer pequenas refeições diversas vezes ao dia, leva a um aumento na quantidade de calorias queimadas durante todo o dia. Refeições frequentes podem até aumentar o acúmulo de barriga insalubre e gordura no fígado.


Mito 4: Gemas de Ovos Devem Ser Evitadas, Porque Elas são Ricas em Colesterol, o que Leva à Doença Cardíaca
Eggs in a Basket
Temos sido aconselhados a não consumir os ovos inteiros, porque as gemas são ricas em colesterol.
No entanto, o colesterol na dieta tem muito pouco efeito sobre o colesterol no sangue, pelo menos para a maioria das pessoas (12, 13).
Os estudos mostraram que os ovos elevam o "bom" colesterol e não aumentam o risco de doença cardíaca (14).
Uma revisão de 17 estudos com um total de 263.938 participantes demonstrou que comer ovos não teve efeito sobre o risco de doença cardíaca ou acidente vascular cerebral em indivíduos não-diabéticos (15).
No entanto ... tenha em mente que alguns estudos descobriram um aumento do risco de ataque cardíaco em diabéticos que comem ovos (16).
Ovos realmente estão entre os alimentos mais nutritivos do planeta e quase todos seus nutrientes são encontrados nas gemas.
Dizer às pessoas para jogar as gemas fora pode ter sido o conselho mais ridículo na história da nutrição.

    Conclusão: Apesar dos ovos serem ricos em colesterol, eles não aumentam o colesterol no sangue ou aumentam o risco de doença cardíaca para a maioria das pessoas.


Mito 5: Trigo Integral é um Alimento Saudável e uma Parte Essencial de uma Dieta "Equilibrada"

Bread
Trigo tem feito parte da nossa dieta por um tempo muito longo, mas isto mudou devido à sua manipulação genética na década de 1960.
O "novo" trigo é significativamente menos nutritivo do que as variedades mais antigas (17).
Estudos preliminares mostraram que, em comparação com trigo mais antigo, o trigo moderno pode aumentar os níveis de colesterol e marcadores inflamatórios (18, 19).
Ele também causa sintomas como dor, inchaço, cansaço e redução da qualidade de vida em pacientes com síndrome do intestino irritável (20).
Considerando que algumas das variedades mais antigas, como Einkorn e Kamut podem ser relativamente saudáveis, trigo moderno não é.
Além disso, não vamos esquecer que o rótulo "grão integral" é uma piada ... esses grãos geralmente foram pulverizados até se tornarem uma farinha muito fina, logo eles têm efeitos metabólicos semelhantes aos grãos refinados.

    Conclusão: O trigo que a maioria das pessoas está comendo atualmente é prejudicial à saúde. É menos nutritivo e pode aumentar os níveis de colesterol e marcadores inflamatórios.


Mito 6: Gordura Saturada Aumenta o Colesterol LDL no Sangue, Aumentando o Risco de Ataques Cardíacos

Foods High in Saturated Fat
Durante décadas, temos sido informados de que a gordura saturada aumenta o colesterol e causa doenças cardíacas.
Na verdade, essa crença é a pedra angular das orientações dietéticas modernas.
No entanto ... a revisão de vários estudos sólidos têm mostrado recentemente que a gordura saturada não está ligada a um aumento do risco de morte por doença cardíaca ou por acidente vascular cerebral (21, 22, 23).
A verdade é que as gorduras saturadas elevam o HDL (o "bom" colesterol) e transformam as partículas de LDL pequenas em LDL grandes, o que está ligado à um risco reduzido de problemas de saúde (24, 25, 26).
Para a maioria das pessoas, comer quantidades razoáveis de gordura saturada é completamente seguro e totalmente saudável.

    Conclusão: Vários estudos recentes têm demonstrado que o consumo de gordura saturada, não aumenta o risco de morte por doença cardíaca ou por acidente vascular cerebral (AVC).


Mito 7: O Café é Prejudicial à Saúde e Deve Ser Evitado

Man Drinking a Cup of Coffee O café tem sido considerado nocivo à saúde, principalmente por causa da cafeína. No entanto, a maioria dos estudos, na verdade, mostram que o café possui poderosos benefícios à saúde.

Isto pode ser devido ao fato de que o café é a maior fonte de antioxidantes na dieta ocidental, superando os frutas e legumes ... combinados (27, 28, 29).

Pessoas que bebem café têm um risco muito menor de depressão, diabetes tipo 2, mal de Alzheimer, Parkinson ... e alguns estudos ainda mostram que elas vivem mais do que as pessoas que não bebem café (30, 31, 32, 33, 34).

    Conclusão: Apesar de ser visto como insalubre, o café é repleto de antioxidantes. Numerosos estudos mostram que pessoas que bebem café vivem mais e apresentam um menor risco de muitas doenças graves.


Mito 8: Comer Gordura Engorda ... por isso, se Você quer Perder Peso, Você Precisa Comer Menos Gordura

Bacon
Gordura é a substância que está sob nossa pele, fazendo-nos parecer macios e cheios.
Por isso, parece lógico que a ingestão de gordura nos faria ter ainda mais da mesma.
No entanto, isto depende inteiramente do contexto. Dietas que são ricas em gordura e carboidratos podem fazer você engordar, mas não é por causa da gordura.
Na verdade, as dietas que são ricas em gordura (mas pobres em carboidratos) levam consistentemente a uma maior perda de peso do que as dietas de baixa gordura ... mesmo quando os grupos de dieta de baixa gordura restringem calorias (35, 36, 37).

    Conclusão: Os efeitos de ganho de peso em dietas alta em gorduras dependem inteiramente do contexto. Uma dieta que é rica em gorduras, mas pobre em carboidratos leva a uma maior perda de peso do que uma dieta de baixa gordura.


Mito 9: Uma Dieta Rica em Proteína Sobrecarrega os Rins e Aumenta o Risco de Doença Renal

Raw Lamb Chops
 Diz-se frequentemente que a proteína proveniente da alimentação, sobrecarrega os rins e aumenta o risco de insuficiência renal.
Embora seja verdade que as pessoas com doença renal estabelecida, devam reduzir a ingestão de proteína, isso absolutamente não é verdade para pessoas saudáveis.
Numerosos estudos, mesmo em atletas que ingerem grandes quantidades de proteína, mostram que uma alta ingestão de proteína é perfeitamente segura (38, 39, 40).
Na verdade, uma maior ingestão de proteína diminui a pressão arterial e ajuda a combater o diabetes tipo 2 ... que são dois dos principais fatores de risco para a insuficiência renal (41, 42).
Também não vamos esquecer que a proteína reduz o apetite e auxilia na perda de peso, em contrapartida, a obesidade é outro fator de risco para a insuficiência renal (43, 44).

    Conclusão: Ingerir uma grande quantidade de proteína não tem efeitos adversos sobre a função renal em pessoas saudáveis e reduz inúmeros fatores de risco.


Mito 10: Produtos Lácteos Integrais são Ricos em Gorduras Saturadas e Calorias ... Aumentando o Risco de Doenças Cardíacas e Obesidade

Dairy Products
Produtos lácteos integrais estão entre as mais ricas fontes de gordura saturada na dieta e possuem muitas calorias.
Por esta razão, tem-se falado para consumir produtos lácteos desnatados ou "lights".
No entanto, os estudos não condizem com isso. Consumir produtos lácteos integrais não está associado a um aumento de doenças cardíacas e, está ainda, associado a um menor risco de obesidade (45).
Nos países onde as vacas são alimentadas com pasto, comer laticínios integrais é, na verdade, associado a um risco até  69% menor de doenças cardíacas (46, 47).
Pelo contrário, os principais benefícios dos laticínios estão em suas gorduras. Portanto, escolher os produtos lácteos com baixo teor de gordura é uma ideia terrível.
Claro ... isso não significa que você deva exagerar e ingerir enormes quantidades de manteiga em seu café, mas isso significa que quantidades razoáveis de produtos lácteos integrais de vacas alimentados com pasto são seguros e saudáveis.

    Conclusão: Apesar de serem ricos em gordura saturada e calorias, estudos mostram que produtos lácteos integrais estão ligados a um risco reduzido de obesidade. Nos países onde as vacas são alimentadas com
pasto, o leite integral está relacionado à uma redução de doenças cardíacas.

Mito 11: Todas as Calorias são Iguais, não Importa de Quais Tipos de Alimentos Elas Sejam Provenientes 

Woman With Fruit And Junk Food on The Table 
É simplesmente falso que "todas as calorias são criadas iguais".
Diferentes alimentos passam por diferentes vias metabólicas e têm efeitos diretos na queima de gordura e nos hormônios e nos centros cerebrais que regulam o apetite (48, 4950).
Uma dieta rica em proteínas, por exemplo, pode aumentar a taxa metabólica em 80 a 100 calorias por dia e reduzir significativamente o apetite (515253).

Em um estudo, tal dieta fez com que as pessoas automaticamente comessem 441 calorias a menos por dia. Eles também perderam 5 kg em 12 semanas, apenas adicionando proteína à sua dieta (54).
muitos mais exemplos de diferentes alimentos que têm efeitos muito diferentes sobre a fome, hormônios e saúde. Porque uma caloria não é uma caloria.

    Conclusão: Nem todas as calorias são criadas iguais, porque diferentes alimentos e macronutrientes passam por diferentes vias metabólicas. Eles têm diferentes efeitos sobre a fome, hormônios e saúde.

Mito 12: Alimentos com Baixo Teor de Gordura são Saudáveis, Porque Contêm Quantidades Menores de Calorias e de Gordura Saturada



Yogurt
Quando as primeiras orientações sobre o consumo de alimentos com baixo teor de gordura surgiram, os fabricantes de alimentos responderam com todos os tipos de "alimentos saudáveis" (lights ou desnatados).
O problema é ... esses alimentos têm um gosto horrível quando a gordura é removida, por isso, os fabricantes de alimentos adicionaram um monte de açúcar no lugar da gordura.
A verdade é que o excesso de açúcar é extremamente prejudicial, enquanto a gordura naturalmente presente nos alimentos não é (55, 56).

    Conclusão: Alimentos processados de baixo teor de gordura (lights ou desnatados), tendem a possuir teores muito elevados de açúcar, o que é muito mais prejudicial à saúde do que a gordura que está naturalmente presente nos alimentos.

Mito 13: Consumo de Carne Vermelha Aumenta o Risco de Todos os Tipos de Doenças ... Incluindo Doenças Cardíacas, Diabetes tipo 2 e Câncer

Meat



Estamos constantemente sendo alertados sobre os "perigos" de comer carne vermelha.
É verdade que alguns estudos mostraram efeitos negativos, mas eles foram geralmente feitos com quantidades enormes de carnes processadas (embutidos e outras) e carne não processada juntas.
Os maiores estudos (um com mais de 1 milhão de pessoas, o outro com mais de 400 mil) mostram que a carne vermelha não processada não está ligada a um aumento de doenças cardíacas nem de diabetes tipo 2 (57, 58).
Dois estudos de revisão também têm demonstrado que a ligação com o câncer não é tão forte como algumas pessoas gostariam que você acreditasse. A associação é pequena em homens e inexistente nas mulheres (59, 60).
Então ... não tenha medo de comer carne. Apenas certifique-se de comer carne não processada e não cozinhe demais, porque comer muita carne queimada pode ser prejudicial.

    Conclusão: É um mito de que comer carne vermelha não processada aumenta o risco de doenças cardíacas e diabetes. A ligação com o câncer também é exagerada, os maiores estudos encontraram apenas um efeito pequeno em homens e nenhum efeito nas mulheres.

Mito 14: As Únicas Pessoas que não Devem Ingerir Glúten São os Pacientes com Doença Celíaca, Cerca de 1% da População



Young Man Eating Bread
Alega-se frequentemente que ninguém se beneficiaria de uma dieta livre de glúten, exceto pacientes com doença celíaca. Esta é a forma mais grave de intolerância ao glúten, que afeta menos de 1% das pessoas (61, 62).
Mas outra condição chamada de sensibilidade ao glúten é muito mais comum e pode afetar cerca de 6-8% das pessoas, embora não existam boas estatísticas disponíveis ainda (63, 64).
Os estudos mostraram também que as dietas sem glúten podem reduzir os sintomas da síndrome do intestino irritável, esquizofrenia, autismo e epilepsia (65, 66, 67, 68).
No entanto ... as pessoas devem comer alimentos que são naturalmente sem glúten (como plantas e animais), não "produtos" sem glúten. Junk food sem glúten é pior ainda.
Mas tenha em mente que a questão do glúten é realmente muito complicada e não há respostas claras ainda. Alguns novos estudos sugerem que podem haver outros compostos no trigo que provocam alguns dos problemas digestivos, e não o próprio glúten.

    Conclusão: Estudos têm demonstrado que muitas pessoas podem se beneficiar de uma dieta livre de glúten, não apenas pacientes com doença celíaca.

Mito 15: Perder Peso só Depende de Força de Vontade, Comer Menos e Exercitar-se mais

Woman Standing on The Scale, Frustrated
A perda de peso (e ganho) é frequentemente atribuída à força de vontade e `as "calorias ingeridas X as calorias  queimadas."
Mas isso é completamente impreciso.
O corpo humano é um sistema biológico altamente complexo com várias hormônios e centros cerebrais que regulam quando, o quê e quanto nós comemos.
Sabe-se bem que a genética, hormônios e vários fatores externos têm um enorme impacto sobre o peso corporal (69).
Junk food pode também ser extremamente viciante, fazendo com que as pessoas, literalmente, percam o controle sobre seu consumo (70, 71).
Embora ainda seja responsabilidade do indivíduo fazer algo sobre seu problema de peso, culpar a obesidade por algum tipo de falha moral é inútil e impreciso.

    Conclusão: É um mito que o ganho de peso é causado por algum tipo de falha moral. Genética, hormônios e todos os tipos de fatores externos têm um efeito enorme.


Mito 16: Gorduras Saturadas e Gorduras Trans são Similares ... Elas são as Gorduras "Ruins" que Precisamos Evitar
A Single Butter Curl
As organizações de saúde tradicionais, muitas vezes englobam as gorduras saturadas e as artificiais gorduras trans na mesma categoria ... chamando-as de gorduras "ruins".
É verdade que as gorduras trans são prejudiciais. Elas estão ligadas à resistência à insulina e à problemas metabólicos, aumentando drasticamente o risco de doenças do coração (72, 73, 74).
No entanto, a gordura saturada é inofensiva, então não faz absolutamente nenhum sentido agrupar esses dois tipos de gordura na mesma categoria.
Curiosamente, essas mesmas organizações também aconselham-nos a consumir óleos vegetais como óleos de soja e canola.
Mas estes óleos são efetivamente carregados com gorduras nocivas ... um estudo descobriu que 0,56-4,2% dos ácidos graxos destes são as gorduras trans tóxicas (75)!

    Conclusão: Muitas organizações de saúde tradicionais englobam as gorduras trans e gorduras saturadas na mesma categoria, o que não faz sentido. As gorduras trans são prejudiciais, gorduras saturadas não são.


Mito 17: A Proteína Rouba Cálcio dos Ossos e Aumenta o Risco de Osteoporose

Protein Rich Foods
Geralmente acredita-se que a ingestão de proteína aumente a acidez do sangue e roube cálcio dos ossos, levando à osteoporose.
Embora seja verdade que uma elevada ingestão de proteína aumenta a excreção de cálcio, a curto prazo, este efeito não persiste a longo prazo.
A verdade é que uma alta ingestão de proteína está ligada a um risco maciçamente reduzido de osteoporose e fraturas na velhice (76, 77, 78).
Este é um exemplo de onde seguir cegamente a sabedoria convencional nutricional terá o efeito oposto do que se pretendia!

   Conclusão: Numerosos estudos têm mostrado que comer mais proteína (e não menos) está ligado a um risco reduzido de osteoporose e fraturas.


Mito 18: Dietas Low-Carb (Baixo Teor de Carboidratos) são Perigosas e Aumentam seu Risco de Doença Cardíaca

As dietas low-carb têm sido populares por muitas décadas.
Man at a Restaurant Eating Steak
Profissionais da nutrição tradicional têm constantemente nos advertido que estas dietas irão acabar entupindo nossas artérias.
No entanto, desde o ano de 2002, mais de 20 estudos têm sido realizados sobre a dieta low-carb são responsáveis por uma maior perda de peso e reduzem a maioria dos fatores de risco de doenças do coração, mais do que a dieta de baixo teor de gorduras (79, 80).
Embora a maré esteja mudando lentamente, muitos "especialistas" ainda alegam que tais dietas são perigosas, então, continuam a promover o fracassado dogma de baixo teor de gordura que a ciência tem demonstrado ser totalmente inútil.
Claro, as dietas de baixo teor de carboidratos não são para todos, mas é muito claro que elas podem ter grandes benefícios para as pessoas com obesidade, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica ... alguns dos maiores problemas de saúde no mundo (81, 82, 83, 84).

    Conclusão: Apesar de terem sido demonizadas no passado, muitos novos estudos têm demonstrado que dietas de baixo teor de carboidratos (low-carb) são muito mais saudáveis do que as dietas de baixo teor de gorduras ainda recomendadas por tradicionais.


Mito 19: O Motivo Principal pelo qual o Açúcar é Nocivo, é Porque Fornece Calorias "Vazias"

Glass Full Of Sugar Cubes
Praticamente todos concordam que o açúcar não é saudável, quando consumido em excesso.
Mas muitas pessoas ainda acreditam que ele só é ruim, porque fornece calorias vazias.
Bem ... nada poderia estar mais longe da verdade.
Quando consumido em excesso, o açúcar pode causar graves problemas metabólicos (85, 86).
Muitos especialistas  atualmente acreditam que o açúcar pode ser a causa de alguns dos maiores assassinos do mundo ... incluindo obesidade, doenças cardíacas, diabetes e até mesmo câncer (87, 88, 89, 90).
Embora o açúcar seja aceitável em pequenas quantidades (especialmente para aqueles que são fisicamente ativos e metabolicamente saudáveis), pode ser um desastre completo quando consumido em excesso.

Mito 20: Óleos Refinados de Sementes e Óleos Vegetais como Soja e Milho Possuem Menores Teores de Colesterol e São Super Saudáveis

Óleos vegetais como os óleos de soja e milho são ricos em gorduras poli-insaturadas Omega-6, que foram demonstradas reduzir os níveis de colesterol.
Mas é importante lembrar que o colesterol é um fator de risco para doenças do coração, não uma doença em si.
Só porque alguma coisa melhora um fator de risco, isso não significa que ela irá afetar o problema final como ataques cardíacos ou morte ... que é o que realmente conta.
A verdade é que vários estudos têm mostrado que estes óleos aumentam o risco de morte, de ambas as doenças do coração e câncer (91, 92, 93).
Mesmo que estes óleos tenham sido demonstrados causar doença cardíaca e matar pessoas, as organizações de saúde tradicionais ainda estão nos dizendo para consumi-los.

Eles simplesmente não entendem ... quando substituímos alimentos de verdade por alimentos processados falsos, engordamos e adoecemos.
 Quantas décadas de "pesquisa" são necessárias para descobrirem isso?

Fonte:

http://eatlocalgrown.com/article/13256-mainstream-nutrition-myths-proved-wrong.html