Publicidade

Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Autismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Autismo. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Tratamento para o Autismo

 
 
AUTISMO - TRATAMENTO HOMEOPÁTICO E DIETA

  • CARCINOSINUM 30 CH, 5 gotas uma vez por dia.

Ou:
  • AETHUSA CYNAPIUM 200 CH, 5 gotas duas vezes por semana;
  • CALCAREA PHOSPHORICA 3 DH, 5 gotas duas vezes por dia.

Se houver hiperatividade:
  • STRAMONIUM 6 CH, 5 gotas duas vezes por dia.

Procure um bom médico homeopata e também averigue a possibilidade de fazer o detox de mercúrio, utilizando homeopatia. Hg (mercurius) 30 CH

Para dicas sobre a dieta GAPS para o autismo, déficit de atenção e outros, acesse: http://www.nossofuturoroubado.com.br/portal/entrevista-especial-com-a-dra-natasha-campbell-mcbride-feita-pelo-dr-joseph-mercola/

Fontes:
 
http://josemariaalves.blogspot.com.br/2009/07/autismo-tratamento-homeopatico.html

http://www.nossofuturoroubado.com.br/portal/entrevista-especial-com-a-dra-natasha-campbell-mcbride-feita-pelo-dr-joseph-mercola/

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Alumínio, Flúor e Glifosato - A Tríplice Tóxica que Provoca Autismo e Mal de Alzheimer

Glyphosate Poisoning

Tradução do artigo publicado por Dr. Mercola em 12/02/2015 e exibido em inglês em meu blog aqui.

O alumínio é uma neurotoxina conhecida, e de acordo com o professor Christopher Exley, da Universidade de Keele, os produtos contendo alumínio provavelmente estão contribuindo para o aumento do Mal de Alzheimer. Em um artigo publicado na revista Frontiers in Neurology (Fronteiras na Neurologia), ele escreve:
"Todos nós estamos acumulando uma conhecida neurotoxina em nosso cérebro desde a nossa concepção até a nossa morte. A presença de alumínio no cérebro humano deveria ser uma bandeira vermelha nos alertando de todos os perigos potenciais da era do alumínio.
Como sabemos se o Mal de Alzheimer não é a manifestação da toxicidade crônica do alumínio em seres humanos? "
Pessoas com toxicidade de alumínio apresentam muitos dos mesmos sintomas que aquelas com demência, doença de Parkinson, DDA (Distúrbio de Déficit de Atenção), autismo, e outras doenças neurológicas, e as evidências sugerem alumínio pode desempenhar um papel significativo no desenvolvimento dessas (e outras) doenças.
Ao tomar medidas para proteger a si mesmo, você pode minimizar a sua exposição ao mesmo tempo maximizar a capacidade do seu organismo a se livrar desse metal tóxico, o que irá direcioná-lo para uma vida longa e saudável, inclusive em seus últimos anos de vida.
Outras toxinas que devemos ter cuidado incluem o flúor e o glifosato. Todos estes são tóxicos, de maneira isolada, mas a pesquisa sugere que eles podem ser ainda mais perigosos em combinação.

Você Pode Estar Sendo Exposto a Mais Alumínio do que Você Possa Imaginar

O alumínio pode ser encontrado em uma ampla gama de produtos de consumo, incluindo:
  • Alimentos como o fermento (em pó), farinha com fermento, sal, fórmulas infantis (leite próprio para bebês), cremes para café, produtos de panificação, e alimentos industrializados ou processados, corantes, e antiespumantes.
  • Remédios (drogas), tais como antiácidos, analgésicos, antidiarreicos, e outros; aditivos, tais como estearato de magnésio.
  • Vacinas contra hepatites A e B, Haemophilus influenzae do tipo b (Hib), DTP (contra difteria, tétano e coqueluche), vacina pneumocócica, Gardasil (HPV), e outras.
  • Cosméticos e produtos de cuidados pessoais, como antitranspirantes, desodorantes (incluindo os de cristais de sal, feitos de alum), loções (cremes), protetores solares, e shampoos.
  • Produtos de alumínio, incluindo papel alumínio, latas, embalagens de suco, latas e garrafas de água.
De acordo com o CDC (Centers for Disease Control and Prevention - Centros para Controle e Prevenção de Doenças), a média que um adulto nos EUA (Estados Unidos da América) consome de alumínio por dia é cerca de sete a nove mg (miligramas) na comida, e uma menor quantidade através do ar e da água.
Aproximadamente um por cento do alumínio que você ingere por via oral é absorvido por seu corpo - o resto é destinado ao seu aparelho digestivo, desde que esteja funcionando bem. O alumínio restante pode ser depositado não apenas no tecido cerebral, mas também em seus nervos, ossos, fígado, coração, baço e músculo.
Enquanto um por cento pode parecer uma pequena quantidade, sua carga tóxica global irá depender da quantidade total de toxinas que você for exposto ao longo do tempo. Sua alimentação (dieta) e saúde digestiva também irão desempenhar um papel importante em quanto seu corpo é realmente capaz de eliminar.

A Exposição Ocupacional ao Alumínio Aumenta o Risco de Alzheimer

Um estudo de caso recém-publicado encontrou altos níveis de alumínio no cérebro de um homem que foi exposto ao alumínio no trabalho por oito anos. Mais tarde, ele morreu de Mal de Alzheimer.
Segundo os autores, é o primeiro caso que mostra uma ligação direta entre o Mal de Alzheimer e concentrações elevadas de alumínio no cérebro após uma exposição ocupacional.
Um estudo anterior sugeriu que o alumínio proveniente de alimentos e água potável podem estar contribuindo para o aumento das taxas de Mal de Alzheimer, observando que:
"Nos últimos anos, o interesse no papel potencial de metais na patogênese do Mal de Alzheimer tem aumentado consideravelmente.
Em particular, a neuro toxicidade do alumínio (Al) foi sugerida após a sua descoberta em placas senis e emaranhados neurofibrilares, que representam as principais características neuropatológicas do Mal de Alzheimer.
O alumínio é onipresente na vida cotidiana e pode entrar no corpo humano a partir de várias fontes, principalmente pelo consumo de água potável e de alimentos... Outros elementos presentes na água potável, como o flúor, cobre, zinco ou ferro também poderia ter um efeito sobre a deficiência cognitiva ou modificar qualquer neuro toxicidade do alumínio".
Na verdade, dezenas de estudos têm mostrado que o fluoreto provoca danos cerebrais e reduz o QI (Quociente de inteligência). O fluoreto emitido pelas plantas alumínio também tem sido relacionado à doenças em animais.
Os agricultores da Islândia, por exemplo, afirmam que seus animais estão ficando doentes pela contaminação com o flúor ambiental, alguns a ponto de terem de ser sacrificados. Outros relatam taxas mais elevadas de danos aos dentes e infertilidade entre os animais.
Outra estudo relacionado liga a exposição ocupacional ao alumínio ao desenvolvimento de fibrose pulmonar, uma condição na qual cicatrizes em seus pulmões tornam difícil de respirar. Neste caso, a exposição ocorreu durante o polimento do material Corian.
Apesar de tudo, parece razoável concluir que a combinação de alumínio, fluoreto, e / ou um número de outras toxinas podem promover o Mal de Alzheimer e uma série de outros problemas de saúde.

Os Pesticidas Também Podem Provocar Danos na Função Cerebral

Os pesticidas, por exemplo, também mostraram um efeito adverso sobre a função neurológica e saúde cerebral. Em um estudo, agricultores expostos à inseticidas organoclorados tiveram risco maior de 90 por cento de depressão em comparação com aqueles que não os usavam.
A exposição a fumegantes aumentou o risco de depressão em 80 por cento. Pessoas expostas a pesticidas também são mais propensas a terem a doença de Parkinson.

Claramente, quando se trata de toxinas, a menos que o produto químico seja altamente tóxico, o dano real ocorre quando o corpo se torna cronicamente sobrecarregado com eles, e a maioria das pessoas hoje em dia está exposta a milhares e talvez dezenas de milhares de produtos químicos diferentes no seu dia a dia.
Os agricultores não são os únicos que correm risco de efeitos adversos devido à exposição à pesticidas. O glifosato pode ser encontrado na maioria dos alimentos industrializados (processados) na alimentação (dieta) ocidental, uma cortesia do açúcar de beterraba, milho e soja transgênicos ou geneticamente modificados, e a pesquisa mostra que o glifosato aumenta os efeitos nocivos dos outros resíduos químicos e toxinas.
Enquanto quase quinhentas mil toneladas de glifosato são embebidas em ambas as culturas convencionais e transgênicas em todo o mundo a cada ano, colheitas geneticamente modificadas recebem as maiores quantidades. Carnes provenientes de animais criados confinados (CAFOs - Concentrated Animal Feeding Operations - Operações de Alimentação de Animais Concentrados) também podem conter maiores quantidades de resíduos de glifosato, pois a soja transgênica é a base da alimentação do gado convencional.
É muito importante entender que a contaminação do glifosato é sistêmica, o que significa que é integrada em cada célula da planta, da raiz às extremidades. Não é apenas um problema de contaminação superficial, como acontece com muitos outros produtos químicos agrícolas pulverizados nas culturas.

Normalmente, você precisa lavar bem o seu produto para remover os resíduos de pesticidas superficiais, mas você simplesmente não pode remover o glifosato de sua produção. E nem fabricantes de alimentos para humanos e animais que usam ingredientes transgênicos em seus produtos. Esta é parte integrante do que torna alimentos transgênicos tão prejudiciais à sua saúde.

Envenenamento Sinergético por Alumínio e Glifosato Provocam Autismo

Dra. Stephanie Seneff, uma cientista de pesquisa sênior do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), tem sido fundamental para educar as pessoas sobre os perigos de glifosato. No vídeo abaixo, ela explica como alumínio e o glifosato atuam juntos como venenos sinérgicos que promovem o autismo. Com base na tendência atual, Dra. Seneff prevê que, até 2025, metade de todas as crianças nascidas serão diagnosticadas com autismo. Claramente, temos de identificar os fatores ambientais principais que contribuem para esta tendência assustadora. A falta de vitamina D causada pela exposição ao sol inadequada é um fator. As deficiências nutricionais causadas pela má alimentação são outro.
As toxinas ambientais não devem ser esquecidas entretanto, e algumas toxinas - o glifosato e o alumínio inclusos - são muito mais perigosos e onipresentes do que outros, e são, portanto, susceptíveis de contribuir em um maior grau. Como o Dra. Seneff explica, o mecanismo de dano do glifosato o torna particularmente problemático. Na verdade, de acordo com o Dra. Seneff, o glifosato é, possivelmente, "o fator mais importante no desenvolvimento de várias doenças e condições crônicas que se tornaram prevalentes nas sociedades ocidentais", incluindo mas não se limitando a:
  • Autismo
  • Doenças gastrointestinais tais como doença inflamatória do intestino, diarreia crônica, colite e doença de Crohn
  • Obesidade
  • Alergias
  • Doença cardiovascular
  • Depressão
  • Câncer
  • Infertilidade
  • Mal de Alzheimer
  • Mal de Parkinson
  • Esclerose múltipla
  • Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e mais
Vídeo sobre o Autismo Explicando a Intoxicação Sinérgica por Alumínio e Glifosato, por Dra. Stephanie Senef (em inglês).

Dicas para Evitar Estas Toxinas Perniciosas

Parece bastante claro que a exposição ao alumínio desempenha um papel em doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer. Outras neurotoxinas, como o fluoreto e glifosato aumentam a carga tóxica. A melhor maneira de se proteger é ter cuidado com suas escolhas em alimentos e produtos de uso pessoal, e minimizar o uso de vacinas e outros medicamentos que são muitas vezes contaminados com alumínio. Otimizar o enxofre na dieta (alimentação) também é essencial, uma vez que seu corpo precisa de enxofre para a fabricação de sua arma número um contra sobrecarga de alumínio: a glutationa.
Ao tomar algumas medidas para proteger a si mesmo, você vai minimizar a sua exposição ao mesmo tempo maximizar a capacidade do seu organismo de se livrar desse metal tóxico, o que irá direcioná-lo para uma vida longa e saudável, assim como em seus últimos anos de vida. Para obter dicas e estratégias adicionais que podem ajudar a prevenir e / ou tratar o Mal de Alzheimer, por favor, veja o meu artigo anterior "Dois Empolgantes Avanços no Alzheimer: Um Teste Novo de Detecção Precoce Usando Manteiga de Amendoim, e um Estudo que Avaliando o Óleo de Coco" (em inglês).

A lista a seguir oferece uma série de sugestões de itens para se evitar, reduzir a sua exposição ao alumínio, fluoreto, o glifosato, e outros componentes prejudiciais ao cérebro:
  • Alimentos industrializados e refrigerantes. Isso irá ajudá-lo a evitar ambos ingredientes geneticamente modificados (que tendem a ser contaminados com glifosato) e alumínio. Além disso, a substituição de alimentos industrializados por alimentos orgânicos não industrializados irá reduzir drasticamente o nível de açúcar / ingestão de frutose, o que irá ajudar a normalizar a sua insulina e sensibilidade à leptina. Esta é, de fato, uma das melhores estratégias para proteger e preservar sua função cerebral e saúde em geral. Frutose e glúten são outros fatores dietéticos (alimentares) que promovem a doença de Alzheimer, e é melhor evitá-los, tanto quanto possível.
  • Frango mecanicamente desossado, que tende a possuir teores elevados de fluoreto como um resultado do processo.
  • Amálgamas dentárias. Restaurações de amálgama, que contêm 50 por cento mercúrio em peso, são uma das principais fontes de toxicidade de metais pesados. No entanto, você deve estar saudável antes de removê-las. Depois de ter se ajustado à dieta a seguir descrita no meu plano de nutrição otimizado (em inglês), você pode seguir o protocolo de desintoxicação de mercúrio (em inglês) e, em seguida, encontrar um dentista biológico para ter suas restaurações dentárias de amálgama removidas.
  • Cosméticos e produtos de cuidados pessoais que contenham alumínio, como antitranspirantes (incluindo cristais de sal, feitos de alum), loções, protetores solares, e xampus.
  • As vacinas contendo mercúrio ou (timerosal) e / ou alumínio.
  • Medicamentos que contêm alumínio, tais como antiácidos, analgésicos, antidiarreicos, e outros
  • Anticolinérgicos e estatinas. Drogas que bloqueiam a acetilcolina, um neurotransmissor do sistema nervoso, têm mostrado aumentar o risco de demência. Estes medicamentos incluem certos analgésicos noturnos, anti-histamínicos, soníferos, certos antidepressivos, medicamentos para controlar a incontinência, e certos analgésicos narcóticos. As estatinas são particularmente problemáticas porque elas suprimem a síntese do colesterol, esgotam os níveis de coenzima Q10 do seu cérebro e de precursores dos neurotransmissores, e impedem que a quantidade adequada de ácidos graxos essenciais e antioxidantes solúveis em gordura seja fornecida ao seu cérebro inibindo a produção da biomolécula transportadora indispensável conhecida como lipoproteína de baixa densidade.
  • Medicamentos fluorados, incluindo Cipro (Ciprofloxacino).
  • Água fluoretada
  • Creme Dental com Flúor e tratamentos em gel com fluoreto.
  • Panelas e utensílios de cozinha antiaderentes de Teflon que liberam flúor, mas também evitar outros produtos contendo alumínio, como latas, papel alumínio, embalagens de suco, latas e garrafas de água.

Ajude a Apoiar a Rotulação de GMO (Genetically Modified Organisms - Organismos Genticamente Modificados ou Transgênicos ou OGM)

O Grocery Manufacturers Association (GMA - Associação de Fabricantes dos Supermercados) - Irmã Gêmea Má da Monsanto - está retirando todos os alertas para mantê-lo no escuro sobre o que está em sua comida. Por quase duas décadas, a Monsanto e as corporações do agronegócio exerceram controle quase ditatorial sobre a agricultura americana.

Finalmente a opinião pública a respeito da contaminação exercida pela indústria de biotecnologia no abastecimento de alimentos e destruição do meio ambiente chegou a um ponto de inflexão. Estamos revidando.

A insanidade já foi longe demais, é por isso que eu os encorajo a boicotar cada produto produzido pelos membros da GMA, incluindo marcas naturais e orgânicas. Mais de 80 por cento do nosso apoio vem de consumidores como você, que entendem que a verdadeira mudança vem da base.

Felizmente, temos organizações como a Organic Consumers Association (OCA - Associação dos Consumidores Orgânicos) para lutar contra essas gigantes corporações. Então, por favor, lute pelo seu direito de saber o que está presente em sua comida e ajude a apoiar o movimento de rotulagem de GMOs, fazendo uma doação hoje.

Recursos da Internet Onde Você Pode Aprender Mais (em inglês)
Observações minhas, Sílen: 

O nocivo glifosato (N-(fosfonometil) glicina, C3H8NO5P) é o agente principal do Roundup, herbicida da Monsanto. Muitas plantas geneticamente modificadas ou transgênicas são simplesmente modificações genéticas para resistir ao glifosato. Este herbicida tóxico é pulverizado pesadamente em 84 por cento de todas as culturas de OGM (incluindo a soja, milho, algodão, canola e beterraba açucareira) é um "provável agente cancerígeno" e cada vez mais é aplicado como um dessecante pré-colheita, ou agente de secagem, em dezenas de outras culturas não-OGM, incluindo trigo, arroz, feijão, batata, cevada, aveia, linhaça, ervilhas, lentilhas, e cana-de-açúcar (fonte).

Dado o fato de que novos estudos revisados por pares condenando o glifosato, estão sendo publicados quase todas as semanas, a IARC pode muito bem reclassificar glifosato como um "conhecido agente cancerígeno" em um futuro próximo (fonte).

Fontes:

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2015/02/12/aluminum-fluoride-glyphosate-poisoning.aspx?e_cid=20150212Z1_DNL_NB_O_art_1&utm_source=dnl&utm_medium=email&utm_content=art1&utm_campaign=20150212Z1_DNL_NB_O&et_cid=DM67230&et_rid=839460929

https://pt.wikipedia.org/wiki/Glifosato