Tranduza (Translate)

Mostrando postagens com marcador Artrite. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Artrite. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Vídeo do Dr. William Davis: Trigo, o Grande Vilão

Entrevista com Dr. William Davis
Resumo do Livro Barriga de Trigo

21/09/2015.

Dr. Davis afirma que o trigo é um veneno crônico perfeito, ideal para desenvolver aquela famosa barriga, além de diabetes, artrites, doenças cardíacas, doenças crônicas, inflamações e muito mais. Ele é autor do livro: Barriga de Trigo.

Saiba mais sobre outros problemas relacionados ao trigo, nos seguintes links:



Há algumas receitas sem trigo em meu blog:



Fontes:


https://www.youtube.com/watch?v=vUNCL7tn6vg

https://www.youtube.com/watch?v=IX56ScjPM4Y

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Como Preparar o Óleo de Magnésio para o Uso Transdérmico

Blue Glass Bottle with Spray 4 oz Unit
15/09/2015 atualizado em 31/05/2017.

O Que é Óleo de Magnésio?

Em primeiro lugar, devo esclarecer: o óleo de magnésio não é um óleo. É simplesmente chamado de "óleo" de magnésio, devido a sensação oleosa da solução de cloreto de magnésio com água na pele. (Por favor note que este não é o mesmo magnésio encontrado no sal de Epsom ou Sal Amargo. O Sal de Epsom é o sulfato de magnésio. Este é o cloreto de magnésio e é mais adequado para a absorção transdérmica).


Você deverá aplicar o óleo de magnésio em sua pele com um frasco com borrifador, em seguida, esfregue-o e deixe sua pele absorvê-lo durante aproximadamente meia hora ou mais.


Por que usar o Óleo de Magnésio?


1) A maioria de nós possuímos uma deficiência de magnésio. No passado, obtínhamos o magnésio através do solo e do abastecimento de água, mas atualmente, o solo está empobrecido e nosso abastecimento de água potável está pobre em minerais. 


2) Você sabia magnésio é mais facilmente absorvido por via transdérmica, através da pele, do que é internamente (por via oral)?


3) O óleo de magnésio é uma forma útil, barata e simples de aplicar magnésio em sua pele. É essencial aprender a fazer óleo de magnésio!


Benefícios da Terapia Transdérmica de Magnésio (fonte a e fonte b)

  • Alivia dores musculares na coluna, bursites, tendinites;
  • Previne e trata artrites e osteoporose, pois faz com que o cálcio se deposite no local correto;
  • Ajuda nos casos de depressão pois aumenta a energia vital;
  • Atua beneficamente sobre o sistema nervoso;
  • Melhora o sistema imunológico e combate radicais livres;
  • Auxilia no tratamento de cálculos renais;
  • Auxilia a evitar crises epiléticas e convulsões;
  • Traz mais disposição e vitalidade para o dia a dia.
Contraindicação: Pacientes com deficiências renais devem usar o cloreto de magnésio com acompanhamento médico.

Como Preparar o Óleo de Magnésio

Encontrei esta receita em inglês, porém o magnésio utilizado não pode ser encontrado no Brasil.


Realizei alguns cálculos, baseados em dados encontrados e cheguei à conclusão que pode ser utilizado o cloreto de magnésio P.A.


O produto utilizado nos Estados Unidos é este:
Ancient Minerals Magnesium Bath Flakes - 1 xícara contém 15 g de magnésio elementar e 1/2 xícara = 7,5 g de magnésio elementar.


Este pode ser encontrado em farmácia comuns (algumas), pela internet ou manipulado (em farmácias de manipulação):

Composição do Cloreto de Magnésio P.A. – Ifal – 33 g
Cloreto de magnésio..... 33 g - Equivalente a 3,95 g de magnésio elementar

2 sachês equivalem a 7,9 g de magnésio elementar, pois 3,95 g (de magnésio elementar por sachê)*2(sachês)=7,9 g.

Ingredientes:

  • 2 sachês ou frascos de 33 g de cloreto de magnésio P.A. 
  • ½ xícara de água destilada (118 ml)
  • Tigela de vidro ou copo medidor de vidro
  • Um frasco com borrifador de vidro escuro (pode ser de plástico escuro também)
Instruções

Ferva a água destilada. É importante utilizar a água destilada para prolongar a vida útil da solução. Coloque o cloreto de magnésio em uma tigela de vidro ou em um copo medidor (de vidro) e despeje a água fervente sobre ele.

Mexa bem até dissolver completamente. Deixe esfriar completamente e guarde no frasco com borrifador. Pode ser armazenado à temperatura ambiente durante pelo menos seis meses.

Como Usar o Óleo de Magnésio


Borrife-o nos braços, pernas e barriga diariamente. Pode ocorrer uma sensação de leve coceira na pele (pinica levemente), isso é perfeitamente normal e de curta duração; este efeito desaparece após 10 a 20 minutos. Depois de um tempo de aplicação rotineira do óleo de magnésio, você provavelmente não vai mais experimentar esta sensação na pele. Use o óleo de magnésio, começando com 6 a 8 borrifadas por dia e aumente 1 borrifada a cada dia, até chegar a 20 borrifadas.


Você pode deixá-lo na pele ou lavá-lo depois de 30 minutos da aplicação. Eu costumo aplicar o óleo de magnésio após o banho e, em seguida, uso o óleo de coco como hidratante, cerca de 5 minutos mais tarde. Não pode haver cremes hidratantes na pele, antes da aplicação do óleo de magnésio.


8 borrifadas equivalem a aproximadamente 100 mg de magnésio elementar na pele (fonte).

OBS: Caso não tenha a água destilada, utilize a filtrada, mas faça em quantidade menor (1 sachê de cloreto de magnésio P.A. para 1/4 de xícara de água filtrada ou 59 ml) e conserve-o na geladeira (em frasco de vidro escuro).


Para saber sobre a suplementação oral do magnésio, clique aqui.


Para saber sobre as vantagens do uso do magnésio transdérmico X oral, clique aqui.

Possuo um grupo fechado no Facebook, caso queiram participar cliquem em: https://www.facebook.com/groups/1549025805353560/

Fontes:


http://wellnessmama.com/5804/make-your-own-magnesium-oil/


http://www.foodrenegade.com/how-make-magnesium-oil/


http://emporiosaudeevida.com.br/produto/cloreto-de-magnesio-pa-ifal-33g/


http://www.radiantlifecatalog.com/product/ancient-minerals-magnesium-bath-flakes/salts-minerals/?a=58535


http://boaspraticasfarmaceuticas.blogspot.com.br/2014/09/terapia-transdermica-de-magnesio.html


http://amigosdacura.ning.com/profiles/blogs/super-mineral?xg_source=msg_mes_network

https://www.foodgeeks.com/resources/conversion_charts

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Vitamina B-3 ou Niacina: a Cura de Várias Doenças Mentais e Físicas

                                                                     

Tradução do artigo médico encontrado neste site e também em meu blog (em inglês) aqui.

Vitamina B-3: Niacina e suas Amidas por Dr. A. Hoffer (M. D., Ph.D)

As primeiras vitaminas hidrossolúveis foram enumeradas em sequência de acordo com a prioridade da descoberta. Mas depois de determinar sua estrutura química, elas receberam nomes científicos. A terceira a ser descoberta foi a vitamina anti-pelagra que já existia, a niacina. Mas o uso do número B-3 não ficou na literatura por muito tempo. Ele foi substituído por ácido nicotínico e os sua amida (também conhecida medicamente como niacina e sua amida). O nome foi alterado para eliminar a semelhança com a nicotina, um veneno. (OBS: A Niacina também é conhecida por vitamina B-3, vitamina PP ou ácido nicotínico).


O termo vitamina B-3 foi reintroduzido pelo meu amigo Bill W., co-fundador dos Alcoólicos Anônimos, (Bill Wilson). Nós nos conhecemos em Nova York em 1960, Humphry Osmond e eu o apresentamos a ele o conceito da terapia de mega vitamina. Nós descrevemos os resultados que tínhamos visto com os nossos pacientes esquizofrênicos, alguns dos quais também eram alcoólatras. Também contamos a ele sobre as suas muitas outras propriedades. Foi terapêutica para a artrite, para alguns casos de senilidade e reduziu os níveis de colesterol. 

Bill estava muito curioso sobre isso e começou a tomar niacina, 3 g por dia (OBS: 3 g são iguais a 3000 mg, 1000 mg três vezes ao dia, logo após refeições). Após algumas semanas, a fadiga e depressão que o assolavam há anos se foram. Ele deu a niacina a 30 de seus amigos mais próximos do AA (Alcoólicos Anônimos) e os persuadiu a experimentá-la. 

Dentro de 6 meses, ele estava convencido de que seria muito útil para os alcoólatras. Dos trinta, 10 estavam livres de ansiedade, tensão e depressão após um mês. Após dois meses, outros 10 melhoraram também. Ele decidiu que os termos químicos ou médicos para esta vitamina não estavam adequados. Ele queria persuadir os membros de AA, especialmente os médicos no AA, que esta seria uma adição útil para o tratamento e ele precisava de um nome que seria mais popular. Ele me perguntou os nomes que tinham sido usados. Eu disse a ele que ela era originalmente conhecida como vitamina B-3. Este era o nome que Bill queria. Em seu primeiro relatório aos médicos no AA, ele a chamou de "A Terapia da Vitamina B-3". Milhares de cópias deste extraordinário folheto foram distribuídas. Eventualmente, o nome voltou e ainda hoje, as revistas médicas mais conservadoras estão usando o termo vitamina B-3. 


Bill tornou-se impopular com os membros do conselho do AA Internacional. Os membros médicos que haviam sido nomeados por Bill, acharam que ele não "tinha nada que mexer" com o tratamento, usando vitaminas. Eles também "achavam" que a vitamina B-3 não podia ser terapêutica como Bill havia descoberto que era. Por isso, Bill forneceu informações para os membros médicos do AA de fora do Conselho Nacional, distribuindo três de seus impressionantes folhetos. Eles não se encontram facilmente disponíveis.


A vitamina B-3 existe como amida na natureza, no Dinucleótido de nicotinamida e adenina (NAD) ou nicotinamida adenina dinucleotídeo ou ainda difosfopiridina nucleotídeo. A nicotinamida e a niacina puras são sintéticas. A niacina era conhecida como um químico há cerca de 100 anos antes de ter sido reconhecida como a vitamina B-3. É feita a partir da nicotina, um veneno produzido na planta do tabaco para proteger-se contra os seus predadores, mas na maravilhosa economia da natureza, que não desperdiça nenhuma estrutura, quando a nicotina é simplificada, quebrando-se um de seus anéis, torna-se a imensamente valiosa vitamina B-3. A vitamina B-3 é produzida no corpo a partir do aminoácido triptofano. Em média 1 mg de vitamina B-3 é feita a partir de 60 mg de triptofano, cerca de 1,5%. Uma vez que é feita no corpo,ela não se enquadra na definição de uma vitamina; estas são definidas como substâncias que não podem ser feitas. Deveria ter sido classificada com os aminoácidos, mas o longo período de uso do nome vitamina, deu-lhe um estado permanente como uma vitamina. A taxa de conversão de 1,5% é um compromisso da conversão do triptofano em N-metilnicotinamida e os seus metabólitos nos seres humanos. Eu suspeito que um dia, em um futuro distante nenhum triptofano será convertido em vitamina B-3 e, então, ela será realmente uma vitamina. De acordo com Horwitt [1], o valor convertido não é fixo, mas varia de acordo com o paciente e as condições. Por exemplo, as mulheres grávidas em seus últimos três meses de gravidez convertem triptofano em metabólitos de niacina, três vezes mais eficientes do que em mulheres não-grávidas. Também há evidências de que os estrogênios esteroides contraceptivos, estimulam o triptofano oxigenase, a enzima que converte o triptofano em niacina.


Essa observação levanta algumas especulações interessantes. As mulheres, em média, vivem mais que os homens. Foi mostrado que dar niacina aos homens aumenta a sua longevidade. [2] O aumento da longevidade nas mulheres é o resultado de uma maior conversão do triptofano em niacina sob o estímulo do aumento do mesmo na produção de estrogênio? O mesmo fenômeno explica a diminuição da incidência de doença coronariana nas mulheres? 


A doença mais conhecida provocada pela deficiência desta vitamina ou hipovitaminose é a pelagra. Mais precisamente, é uma doença que ocorre devido a deficiência de triptofano, já que ele pode curar as fases iniciais desta doença. A Pelagra era endêmica no sul dos EUA até o início da última guerra mundial. Ela pode ser descrita pelos quatro Ds: dermatite, diarreia, demência e morte (death). A demência é um fenômeno da fase tardia. Nas fases iniciais da doença, ela se assemelha muito mais às esquizofrenias, e com dificuldade, podem ser distinguidas delas. A único método seguro utilizado pelos primeiros especialistas em Pelagra consistia em administrar pequenas quantidades de ácido nicotínico a seus pacientes nos hospitais psiquiátricos


Indicações

Tenho estado envolvido no estabelecimento de dois dos principais usos para a vitamina B-3, sem levar em consideração o seu papel na prevenção e no tratamento da pelagra. Trata-se de sua ação na redução dos níveis elevados de colesterol [3] e em elevar os níveis de colesterol de lipoproteína de alta densidade (HDL, o "bom colesterol"), e seu papel terapêutico nas esquizofrenias e outras condições psiquiátricas. Descobriu-se que a mesma é útil para muitas outras doenças ou condições. Estes são os transtornos psiquiátricos, incluindo crianças com dificuldades de aprendizagem e comportamentais; os vícios, incluindo alcoolismo e toxicodependência; as esquizofrenias e alguns dos estados senis. A eficácia desta vitamina para um grande número de condições, ambas físicas e mentais, é uma vantagem para os pacientes e seus médicos que usam a vitamina, mas é difícil de ser aceita pela profissão médica que se baseia na crença de que deve haver uma droga (medicamento) para cada doença, e que, quando qualquer substância parece ser muito eficaz para muitas condições, deve-se inteiramente ao seu efeito placebo, algo como os antigos óleos de cobra.

Eu pensei sobre isso por muito tempo e, no ano passado, percebi que esta vitamina é tão versátil, pois ela ameniza ou alivia o corpo do efeito pernicioso de estresse crônico. Ela libera o organismo para que ele exerça a sua função de rotina de se reparar de forma mais eficiente. A recente empolgação na medicina é o reconhecimento de que a peroxidação, a formação de radicais livres, é um dos processos básicos prejudiciais ao organismo. Estas moléculas hiper excitadas destroem moléculas e danificam os tecidos ao nível celular e ao nível do tecido.


Todos os tecidos vivos que dependem de oxigênio para a respiração tem que se proteger desses radicais livres. As plantas usam um tipo de antioxidante e os animais usam outro tipo. Felizmente, existe uma ampla sobreposição e os mesmos antioxidantes, tais como a vitamina C, são utilizados por ambos plantas e animais. Há um reconhecimento crescente de que o sistema adrenalina-adrenocromo desempenha um papel importante nas reações ao estresse. Eu elaborei isto em um novo relatório para este periódico. [4] 


As catecolaminas, das quais a adrenalina é o exemplo mais conhecido, e os aminocromos, dos quais adrenocromo é o exemplo mais conhecido, estão intimamente envolvidos em reações de estresse. Portanto, para moderar a influência do estresse ou para anulá-lo, deve-se usar compostos que impedem que essas substâncias danifiquem o organismo. A vitamina B-3 é um antídoto específico para a adrenalina, e os antioxidantes tais como a vitamina C, vitamina E, beta-caroteno, selênio e outros protegem o corpo contra o efeito dos radicais livres, removendo-os mais rapidamente do corpo. Qualquer doença ou condição que for relacionada ao estresse deve, portanto, responder ao uso combinado de vitamina B-3 e estes antioxidantes, desde que todos eles sejam dados em doses adequadas, sejam pequenas ou grandes, como na terapia ortomolecular. Por isso, vou listar brevemente as muitas indicações para o uso de vitamina B-3. 


Para cada condição, vou descrever um caso para ilustrar a resposta terapêutica. Para cada condição eu poderia me referir a centenas e milhares de casos que já descrevi anteriormente na literatura, muitos deles em detalhes. [5] 


Psiquiátricos:

1) Esquizofrenias. Revisei-o para este periódico. [6]

2) Crianças com Dificuldades de Aprendizagem e / ou Distúrbios Comportamentais.

 Em 1960, Bruce, um menino de sete anos de idade, veio me ver com o seu pai. Bruce tinha sido diagnosticado como retardado mental. Ele não sabia ler, não conseguia se concentrar, e estava desenvolvendo sérios problemas comportamentais, tais como "matar aula" sem o conhecimento de seus pais. Ele estava sendo preparado para turmas especiais para retardados. Ele excretava grandes quantidades de criptopirrol, a primeira criança a ser testada. Comecei a administrar nicotinamida nele, um grama três vezes ao dia. Dentro de quatro meses, ele estava bem. Ele se formou no ensino médio, agora está casado, plenamente empregado e pagando imposto de renda. Ele é um caso entre mais de 1500 pacientes que tenho visto desde 1960. 

O tratamento atual é mais complicado, conforme descrito neste Periódico. [7]


3) Estado de Confusão Mental Orgânico, formas de demência não-Alzheimer, distúrbios de memória induzidos por terapia eletroconvulsiva.

Em 1954, eu observei como o ácido nicotínico aliviou um caso grave de amnésia pós Terapia Eletroconvulsiva em um mês. Desde então, tenho rotineiramente prescrito o mesmo em conjunto com a Terapia Eletroconvulsiva para reduzir significativamente o distúrbio de memória que pode ocorrer durante e após o tratamento. Eu nunca faria qualquer Terapia Eletroconvulsiva em um paciente sem o uso concomitante de ácido nicotínico. É muito útil, especialmente em formas de demência induzidas por problemas cardiovasculares e reverte a aglomeração das hemácias, permitindo a oxigenação adequada das células do corpo. Para mais informações consulte a Terapia de Niacina na Psiquiatria. [8] 

Em setembro de 1992, o Sr. C., 76 anos de idade, pediu ajuda com memória dele. Ele estava muito esquecido. Sempre que ele decidia fazer algo, quando ele chegava onde ele queria, ele já tinha se esquecido do que queria fazer. Sua memória de curto prazo estava muito ruim e sua memória de longo prazo estava começando a ser afetada. Eu o coloquei em um programa abrangente de vitaminas, incluindo a administração da vitamina niacinamida 1,5 g por dia. Dentro de um mês, ele começou a melhorar. Eu adicionei niacina em seu programa. E até fevereiro de 1993, ele ficou normal. Em 26 de abril de 1993, ele me disse que estava tão bem que ele concluiu já não precisava de niacina e diminuiu a dose de 3,0 g para 1,5 g por dia. Ele manteve-se o restante do programa. Em pouco tempo, ele notou que sua memória de curto prazo estava falhando novamente. Eu o aconselhei a tomar a dose completa pelo resto de sua vida. 


4) Um antídoto contra a d-LSD, 9,10 e contra adrenocromo. [5] 


5) O alcoolismo.

Bill W. conduziu o primeiro ensaio clínico do uso de nicotínico para o tratamento de membros dos Alcoólicos Anônimos. [11] Ele descobriu que 20 dos trinta indivíduos se sentiram aliviados de sua ansiedade, tensão e fadiga após dois meses tomando essa vitamina, 1 g três vezes ao dia. Achei muito útil no tratamento de pacientes que eram alcoólatras e esquizofrênicos. O primeiro grande ensaio foi conduzido por David Hawkins que relatou uma taxa de recuperação superior a 90% em cerca de 90 pacientes. Desde então, tem sido usado por muitos médicos que tratam alcoólatras. Dr. Russell Smith em Detroit relatou a maior série de pacientes. [12]

Físicas

1. Cardiovascular 
Das duas principais constatações feitas pelo meu grupo de pesquisa em Saskatchewan, a conexão do ácido nicotínico ao colesterol é bem conhecida e o Ácido Nicotínico é usado em todo o mundo como um composto econômico, eficaz e seguro para baixar o colesterol e elevar o colesterol de alta densidade (HDL). Como um resultado do meu interesse no ácido nicotínico, Altschul, Stephen e Hoffer [3] descobriram que esta vitamina, administrada em doses de gramas por dia, reduziu os níveis de colesterol. Desde então, observou-se também que o mesmo elevava o colesterol de lipoproteínas de alta densidade (HDL) e por conseguinte, tornando a razão entre o colesterol total e o HDL (colesterol total/ HDL) inferior a 5. 

No Estudo Nacional Coronário, Canner [2] mostrou que o ácido nicotínico (niacina) diminuiu a mortalidade e prolongou a vida. Entre 1966 e 1975, cinco medicamentos foram usados para reduzir os níveis de colesterol e foram comparados com placebo em 8.341 homens, com idades entre 30 e 64, que haviam sofrido um infarto do miocárdio, pelo menos, três meses antes de entrar no estudo. Cerca de 6000 estavam vivos no final do estudo. Nove anos depois, somente a niacina reduziu significativamente a taxa de mortalidade de várias causas. A mortalidade diminuiu 11% e a longevidade aumentou dois anos. A taxa de mortalidade por câncer também foi reduzida. Este foi um achado muito afortunado, porque ele levou à aprovação desta vitamina em mega doses pela FDA para problemas de colesterol e permitiu o uso desta vitamina em grandes doses para outras doenças também. 


Isso ocorreu num momento em que a FDA estava fazendo o máximo para não reconhecer o valor da terapia de megavitaminas. A posição dela não se alterou ao longo das últimas quatro décadas. 


Nossa descoberta deu início à segunda grande onda de interesse em vitaminas. A primeira onda começou por volta de 1900, quando foi demonstrado que estes compostos eram muito eficazes em pequenas doses no tratamento de doenças provocadas pela deficiência dessas vitaminas e na prevenção da sua ocorrência. Nesta fase o uso de vitaminas foi preventivo. Na segunda onda foi reconhecido que elas têm propriedades terapêuticas que não estão diretamente relacionadas com doenças de deficiência de vitaminas, mas devem ser usadas em doses elevadas. Esta foi a segunda ou onda atual em que as vitaminas são mais usadas para tratamento de doenças do que para doenças provocadas por carência de vitaminas. Nossa descoberta de que o ácido nicotínico era um composto hipocolesterolêmico é creditada como o primeiro passo para iniciar a segunda onda e abriu o caminho para a medicina ortomolecular, que surgiu após vários anos mais tarde.


2. Artrite 

Eu observei pela primeira vez os efeitos benéficos da vitamina B-3 em 1953 e 1954. Eu estava explorando os potenciais benefícios e efeitos colaterais dessa vitamina. Muitos dos pacientes que tomavam esta vitamina, informaram após vários meses que sua artrite estava melhor. A princípio, isso foi uma surpresa já que na história psiquiátrica, eu não havia perguntado sobre dor nas articulações. Este relato de melhora aconteceu por tantas vezes que eu não podia ignorá-lo. Alguns anos mais tarde, eu descobri que Prof. W. Kaufman havia estudado o uso desta vitamina para as artrites antes de 1950 e já havia publicado dois livros que descreviam seus  notáveis resultados. [13] Desde então, esta vitamina tem sido um componente muito importante na dieta ortomolecular para o tratamento da artrite. 

O seguinte caso ilustra que resposta pode ocorrer e a complexidade da dieta ortomolecular. Os pacientes com artrite na fase inicial respondem com uma eficácia muito maior e não ficam com nenhuma sequela residual.


K.V. veio ao meu escritório em 15 de abril de 1982, ela estava em uma cadeira de rodas empurrada pelo marido. Ela estava exausta, deprimida, e ela foi uma das pacientes mais graves que eu já vi. Ela pesava menos de 41 kg. Ela se sentava na cadeira sobre seus tornozelos, que estavam cruzados sob seu corpo, porque ela não conseguia esticar suas pernas. Seus braços ficavam em frente a ela, perto de seu corpo, e seus dedos estavam permanentemente deformados em forma de garra. Ela me disse estava profundamente deprimida há muitos anos por causa da dor e da sua deficiência. Enquanto ela vinha sendo trazida na cadeira de rodas para o meu consultório, notei como estava doente e imediatamente concluí que não havia nada que eu pudesse fazer por ela, e tinha que descobrir um jeito de falar isso para ela, sem deixá-la mais desesperada ainda. No entanto, mudei de ideia quando, de repente, ela disse: "Dr. Hoffer, eu sei que ninguém pode me curar, mas se você pudesse somente me ajudar com a minha dor. A dor nas costas é insuportável. Eu só quero me livrar da dor nas minhas costas ". Percebi, então, que ela tinha muita determinação e força de vontade e que valia a pena tentar ajudá-la. 


Ela começou a sofrer de fortes dores em suas articulações em 1952. Em 1957, ela foi diagnosticada com artrite. Até 1962 sua condição oscilou e então ela tinha que ir para uma cadeira de rodas durante alguma parte do dia. Ela ainda era capaz de andar, embora não por muito tempo até 1967. Em 1969, ela passou a depender da cadeira de rodas na maior parte do tempo, e em 1973, ela estava lá permanentemente. Por algum tempo ela foi capaz de impulsionar-se com os pés. Depois, ela ficou permanentemente dependente de ajuda. Durante os três anos anteriores a consulta dela comigo, ela tinha ficado sob cuidados em casa, mas a maioria deles foram feitos por seu marido. Ele havia se aposentado do trabalho, quando os vi pela primeira vez. Ele fornecia o cuidado de enfermagem equivalente a quatro enfermeiras em turnos de 8 horas, incluindo o tempo de férias. Ele tinha que levá-la ao banheiro, dar-lhe banho, cozinhar e alimentá-la. Ele estava tão exausto quanto ela, mas ele estava disposto a continuar. 


Ela havia sido severamente deformada, especialmente as mãos, sofria dores contínuas, que eram piores em seus braços, quadris e costas. Seus tornozelos estavam muito inchados e ela tinha que usar bandagens de compressão. Seus músculos também doíam muito a maior parte do dia. Ela conseguia alimentar-se e fazer crochê com seus poucos dedos úteis, mas o que deveria ser extremamente difícil. Ela não conseguia escrever nem datilografar, o que ela costumava fazer com um lápis. Poucos meses antes, ela havia tentado suicídio. No auge desta dor e desconforto severos, ela não tinha apetite algum, nem sentia fome e comer uma refeição completa provocava náuseas nela. A pele dela estava seca, tinha manchas de eczema, e tinha manchas brancas em suas unhas. 


Aconselhei-a a eliminar o açúcar, batatas, tomates e pimentas, (cerca de 10% das pessoas com artrite têm reações alérgicas às plantas da família das solaninas). Ela tinha que tomar 500 mg de niacinamida quatro vezes ao dia (de acordo com o trabalho de W. Kaufman), 500 mg de ácido ascórbico quatro vezes ao dia (um nutriente como anti-stress e para o escorbuto subclínico), 250 mg de piridoxina (vitamina B6) por dia (Dr. J. Ellis verificou que esta vitamina possui propriedades que combatem a artrite), 220 mg de sulfato de zinco por dia (as manchas brancas em suas unhas indicavam que ela possuía deficiência em zinco), 2 colheres de sopa de óleo de linhaça e 1 colher de sopa de óleo de fígado de bacalhau por dia (sua condição da pele indicava que ela tinha uma deficiência de ômega-3). O tratamento detalhado da artrite e as referências estão descritos no meu livro. [14] 


Um mês depois, um novo casal entrou em minha sala. Seu marido estava sorrindo, relaxado e alegre, conforme ele empurrava a cadeira de rodas de sua esposa. Ela estava sentada com as pernas para baixo, sorrindo também. Imediatamente, eu soube que ela estava muito melhor. Comecei a perguntar a ela sobre os vários sintomas que tivera anteriormente. Depois de alguns minutos ela impacientemente me interrompeu e disse: "Dr. Hoffer, a dor nas costas foi embora completamente." Não saía mais sangue em suas fezes, ela não tinha mais feridas pelo corpo todo, ela se sentia mais confortável, e a dor nas costas havia sido facilmente controlada com aspirina e havia desaparecido de seus quadris, (não funcionava antes). Ela estava alegre e ria no meu escritório. Seu coração estava finalmente regular. Eu acrescentei 500 mg de Hexanicotinato de
Inositol quatro vezes ao dia em seu programa. 

Ela voltou em 17 junho de 1982, e havia melhorado ainda mais. Ela era capaz de levantar-se a partir da posição de bruços (posição prona) em sua cama pela primeira vez em 15 anos, e ela estava livre da depressão. Aumentei seu ácido ascórbico para 1 grama quatro vezes por dia e adicionei 800 UI de vitamina E . Porque ela tinha apresentado essa melhora drástica, aconselhei-a não vir mais me ver. 


Em 01 de setembro de 1982, ela me ligou. Eu perguntei como ela estava. Ela disse que estava fazendo ainda mais progressos. Eu, então, perguntei-lhe como tinha sido capaz de chegar ao telefone. Ela respondeu que ela estava conseguindo se locomover sozinha com sua cadeira de rodas. Depois acrescentou que não tinha ligado por causa dela, mas por causa de seu marido. Ele estava resfriado há alguns dias, e ela estava cuidando dele, e queria alguns conselhos para ele. 


Depois de mais uma visita 28 de outubro de 1983, escrevi para o médico dela "Hoje a senhora KV informou que ela havia seguido todo o programa de vitaminas muito rigorosamente por 18 meses, mas depois daquele tempo, tinha relaxado um pouco. Ela estava recuperando muito da sua força muscular, agora podia se sentar em sua cadeira de rodas sem dificuldade, podia também se locomover com sua cadeira de rodas, mas, é claro, não podia fazer nada de útil com as mãos, porque os dedos eram terríveis. Ela gostaria de se tornar mais independente e talvez conseguisse fazê-lo, se algo pudesse ser feito em seus dedos e também em seu quadril. Fiquei muito feliz ao saber que ela havia providenciado um cirurgião plástico para ver se algo poderia ser feito para recuperar o movimento das mãos. Pedi-lhe que continuasse com as vitaminas, mas ela tinha dificuldade em tomar tantas pílulas, então ela iria passar a tomar um preparado chamado Multijet, que viria de Portland e continha todas as vitaminas e minerais e podia ser dissolvido em suco. Ela também tomaria 3 gramas por dia do
Hexanicotinato de Inositol

"Eu a vi de novo 24 de março de 1988, cerca de 4 de suas vértebras tinham colapsado e ela estava sentindo mais dor, a qual estava sendo aliviada por Darvon. Não tinha sido possível tratar as mãos cirurgicamente. Ela conseguia comer sozinha, até seis meses antes desta última visita. Ela estava tomando pequenas quantidades de vitaminas. Ela era capaz de usar uma cadeira motorizada. E estava deprimida. Escrevi para o médico: "Ela tinha saído do programa total de vitaminas há cerca de dois ou três anos. Era muito difícil para ela engolir tantas cápsulas e eu consigo entender a sua relutância em continuar com o programa. No entanto, sugeri que ela tomasse as vitaminas do programa mínimo que incluía 3 gramas diárias de
Hexanicotinato de Inositol, 1 grama do ácido ascórbico três vezes ao dia, 2 cápsulas de óleo de linhaça e 2 cápsulas de óleo de fígado de bacalhau por dia. Ela era forte e eu achava que ela estava se recuperando bem, considerando a grave deterioração que seu corpo sofreu, devido à artrite ao longo das últimas décadas. "Ela foi vista pela última vez pelo seu médico, no outono de 1989. 

O marido dela havia sido encaminhado a mim. Eu o vi em 18 de maio de 1982. Ele queixava-se de dores de cabeça e uma sensação de pressão sobre sua cabeça presente por três anos. Isto precedeu uma série de AVCs leves. Eu o aconselhei a tomar 3 gramas de niacina por dia, além de outras vitaminas, incluindo a vitamina C. Em setembro de 1983, ele estava bem e quando o vi no dia 24 de março de 1988, ele ainda estava normal.


3. Diabetes  Juvenil ou Tipo 1

Dr. Robert Elliot, professor da Pesquisa de Saúde Infantil na Universidade de Escola Médica de Auckland testou 40.000 crianças de cinco anos de idade, para verificar a presença de anticorpos específicos que indicavam se o diabetes iria se desenvolver. Aqueles que tivessem os anticorpos tomariam nicotinamida. Isto iria prevenir o desenvolvimento do diabetes na maioria das crianças vulneráveis. De acordo com o rotariano de março de 1993, este projeto havia começado há 8 anos e tinha 3.200 parentes no estudo. Destes, 182 tinham os anticorpos e 76 tomaram nicotinamida. Apenas 5 tornaram-se diabéticos em comparação a 37 que deveriam ter se tornado diabéticos, caso não tivessem tomado a nicotinamida. Desde 1988 mais de 20.100 crianças em idade escolar foram testadas. Nenhuma tornou-se diabética em comparação a 47 do grupo controle. Um estudo semelhante está em andamento em Londres, Ontário. 

4. Câncer 

Descobertas recentes demonstraram que a vitamina B-3 tem propriedades anti-cancerosas. Isso foi discutido em uma reunião no Texas em 1987, Jacobson e Jacobson. [15] O tema desta conferência internacional foi "A Niacina, Nutrição, Ribosilação do ADP e Câncer", e foi a oitava conferência desta série.

A niacina, niacinamida e dinucleótido de nicotinamida e adenina (NAD) são interconversíveis através do ciclo de nucleótidos de piridina. NAD, a coenzima, é hidrolisada ou dividida em niacinamida e adenina dinucleotídeo fosfato (ribose ADP). Niacinamida é convertida em niacina, que por sua vez é mais uma vez incorporada ao NAD. A enzima que divide o ADP é conhecida como poli (ribose ADP) polimerase, ou poli (ADP) sintetase, ou poli (ribose ADP) transferase. Poli (ribose ADP) polimerase é ativada quando as ligações do ácido desoxirribonucléico (DNA) são quebradas. A transferência da enzima NAD para o polímero de ribose ADP, ligando-o a uma série de proteínas. O poli (ribose ADP) é ativado por quebras de DNA ajudando a reparar as mesmas, desenrolando a estrutura  de nucleossomo de cromatitas danificadas. Também pode aumentar a atividade de DNA-ligase. Esta enzima elimina partes danificadas das cadeias de DNA e aumenta a capacidade da célula de se regenerar. Danos causados por qualquer fator cancerígeno, radiação, produtos químicos, são neutralizados ou combatidos.

Jacobson e Jacobson, os organizadores da conferência, criaram a hipótese de que a niacina previne o câncer. Trataram dois grupos de células humanas com agentes cancerígenos. O grupo que recebeu niacina adequada desenvolveu tumores a uma taxa de apenas 10% da taxa do grupo que era deficiente em niacina. Dr. M. Jacobson é citado por dizer: "Sabemos que a dieta é um fator de risco, que a dieta tem tanto componentes benéficos e prejudiciais. O que não podemos estimar neste momento é a quantidade ideal de niacina na dieta ... O fato de que não temos pelagra não significa que estamos recebendo a quantidade de niacina suficiente para conferir resistência ao câncer. "Cerca de 20 mg por dia de niacina impedirão a pelagra em pessoas que não são propensas à pelagra crônica. Estas últimas podem exigir 25 vezes mais niacina para permanecerem livres da pelagra. 
A vitamina B-3 pode aumentar a eficácia terapêutica do tratamento anti-câncer. Em ratinhos, a niacinamida aumentou a toxicidade da radiação contra tumores. A combinação de carbogênio normobárico com nicotinamida pode ser um método eficaz para aumentar a sensibilidade à radiação em radioterapia do tumor clínico, onde a hipóxia limita o resultado do tratamento. Chaplin, Horsman e Aoki16 descobriram que a nicotinamida é a melhor da droga para aumentar a radiossensibilidade em comparação com uma série de análogos. A vitamina funcionou porque aumentou o fluxo de sangue para o tumor. Nicotinamida também aumentou o efeito da quimioterapia. Eles sugeriram que a niacina pode oferecer proteção cardíaca durante a quimioterapia adriamicina a longo prazo.
Outra evidência de que a vitamina B-3 está relacionada ao câncer é o relato por Nakagawa, Miyazaki, Okui, Kato, Moriyama e Fujimura [17] que, em animais existe uma relação direta entre a atividade de nicotinamida N-metil transferase e a presença de câncer. A medição da quantidade de nicotinamida N-metil transferase foi usada para aferir a atividade da enzima. Em outras palavras, em animais com câncer há um aumento da destruição de nicotinamida, tornando assim menos disponível para o ciclo de piridina nucleótidos. Esta descoberta aplica-se a todos os tumores sólidos, exceto os tumores do carcinoma do pulmão de Lewis, e melanoma B-16. 
Dr. Gerson [18] tratou uma série de pacientes de câncer com dietas especiais e com alguns nutrientes incluindo 50 mg de niacina de 8 a 10 vezes por dia, o fosfato dicálcico, com a vitamina D, vitaminas A e D, e injeções de fígado. Ele verificou que todos os pacientes de câncer foram beneficiados: alguns tornaram-se mais saudáveis e em muitos casos, os tumores regrediram. Em um relatório posterior, Dr. Gerson elaborou sua dieta. Ele então enfatizou uma dieta com altas taxas de potássio em oposição a baixos níveis de sódio, ácido ascórbico, niacina, levedura de cerveja e iodo (Lugol). Logo depois da guerra não havia pronto fornecimento de vitaminas, como existe hoje. Gostaria de considerar o uso desses nutrientes em uma combinação muito original e empreendedora. Dr. Gerson foi o primeiro médico a enfatizar o uso de multivitaminas e alguns multiminerais. Mais detalhes estão em Hoffer. [19] 
Uma evidência adicional de que a vitamina B-3 é terapêutica para o câncer surge a partir do Estudo Nacional Coronariano, Canner. [2] 

5. Sobreviventes de Campo de Concentração 

Em 1960 eu planejava estudar o efeito do ácido nicotínico em um grande número de idosos que vivessem em um abrigo. Uma nova linha havia sido traçada. Aproximei-me do diretor deste asilo, o Sr. George Porteous. Marquei um encontro e disse-lhe o que eu gostaria de fazer e porque. Dei-lhe um esboço de suas propriedades, seus efeitos colaterais e porque eu achava que poderia ser útil. Sr. Porteous concordou e começamos esta investigação. Pouco tempo depois do meu primeiro contato, Mr. Porteous veio ao meu escritório no Hospital Universitário. Ele mesmo queria tomar ácido nicotínico ou niacina, para que ele pudesse discutir de forma mais inteligente a reação com as pessoas que viviam em sua instituição. Ele queria saber se seria seguro fazê-lo. 
Naquele outono, ele voltou a falar comigo, e desta vez ele disse que queria me contar o que tinha acontecido com ele. Então eu descobri que ele havia estado com as tropas canadenses que tinham partido para Hong Kong em 1940, tinha sido imediatamente capturado pelos japoneses e sobreviveu 44 meses em um de seus notórios campos de prisioneiros de guerra. Vinte e cinco por cento dos soldados canadenses morreram nesses campos. Eles sofreram de desnutrição grave, de fome e de deficiência de nutrientes. Eles sofriam de beri beri, pelagra, escorbuto, doenças infecciosas, e brutalidade dos guardas. 
Porteous, um instrutor de educação física, que estava em forma, pesando cerca de 80 quilos quando lá chegara. Quando voltou para casa, ele pesava apenas 2/3 disso. No caminho de volta para casa em um navio-hospital, os soldados foram alimentados e administrados com vitaminas extra na forma de farelo de arroz. Havia poucas vitaminas disponíveis em forma de comprimidos ou cápsulas. Ele aparentemente havia se recuperado, mas ainda estava muito doente. Ele sofria de sintomas físicos e psicológicos. Ele estava ansioso, com medo e um pouco paranoico. E ainda, ele nunca se sentia confortável em um quarto a menos que ele se sentasse de frente para a porta. Isso deve ter ocorrido, devido ao medo dos guardas. Fisicamente ele tinha artrite grave. Ele não conseguia levantar os braços acima dos ombros. Ele sofria com a sensibilidade ao calor e ao frio. De manhã, ele precisava da ajuda de sua esposa para sair da cama e começar o dia. Ele tinha insônia grave. Para isso, foram dados a ele barbitúricos à noite e, para ajudar a despertá-lo na parte da manhã, foram administradas anfetaminas. 
Mais tarde, li a literatura sobre os veteranos de Hong Kong e não há dúvida de que eles foram severamente e permanentemente danificados. Eles sofriam de uma alta taxa de mortalidade devido a doenças cardíacas, artrite incapacitante, cegueira e uma série de outras condições. Após me contar o seu passado, ele então me disse que duas semanas após ele ter começado a tomar o ácido nicotínico, 1 grama depois de cada refeição, ele ficou normal. Ele conseguiu levantar os braços e completar sua extensão completa, e ele estava livre de todos os sintomas que o haviam atormentado por tanto tempo. Quando comecei a preparar meu relatório [20], obtive Gráfico de Administração dos Veteranos dele. Ele foi entregue a mim em duas caixas de papelão e pesava mais de cinco quilos, mas mais de 95% do que estava ali, fora acumulado antes da administração da vitamina. Dez anos após ele ter começado a tomar a vitamina, restava muito pouco material adicional. Pode-se avaliar a eficácia da vitamina pesando os gráficos de papel antes e depois que ele começou a tomá-la. Porteous ficou bem, desde que ele iniciou a administração oral de vitamina, até sua morte, quando ele era vice-governador de Saskatchewan.In 1962, depois de ter ficado bem por dois anos, ele foi passar férias nas montanhas com seu filho e se esqueceu de levar o seu ácido nicotínico consigo. Ao voltar para casa quase toda a sintomatologia havia retornado. 

Porteous estava entusiasmado com o ácido nicotínico e começou a contar a todos os seus amigos sobre isso. Ele disse a seu médico. O médico avisou-lhe que isto poderia prejudicar o fígado dele. Porteous respondeu que ainda que algum dia ele viesse a morrer em decorrência de alguma doença hepática, ele não pararia com a vitamina, pois dependia dela para ficar bem. O médico tornou-se um entusiasta e dentro de poucos anos tinha começado a administrar a vitamina para mais de 300 de seus pacientes. Ele nunca viu nenhum exemplo de doença hepática causada por ácido nicotínico. 


Eu tratei mais de 20 prisioneiros de campos de japoneses e de campos de concentração europeus desde então, com resultados igualmente bons. Eu estimava que um ano nesses campos era equivalente a 4 anos de idade, ou seja, quatro anos no acampamento envelheceria um prisioneiro o equivalente a 16 anos de vida normal. 


George Porteous queria que cada prisioneiro de guerra dos campos orientais fossem tratados como ele havia sido. Ele não foi bem sucedido em convencer o governo do Canadá de que o ácido nicotínico seria muito útil, então ele se voltou para os seus companheiros de prisão, tanto no Canadá (Hong Kong veteranos) e americanos ex-prisioneiros de guerra. Estes veteranos americanos sofreram tanto quanto os soldados canadenses, uma vez que foram tratados exatamente da mesma forma abismal. Os que iniciaram a administração de vitamina apresentaram a mesma resposta. Recentemente, um desses soldados, um oficial aposentado, escreveu-me depois de estar tomando ácido nicotínico há 20 anos, dizendo que se sentia ótimo e que devia isso a vitamina e que, quando suas artérias foram examinadas durante uma cirurgia simples que elas estavam completamente normais. Ele escreveu: "Cerca de dois anos atrás, eu fui atingido, estava sangrando do pescoço para baixo. Os médicos aproveitaram a oportunidade para me curar. Eles disseram que as artérias sob os ouvidos pareciam que nunca tinham sido utilizadas." 


Há uma lição importante a partir das experiências desses veteranos e suas respostas a megadoses de ácido nicotínico. Isso é que, cada ser humano exposto ao estresse grave e desnutrição, por um período de tempo suficientemente longo, desenvolverá uma necessidade permanente de grandes quantidades desta vitamina e, talvez de várias outras. 


Isso está acontecendo em larga escala na África, onde a combinação de fome, a desnutrição e a brutalidade está reproduzindo as condições sofridas pelos veteranos. Aqueles que sobreviverem serão permanentemente danificados bioquimicamente, e continuarão a ser um fardo para si e para a comunidade onde vivem. Será que a sociedade tem o bom senso de ajudá-los a se recuperar, tornando esta vitamina disponível para eles em doses ideais? 


Doses 

A faixa ótima da dose não é tão grande quanto a do ácido ascórbico, mas é grande o suficiente para exigir diferentes recomendações para diferentes classes de doenças. Como é sempre o caso com nutrientes, cada indivíduo deve determinar seu próprio nível ótimo. Com ácido nicotínico isto é feito através do aumento da dose até o rubor ou flush (vasodilatação) não ocorrer mais, ou até que fique tão ameno que não seja mais um problema. 

Pode-se começar com uma dose baixa de 100 mg tomada três vezes por dia após as refeições e então, aumentar gradualmente esta quantidade. Eu costumo começar com doses de 500 mg cada e, muitas vezes, começo com doses de 1 grama especialmente para casos de artrite, de esquizofrenias, de alcoolismo e, para alguns pacientes idosos. No entanto, com pacientes idosos, é melhor começar com doses baixas e aumentar lentamente. 


Nenhuma pessoa deve tomar o ácido nicotínico, sem explicar-lhe que ela terá um flush ou um rubor, que varia em intensidade de zero a muito alta. Se isso é explicado com cuidado, e se eles são informados de que no momento em que ocorre o rubor não haverá nenhum problema, eles não vão se importar. O rubor pode permanecer muito intenso para alguns pacientes, então o ácido nicotínico poderá ser substituído por uma preparação de liberação lenta ou por alguns dos seus esteres, por exemplo,
Hexanicotinato de Inositol. O último é uma preparação muito boa, com muito pouco flush e é muito bem aceito por todos, mesmo quando não conseguiram aceitar o próprio ácido nicotínico. É um pouco caro, mas com produção em maior quantidade o preço pode cair. 

O rubor começa na testa com um formigamento como aviso. Em seguida, ele se intensifica. A taxa do desenvolvimento do rubor ou flush depende de tantos fatores que é impossível prever o curso que irá tomar. 


Os seguintes fatores reduzem a intensidade do rubor: uma alimentação fria, tomando-o depois de uma refeição, tomando uma aspirina antes, utilizando um anti-histamínico com antecedência. 


Os seguintes fatores tornam o rubor mais intenso: uma refeição quente, de uma bebida quente, estômago vazio, mascar as pastilhas e a taxa em que os comprimidos se decompõem no líquido. 


A partir da testa e da face, o flush ou rubor viaja para baixo do resto do corpo, geralmente para em algum lugar no peito, mas pode se estender para os dedos dos pés. Com o uso contínuo o flush ou rubor gradualmente diminui e, eventualmente, pode ser apenas uma sensação de formigamento na testa. Se a pessoa para de tomar a vitamina por um dia ou mais a sequência do rubor voltará a ser experimentada da mesma forma descrita. Em algumas pessoas nunca ocorre o flush e, em outras, seus efeitos só começam a passar após vários anos tomando a vitamina. Com a nicotinamida não deve haver nenhum rubor, exceto cerca de 2% das pessoas. Isto ocorre devido a uma rápida conversão da nicotinamida em ácido nicotínico no corpo.


Quando a dose for demasiadamente elevada para qualquer uma das formas da vitamina, pacientes sentirão náuseas primeiro, e, em seguida, se a dose for reduzida não conduzirá a vômitos. Estes efeitos colaterais podem ser utilizados para determinar qual é a dose ideal. Quando eles ocorrem, a dose é reduzida até que esteja um pouco abaixo da dose que provocou náusea. Com as crianças, a primeira indicação pode ser a perda de apetite. Se isso ocorrer, a vitamina deve ser interrompida por alguns dias e, em seguida, pode ser retomada com uma dose um pouco inferior. Poucas pessoas podem tomar mais de 6 gramas por dia da nicotinamida. Com ácido nicotínico, é possível ir muito além. Muitos esquizofrênicos têm tomado até 30 gramas por dia sem nenhuma dificuldade. A dose irá se alterar ao longo do tempo e, se em uma dose em que não houve nenhum problema anterior, eles podem começar a ter náuseas, por exemplo, com o passar do tempo. Geralmente isso indica que o paciente melhorando e não precisa mais de tanto, então deve-se reduzir um pouco esta dose de vitamina. Eu dividi todos os pacientes que podem se beneficiar de vitamina B-3 nas seguintes categorias: 


Categoria 1: Estas são as pessoas que estão bem ou quase bem, e não têm nenhuma doença evidente. Elas estão interessadas ​​em manter sua boa saúde ou em melhorá-la. Elas podem estar sob maior stress. A gama de dose ótima varia entre 0,5 a 3 gramas por dia. As mesmas doses aplicam-se a nicotinamida. 


Categoria 2: Todos sob estresse fisiológico, como a gravidez e a lactação, sofrendo de doença aguda, como as doenças resfriado ou gripe, ou outras comuns que não ameaçam de morte. Todos os síndromes psiquiátricas estão incluídas neste grupo, incluindo as esquizofrenias e os estados senis. Também inclui o grupo de pessoas com níveis altos de colesterol no sangue ou HDL baixo, quando se desejar normalizar estas taxas sanguíneas. A dose é de 1 grama a 10 gramas por dia. Para nicotinamida a dose é de 1 1/2 g a 6 g. 


A nicotinamida não altera os níveis de colesterol, só a niacina.


Efeitos colaterais 


Aqui estão as conclusões Dr. John Marks. [21] 


"Uma sensação de formigamento ou rubor na pele após administração de doses relativamente grandes (de mais de 75 mg) de ácido nicotínico é um fenômeno muito comum. É o resultado da dilatação dos vasos sanguíneos, que é uma das ações naturais do ácido nicotínico e para a qual ele é usado terapeuticamente. Se isso deve ser considerado como uma reação adversa é um ponto discutível. A reação passa regularmente após cerca de 20 minutos e não é prejudicial para o indivíduo. É muito raro que esta reação ocorra em doses três vezes maiores que a RDA (Recomendação de Nutrição Diária), mesmo em indivíduos muito sensíveis. Para a maioria das pessoas são necessárias quantidades muito maiores. A nicotinamida é a substância relacionada que muito raramente produz esta reação (rubor) e, em consequência esta é a forma geralmente utilizada para a suplementação de vitamina. 


"As doses de 200 mg a 10 g por dia de ácido nicotínico (niacina) têm sido usadas terapeuticamente para reduzir os níveis de colesterol no sangue sob supervisão médica, por períodos de até 10 anos ou mais e, apesar de algumas reações terem ocorrido nestas doses muito altas, eles responderam rapidamente à cessação da terapia, e muitas vezes pararam de ocorrer, mesmo quando o tratamento foi continuado. 


"Em casos isolados, distúrbios temporários no fígado, erupções cutâneas, pele seca e pigmentação excessiva foram vistos. A tolerância à glicose foi reduzida em diabéticos e pacientes com úlceras pépticas experimentaram um aumento da dor. Nenhuma reação grave tem sido relatada no entanto, mesmo nestes alta doses. A evidência disponível sugere que 10 vezes a RDA (Recomendação de Nutrição Diária) é segura (cerca de 100 mg) ". 


Dr. Marks é cauteloso sobre a recomendação de que doses de 100 mg são seguras. Na minha opinião, com base em 40 anos de experiência com esta vitamina, as faixas de dosagens eu recomendei acima são seguras. No entanto, com as doses mais elevadas é necessária uma supervisão médica. 


A icterícia é muito rara. Menos que dez casos foram relatados na literatura médica. Eu não vi nenhum em 10 anos. Quando a dose ictérica ocorre, geralmente, é um tipo obstrutivo e acaba quando a vitamina é interrompida. Eu consegui retomar a administração de ácido nicotínico nos pacientes esquizofrênicos, após a icterícia passar e isto não se repetiu mais. 


Quatro casos graves foram relatados, todos envolvendo uma preparação de liberação prolongada (sustained release preparation). Mullin, Greenson & Mitchell (1989) [22] relataram que um homem de 44 anos foi tratado com ácido nicotínico cristalino, 6 gramas por dia, e após 16 meses estava bem. Ele, então, começou a tomar uma preparação de liberação prolongada, de mesma dose. Dentro de três dias, ele desenvolveu náuseas, vômitos, dor abdominal e urina escura. Ele teve insuficiência hepática grave e precisou de um transplante de fígado. Henkin, Johnson & Segrest encontraram três pacientes que desenvolveram hepatite com ácido nicotínico de liberação prolongada. Quando este foi substituído por ácido nicotínico cristalino não houve dano hepático recorrente. [23] 


Devido a ocorrência de icterícia em pessoas que nunca tomaram o ácido nicotínico ser comum, é possível que exista uma associação aleatória. Os exames de função hepática podem indicar que há um problema, quando na verdade não há. O ácido nicotínico deve ser interrompido por cinco dias antes dos exames de função hepática serem realizados. Um paciente que não teve nenhum problema com o ácido nicotínico para diminuir o colesterol trocou sua vitamina pela de preparação de liberação lenta e ficou doente. Quando ele voltou a tomar o ácido nicotínico original, ele ficou bem novamente com nenhuma evidência de disfunção hepática. Eu não vi mais nenhum caso relatado em qualquer outro lugar. Eu descrevi de forma muito mais completa os efeitos colaterais desta vitamina do que em qualquer local. [24] 


Hexanicotinato de Inositol é um éster de inositol e ácido nicotínico. Cada molécula de inositol contém seis moléculas de ácido nicotínico. Este éster é decomposto lentamente no corpo. Ele é tão eficaz quanto o ácido nicotínico e é praticamente isento de efeitos colaterais. Há muito pouco rubor, desconforto gastrointestinal e outros efeitos colaterais incomuns. Inositol, é considerado uma das menos importantes vitaminas do complexo B, tem uma função no corpo como uma molécula mensageira e pode acrescentar algo às propriedades terapêuticas do ácido nicotínico. 

Conclusão 

A vitamina B-3 é um nutriente muito eficaz no tratamento de um grande número de doenças psiquiátricas e médicas, mas o seu efeito benéfico é maior quando o resto do programa ortomolecular está incluído. A combinação dos nutrientes antioxidantes com a vitamina B-3 é um excelente programa anti-stress. 

Observação minha Sílen, a niacina não está a venda no Brasil, porém pode ser adquirida pela internet nas lojas evitamins ou iherb, por exemplo. Baseando-me em vídeos e leituras do Andrew Saul Ph.D, editor-chefe do Jornal de Medicina Ortomolecular, autor de vários livros, incluindo um em coautoria com o Dr. Abram Hoffer, seguem algumas dicas: 

  • Não adquira a forma de liberação prolongada (Time Released) da vitamina B3 ou niacina, pode ser perigosa! A Niacina ou Niacin é a flush formula (que você fica vermelho como se tivesse tomado muito sol por alguns minutos e coça um pouco, isto não faz mal algum e a Niacinamida ou Niacinamide é a formula non-flush (sem rubor). Outra forma na maioria das vezes non-flush é o hexanicotinato de inositol.
  • A melhor maneira de controlar a sensação do flush com precisão é começar com pequenas quantidades de niacina e aumentá-las gradualmente, até que o primeiro flush seja notado. Um método é: comece com apenas 25 miligramas (25 mg) de niacina três vezes por dia, por exemplo, em cada refeição. No dia seguinte, tome 50 mg no café da manhã, 25 mg no almoço e 25 mg no jantar. No dia seguinte, 50 mg no café da manhã, 50 mg na hora do almoço, e 25 mg no jantar. E, no dia seguinte, 50 mg em cada uma das três refeições. No dia seguinte, 75 mg, 50 mg e 50 mg. Em seguida, respectivamente, 75, 75 e 50, e assim por diante (fonte). Pode-se tomar 1000 mg de vitamina C com a niacina, três vezes ao dia. Tabletes de niacina de 100 mg (esta daqui) são facilmente divididos ao meio, para produzirem duas metades de tabletes, contendo 50 mg de niacina cada.
    Normalmente são necessários cerca de três meses, tomando a maior dosagem de niacina (1000 mg três vezes ao dia) e da vitamina C para que níveis de colesterol sejam estabilizados em níveis mais baixos. Quanto custa a tomar 3000 mg de niacina e vitamina C? Estas duas vitaminas podem ser compradas com um custo total de cerca de 50 centavos (de dólar) por dia (nos EUA)
  • A utilização contínua da niacina diminui a mortalidade de forma confiável e prolonga a vida (fonte)
  • Lembre-se: cada organismo necessita de uma quantidade, depende de quão doente o corpo está! 
  • Por fim, busque um acompanhamento de um médico ortomolecular e mostre este estudo a ele.
  • Este polivitamínico de alta potência (contém 50 mg de complexo B) ou o o complexo B 50 (50 mg) ou B 100 (100 mg). Desde 1965, Dr. Abraham Hoffer dava a seus pacientes o complexo B, o complexo B 50 (50 mg) ou B 100 (100 mg com formas bioativas). Estes fornecem piridoxina, ácido fólico e vitamina B-12, assim como outras vitaminas. A adição dessas vitaminas, inevitavelmente, será benéfica uma vez que as outras vitaminas possuem propriedades terapêuticas próprias, além de impedir que os níveis de homocisteína elevem-se demasiadamente. Mas mesmo a niacina, tomada sozinha foi benéfica, não prejudicial. E isso confirma o que Dr. Hoffer estudou e testou desde 1952, quando a Ibegan usava megadoses de niacina e niacinamida para esquizofrenia e outras condições, incluindo níveis elevados de colesterol e artrite. Os autores não inventaram qualquer factoide, mas é muito provável que alguns dos leitores ignorarão quase todo o relatório, exceto que a niacina eleva homocisteína e, portanto, aumenta o risco de doença cardíaca. Em breve você verá esse factoide se repetindo incessantemente. A niacina é um aceitador de metilo e este pode ser o mecanismo que conduz à elevação dos níveis de homocisteína. A niacinamida é também um aceitador de metilo, mas não tem nenhum efeito sobre os níveis de lípidos no sangue (colesterol e outros). O seu efeito sobre os níveis de homocisteína não é conhecido, mas não há nenhuma evidência de que ela reduza a expectativa de vida. Pelo contrário, ela tem grande valor no tratamento de estados senis, tanto físicos e mentais, e prolonga a vida (fonte). 
  • Monitorar o uso a longo prazo da niacina é uma boa ideia para qualquer pessoa. Isto consiste em pedir para seu médico verificar a sua função hepática com um simples exame de sangue, mas antes de fazê-lo pare de tomar a niacina por 5 dias (fonte).
  • A niacina de 500 mg pode ser encontrada no Brasil neste link.
  • Dr. Levy está convencido da segurança da vitamina C. Ele diz: "Exceto em indivíduos com, insuficiência renal significativa estabelecida, a vitamina C é indiscutivelmente o mais seguro de todos os nutrientes que podem ser dados."
  • Foi observado edema macular cistoide, mas apenas em casos raros, quando as doses diárias de niacina são superiores a 3 gramas (3.000 mg). Se durante o tratamento com doses elevadas de niacina você ficar com a visão turva, reduza ou pare de tomar a niacina e consulte o seu médico ortomolecular ou funcional (fonte)

Reproduzido com a permissão do autor: 
Abram Hoffer, M. D., Ph.D. 

Referências:


http://www.doctoryourself.com/hoffer_niacin.html


1. Horwitt MK: Nutrição moderna na saúde e na doença. Fifth Ed. RS Goodhart e ME Shils. Lea & Febiger, Phil. 1974. 


2. Canner PL, Berge KG, Wenger NK, Stamler J, L Friedman, Prineas RJ e Freidewald W: mortalidade Quinze anos Coronary Drug Project; pacientes benefício a longo prazo com niacina. Cardiologia Americana Coll 8: 1245-1255, 1986. 


3. Altschul R, Hoffer A & Stephen JD: Influência do ácido nicotínico sobre o colesterol sérico em Man. Arch Biophys 54: 558-559, 1955. 


4. Hoffer A: A Esquizofrenia, Estresse e Adrenochrome Hipótese. Em Press, 1995. 


5. Hoffer A: Medicina Ortomolecular para médicos. Keats Pub, New Canaan, CT, 1989. 


6. Hoffer A: O tratamento de esquizofrenia. Em Press, 1995. 


7 Hoffer A: O Desenvolvimento da Medicina Ortomolecular. Em Press, 1995. 


8 Hoffer A: Niacina Terapia em Psiquiatria. C. C. Thomas, Springfield, IL, 1962. 


Hoffer A & Osmond H: Nova esperança para alcoólicos, University Books, New York, 1966 Escrito por Fannie Kahan. 


Hoffer A & Walker M: nutrientes para idade sem senilidade. Keats Pub Inc, New Canaan, CT, 1980. 


Hoffer A & Walker M: Elegante nutrientes. Um Guia de nutrientes que podem prevenir e reverter senilidade. Avery Publishing Group, Garden City Park, New York, 1994. 


9 Agnew N & Hoffer A: ácido nicotínico Modificado Ácido Lisérgico Dietilamida Psicose. J Ment Ciência 101: 12-27, 1955. 


10 Ivanova RA, Milstein GT, Smirnova LS & Fantchenko ND: a influência do ácido nicotínico em uma psicose Experimental Produzido por LSD 25 Jornal de Neuropatologia e Psiquiatria da CC Korsakoff 64: 1172-1176, 1964 em russo. Traduzido por Dr. T.E. Weckowicz. 


11 Wilson B: A vitamina B-3 Therapy: A primeira comunicação aos Médicos do AA e A Segunda Comunicação para Médicos de AA, 1967 e 1968. 


12. Smith RF: Um ensaio de campo cinco anos de enorme tratamento com ácido nicotínico de alcoólatras em Michigan. Journal of Psychiatry Ortomolecular 3: 327-331, 1974. 


Smith RF: relatório sobre a utilização do ácido nicotínico megadose em alcoólatras. Journal of Psychiatry Ortomolecular 7: 52-55, 1978. 


13 Kaufman W: formas comuns de Niacinamida Doença da Deficiência: Aniacin Amidosis. Yale University Press, New Haven, CT, 1943. 


Kaufman W: a forma comum da Disfunção da Articulação: sua incidência e tratamento. E.L. Hildreth e Co., Brattelboro, VT, 1949. 


14 Hoffer A: Medicina Ortomolecular para médicos, Keats Pub, New Canaan, CT, 1989. 


15 Jacobson M & Jacobson E: niacina, nutrição, ADP-ribosylation e câncer. O 8 º Simpósio Internacional de Ribosilação do ADP, Texas Faculdade de Medicina Osteopática, Fort Worth, TX, 1987. 


Tito K: Cientistas ligação niacina e prevenção do câncer. O O. D. 28: 93-97, 1987. 


Hostetler D: Jacobsons colocar traços largos na imagem niacina / câncer. O O. D. 28: 103-104, 1987. 


16. Chaplin DJ, Horsman MP & Aoki DS: nicotinamida, Fluosol DA e Carbogen: uma estratégia para reoxigenar células aguda e crónica de hipóxia in vivo. British Journal of Cancer 63: 109-113, 1990. 


17 Nakagawa K, Miyazaka M, Okui K, Kato N, Moriyama Y & Fujimura S: nível N1-metilnicotinamida no sangue após o carregamento nicotinamida como mais uma prova de carga tumor maligno. Jap. J. Cancer Research 82: 277-1283, 1991. 


18 Gerson M: considerações dietéticas em doenças neoplásicas malignas. Um relatório prelimary. A revisão de Gastroenterologia 12: 419-425, 1945. 


Gerson M: Efeitos de um regime dietético combinado em pacientes com tumores malignos. Medicina e Cirurgia Experimental 7: 299-317, 1949. 


19 Hoffer A: Ortomolecular Oncology. Em Adjuvante Nutrição em Câncer, Ed. P. Quillin & R. M. Williams. 1992 Symposium Proceedings, promovido pela Cancer Research Foundation Tratamento e American College of Nutrition. Cancer Research Foundation Tratamento, 3455 Salt Creek Lane, Suite 200, Arlington Heights, IL 60005-1090, 331-362, 1994. 


20 Hoffer A: Hong Kong veteranos Study. J Ortomolecular Psiquiatria 3: 34-36, 1974. 



21 marcas J: Vitamina de segurança. Papel informações de status da vitamina, F. Hoffman La Roche & Co., Basileia, 1989.